Mais de 400 famílias sofrem ameaça de despejo em Jaciara (MT)

Imagens da produção no acampamento

WhatsApp Image 2018-07-02 at 16.50.20 (1).jpeg

Da Página do MST 

Mais de 400 famílias sofrem ameaça de despejo em Jaciara (MT)

Os Sem Terra estão acampadas há cerca de dois anos no local

Na tarde desta segunda-feira (2), centenas de polícias estiveram no acampamento Padre José Tenente Cate no município de Jaciara, Mato Grosso, para realizar uma ação de despejo contra 400 famílias Sem Terra. 

O pedido de despejo foi feito pela prefeitura municipal de Jaciara que tem como prefeito Abdo Mohammad (PSDB). As famílias estão na área há dois anos e meio plantando e cultivando alimentos. A produção local além de garantir a sobrevivência dos acampados é doada para a comunidade no município de Vale do São Lourenço. 

Diante das constantes ameaças, os Sem Terra reduziram no último período cerca de 10 hectares de lavouras para que a empresa Millenium Bioenergia pudesse se instalar na área. É evidente que o despejo das famílias é um ato de injustiça que tem como objetivo final favorecer a expansão do agronegócio na região. 

Além disso, a postura do atual prefeito é irresponsável e injustificável uma vez que a prefeitura não tem necessidade fazer do uso imediato da área onde está o acampamento.

Exigimos que o prefeito faça o pedido de suspensão da reintegração de posse e que juntamente com o governador da cidade possa recuar no pedido de despejo. O Movimento exige também que o Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) realize o assentamento de todas as famílias na região sul do estado.  

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Ato em Porto Alegre desmonta manifestação pró Bolsonaro e contra isolamento

1 comentário

  1. Quem conhece o Centro-Oeste

    Quem conhece o Centro-Oeste sabe que é uma região de fazendeiros-grileiros que aumentam suas cercas e tomam para si terras que não lhes pertencem e que não hesitam em usar da violência contra quem quer possa contestar esse estado de coisas. Sem terra, campesinos pobres, indios, toda e qualquer ameaça ao mandario desses fazendeiros e madereiros que têm alcance aos prefeitos e juizes dessas cidades, não hesitam em expulsar com violência e muitas vezes matando quem precisa de um pedaço de terra. 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome