MST rebate denúncias feitas pelo Fantástico

O Movimento reforça que não compactua e que seguirá denunciando casos de venda de lotes

da Página do MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

MST rebate denúncias feitas pelo Fantástico

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do Rio Grande do Sul vem a público para esclarecer à sociedade questões referentes às denúncias de fraudes na Reforma Agrária, apontadas no programa Fantástico da Rede Globo.

A reportagem, que foi ao foi ao ar no último domingo (23), trata de casos de venda de lotes em assentamentos gaúchos.

O MST reforça que esse tipo de prática não é apoiada pelo Movimento e que, quando de conhecimento, sempre foi denunciada ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Informamos ainda que os casos mostrados na reportagem são isolados e não representam a verdadeira face da Reforma Agrária.

Confira abaixo a íntegra.

NOTA SOBRE AS DENÚNCIAS APRESENTADAS NO FANTÁSTICO

Diante das denúncias apresentadas pelo programa Fantástico da Rede Globo no último domingo (23), sobre venda de lotes da Reforma Agrária no Rio Grande do Sul, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do estado esclarece:

1) Os casos de venda de lotes apresentados na reportagem, se verdadeiros, são isolados, e não são práticas apoiadas pelo Movimento. Casos como esses são minorias e não representam a verdadeira face da Reforma Agrária.

2) Por serem proprietários das terras, cabe ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e ao governo do estado do Rio Grande do Sul fiscalizarem e tomarem as devidas providências;

Leia também:  A megafazenda que ameaça descendentes de Canudos equivale a duas São Paulo

3) O MST tem diretriz contra o tipo de prática mostrada na reportagem e sempre que soube denunciou aos responsáveis, pois compreende que o papel da Reforma Agrária é propiciar vida digna às famílias, com lazer, educação, trabalho e renda, e fazer com que a terra cumpra a sua função social na produção de alimentos saudáveis, o que é uma realidade dos assentamentos, ainda que com sucessiva falta de apoio do governo federal. No entanto, funcionários do Incra e da própria Polícia Federal fazem vista grossa, com o objetivo de desmoralizar a Reforma Agrária;

4) O MST/RS é contra a mercantilização e venda de terras públicas, por isso, defende que os assentados recebam a posse por meio da concessão de uso, e não do título da terra. A titulação proposta pelo governo estimula e legaliza essas práticas ilegais;

5) O MST/RS denuncia que, ao mesmo tempo em que há uma paralisação total da política nacional de Reforma Agrária, há uma forte ofensiva do governo federal para que as famílias assentadas vendam os seus lotes. O objetivo é colocar essas áreas no mercado para favorecer o agronegócio e ampliar a concentração de terras no país, além de facilitar a compra desses territórios por estrangeiros;

6) A reportagem do Fantástico é mais uma perseguição da grande mídia, que se utiliza de concessões públicas para promover seus interesses. A emissora está historicamente a serviço do Capital e é contra os trabalhadores Sem Terra, que sempre estiveram à frente de mobilizações contra a retirada de direitos. A tentativa é de desqualificar a luta do MST e a importância da democratização do acesso à terra na opinião pública, uma vez que a emissora não dá espaço para mostrar o que realmente é a Reforma Agrária. Por exemplo, nos assentamentos gaúchos encontram-se a maior área de produção ecológica de arroz da América Latina e uma das maiores cooperativas de produção de sementes agroecológicas do país, detentora da marca BioNatur;

7) Por fim, o MST/RS reforça que não compactua e que seguirá denunciando casos de venda de lotes, e desafia a reportagem a mostrar a realidade do conjunto das famílias que vivem nos assentamentos denunciados. O Movimento não se abaterá diante desse tipo de ofensiva da grande mídia e continuará a sua luta em defesa dos mais pobres e dos territórios conquistados, por igualdade e justiça social.

Leia também:  Liberdade para Ednalva!, por Eleonora Menicucci

MST/RS, 24 de junho de 2019

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Pergunto, e até quando vai essa perseguição em cima desses companheiros e companheiras que lutam pela justiça social ,será que a imprensa manipuladora vai incentivar ,estar sempre no lado mais” forte “(elites)?

    1
    2
  2. Moro numa região do interior de São Paulo onde muitos lotes seriam alugados para o plantio de cana de açúcar. Tem também as famílias que produzem quase nada. Muitos deles são obrigados a trabalhar em fábricas ou como catadores de laranja. Casos desses são exceções?

  3. Trabalhei 33 anos no Incra atuando em vários setores. Nos últimos 3 anos participei na implantação de Projetos de RA no ES na época que o MST iniciava a sua luta pelo direito a posse da terra. Os erros que podem ser atribuídos ao movimento – um dos mais importantes movimentos sociais na história deste País, são infinitamente menores que aqueles cometidos pelos coronéis latifundiários e pelo agronegócio.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome