Na Câmara de SP, ato em defesa da educação popular e dos Sem Terrinha

Amanhã, dia 22, um ato em defesa do Movimento dos Sem Terra e da educação popular e do campo. O Ato será na Câmara Municipal de São Paulo

Jornal GGN – O coletivo da vereadora Juliana Cardoso (PT), em São Paulo, organizou, para esta sexta-feira, dia 22, um ato em defesa do Movimento dos Sem Terra e da educação popular e do campo. O Ato será na Câmara Municipal de São Paulo.

A vereadora entende que, mesmo após ser alçado ao cargo de presidente, Jair Bolsonaro continua a utilizar as estratégias que o levaram ao cargo, sempre questionáveis. Nas redes sociais, uma profusão de fake News. Na imprensa alinhada, duros ataques às organizações populares e à educação popular, que forma cidadãos críticos. 

No último dia 10 de fevereiro a Rede Record prestou um desserviço à educação e aos movimentos sociais, veiculando uma matéria em que criminalizava o encontro dos Sem Terrinha, que reuniu 1.200 crianças no ano passado. A reportagem ligou o intercâmbio de experiências de crianças com doutrinação ideológica. Isso foi a forma que encontraram de reforçar o projeto Escola Sem Partido e atacar a educação pública.

A Record não conversou com o MST e nem tocou na pauta do encontro, que foi o direito à educação e à alimentação saudável, sem venenos. O evento foi organizado pelo MST e obteve autorizações de todos os órgãos responsáveis, respeitou os padrões de segurança exigidos no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e as crianças foram autorizadas a ir pelos pais.

O que pegou, para a Record, teria sido a carta elaborada pelas crianças pedindo ao Ministério da Educação (MEC) melhorias na educação nacional?

O MST tem um histórico de luta pela terra e alimentação saudável, mas também é um ator importante no quesito educação neste país: já conquistou mais de 2 mil escolas públicas em seus assentamentos e acampamentos em todo o país. Também formou cerca de 4 mil professores na luta por uma educação popular e crítica, seguindo o legado de Paulo Freire.

Bolsonaro, em seu governo, quer criminalizar e colocar na ilegalidade os movimentos sociais que nasceram e lutam por direitos básicos do povo brasileiro. O ato organizado pelo coletivo da vereadora Juliana Cardoso é um ato de solidariedade e apoio ao MST e à sua luta fundamental nesses dias.

Leia também:  Brasil de Fato: a greve minuto a minuto

SERVIÇO:

Solidariedade ao MST e em defesa da educação popular e do campo

QUANDO?

Dia 22 de fevereiro (sexta-feira), às 19h.

ONDE?

Câmara Municipal de São Paulo (Salão Nobre, 8º andar).

ENDEREÇO: Viaduto Jacareí, nº 100, Bela Vista.

INFORMAÇÕES: Gabinete Juliana Cardoso – ‪3396-4351 e ‪3396-4315 –/ Movimento dos Sem Terra (MST)  Wesley Lima – ‪(73) 9 99583842

Evento no Facebook – https://web.facebook.com/events/415787705894682/’

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome