Estudantes alertam para tentativa de Temer de sufocar com o movimento em definitivo

Jornal GGN – Os estudantes que ocupam escolas em protesto contra a PEC 241 (55 no Senado) e a reforma do ensino médio estão preocupados com a ameaça do governo Temer, de responsabilizar financeiramente os manifestantes na Justiça, por causa das implicações para o ENEM. O exame foi adiado nos colégios ocupados, numa tentativa, segundo a UNE (União Nacional dos Estudantes), de colocar um jovem contra o outro e desmoralizar o movimento.

A estratégia política poderia ser estendida aos movimentos sociais pelo governo Temer. Para Carina Vital, se esses movimentos forem abatidos financeiramente, poderão caminhar para o fim.

Por Eduardo Maretti

Da Rede Brasil Atual

O Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé realizou, na noite de ontem (11), o debate “O Estado de exceção e a criminalização dos movimentos sociais”, com a participação da presidenta da União Nacional dos Estudantes, Carina Vitral, do jurista Pedro Serrano e de Joaquim Pinheiro, da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O coordenador da entidade, João Pedro Stédile, não pôde comparecer.

A presidenta da UNE denunciou a tentativa do governo de Michel Temer de criminalizar entidades como a UNE e União Brasileira de Estudantes Secundaristas (UBES) para, entre outros objetivos, dividir e enfraquecer o movimento estudantil, atualmente o principal protagonista da resistência aos retrocessos e retirada de direitos propostos pelo governo golpista.

O ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), disse na segunda-feira (7) que o governo vai cobrar judicialmente das entidades estudantis o ressarcimento de prejuízos causados pelas ocupações das escolas, que, segundo ele, foi a causa do adiamento das provas do Enem para parte dos candidatos.

“Temos que disputar essa narrativa. É preciso dizer claramente quem foi que adiou o Enem: foi o Ministério da Educação numa medida precipitada. A atitude do ministro foi política, para colocar estudante contra estudante. Não fomos nós que impedimos o diálogo.” Carina disse que a geração atual de estudantes é politizada e madura o suficiente para saber negociar.

Leia também:  Olavo de Carvalho defende pena de morte para o ministro Alexandre de Moraes

Prova disso, ressaltou, é o fato de que as ocupações não impediram nem prejudicaram as eleições municipais. “Os estudantes lutam contra Temer, mas são capazes de negociar. Os alunos das ocupações também fazem Enem. Era nosso interesse garantir o Enem e pusemos isso nos manifestos.”

Ela lembrou que a PEC 241 (55 no Senado) pode fazer com que o Enem de 2016 seja um dos últimos, já que a medida “congela” gastos em educação por 20 anos. Em protesto na Praça da Sé contra o governo Temer e suas medidas, a presidenta da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), Camila Lanes, fez ontem (11) um alerta ao presidente: “Temer, os estudantes estão indo pra Brasília e vão ocupar as escolas e a cidade contra sua política que pretende destruir o país. Não vai ter limites para a luta dos estudantes, vamos ocupar tudo”.

No debate do Barão de Itararé, Carina Vitral pediu solidariedade contra a criminalização dos movimentos sociais pelo governo e disse que a responsabilização financeira pode “ser um golpe de morte” para elas. “Que aprendamos com os estudantes secundaristas, com sua pauta ampla e capaz de conquistar a sociedade.”

A ativista disse que, se por um lado é preciso reconhecer a vitória do conservadorismo que levou Temer ao poder, por meio do golpe que destituiu a eleita Dilma Rousseff do cargo, por outro “algo está diferente na consciência da população”. “Ou abrimos um canal com a sociedade, ou vamos ficar falando sozinhos com nós mesmos.”

Leia também:  Ruptura democrática não é questão de se, mas quando vai acontecer, diz Eduardo Bolsonaro

Pela força

Pedro Serrano, professor de Direito Constitucional da PUC-SP, afirmou acreditar que as medidas de repressão contra movimentos sociais e atos judiciais para intimidar os opositores de Temer tendem a aumentar. “A tendência é essas medidas se expandirem, com mais repressão e mais processos para perseguir pessoas judicialmente.”

Para ele, o processo que se desenvolveu no Brasil e culminou com a ascensão do governo atual é um enredo que se disseminou na América Latina, o que os golpes em Honduras (2009) e Paraguai (2012) já anunciaram antes. O impeachment, como golpe político, trouxe medidas de suspensão dos direitos que “fazem parte de um processo para combater ‘o inimigo'” eleito pelo Estado neoliberal. “Hoje, os direitos Humanos não servem quando a democracia tem que combater o ‘inimigo’. Existe um descumprimento absoluto da Constituição e a produção de processos judiciais de exceção, para criminalizar o opositor. Na América Latina, o agente promotor da exceção é o sistema de justiça.”

Joaquim Pinheiro, do MST, falou sobre a invasão da Escola Florestan Fernandes, na sexta-feira (11), em Guararema (SP). “É parte do golpe. Talvez seja mais um balão de ensaio, como foi feito na condução coercitiva de Lula.”

Para o ativista, “o bloco que deu o golpe continua unificado”. Fazem parte desse bloco, segundo ele, “parte da Polícia Federal, parte do Ministério Público Federal, a grande imprensa, principalmente a Globo, e o juiz Moro”.

Em outro front, destacou Pinheiro, “os golpistas seguem avançando na direção de colocar a conta da crise nas costas do trabalhador, e isso é operado por (Henrique) Meirelles (ministro do Fazenda). E o PSDB, que se tornou ainda mais forte depois das eleições municipais, apresenta o programa do golpe.”

Leia também:  O ativismo das patentes inferiores e o perigo da perda da hierarquia nas forças armadas, por Rogério Maestri

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome