Docentes da UFPI relatam intimidações a protestos contra PEC

Jornal GGN – Na Universidade Federal do Piauí, a associação de docentes (ADUFPI) denunciam as ações de um grupo da comunidade acadêmica que tem intimidado professores, servidores e alunos que protestam contra medidas o governo Temer, como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55, antiga PEC 241.

Na última terça-feira (22), alunos de diversos cursos protestaram contra a PEC na entrada do campus Petrônio Portela, em Teresina. Para hoje (25), está programado um ato na universidade que irá se juntar a outras movimentos sociais no centro da capital do Piauí.

A ADUFPI relata que um grupo de alunos contrários aos protestos divulgou um boato de que o campus estaria fechado em um dos dias de mobilização. Através das redes sociais, um professor convocou alunos “com sangue nos olhos” para “partir para cima” dos “vadios”. “Todas as ameaças e desqualificações aos colegas professores, técnico-administrativos e alunos ocorrem de forma aberta nas dependências do campus e nas redes sociais, inclusive sob o olhar omisso da direção do CRMV [Campus Ministro Reis Velloso]”, afirma a ADUFPI.

Leia a íntegra da nota abaixo:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Brasil de Fato: a greve minuto a minuto

3 comentários

    • Esqueçam… esse pessoal não

      Esqueçam… esse pessoal não vai para o pau nem por um decreto !!!

      Entrem na página do movimento de ocupação da UFPI no Facebook. CIRANDA PURA !!!

      Eu sou completamente a favor da luta dos estudantes. Sou parcialmente a favor das ocupações (O que questiono é a eficácia prática, em termos de diálogo com a população fora do campo e como meio efetivo de combate a PEC 241), mas sou totalmente contra a Ciranda. Você vê as atividades desenvolvidas, especificamente dos dias 22 e 23, e fica fácil perceber que o movimento está completamente dominado pelo pós-modernismo.

      Essa esquerda precisa de Mais Marx e Mens Foucalt.

  1. Só resta uma saída. O

    Só resta uma saída. O confronto político direto do povão contra todos os reacionários de plantão.

    Mas veja o escárnio. Reitores, sabendo que afundarão suas universidades, sendo coniventes com este tipo de atitude. E além do mais no nordeste, que foi beneficiado pela era Lula-Dilma (não foi mais porque o Brasil foi sabotado em diversas frentes, desde 2003) em todas as áreas, de infra a ciência e tecnologia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome