Polícia prende homem que confessou ter assassinado militante do MST em Valinhos (SP)

Famílias do acampamento Marielle Vive distribuíam alimentos quando foram atropeladas por caminhonete

Caminhonete usada no atropelamento também foi apreendida / Igor Carvalho

do Brasil de Fato

Polícia prende homem que confessou ter assassinado militante do MST em Valinhos (SP)

Igor Carvalho

Brasil de Fato | Valinhos (SP)

A Polícia Civil prendeu, por volta das 17h30 quinta-feira (18), Leo Luiz Ribeiro, que confessou ter assassinado Luis Ferreira da Costa, de 72 anos, militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), durante uma manifestação pela manhã em Valinhos (SP).

Após prestar depoimento na delegacia da Polícia Civil do 1º Distrito de Valinhos, ele foi transferido (vídeo abaixo) para cadeia pública anexa à 2ª Delegacia de Polícia de Campinas (SP).

Leo Luiz Ribeiro é dono de uma oficina mecânica, na qual trabalha com outros dois irmãos. O veículo utilizado no crime é uma caminhonete modelo Mitsubishi Hylux L-200, com placas de Valinhos. O carro foi apreendido. No painel, havia uma bandeira do Brasil.

À reportagem do Brasil de Fato, a esposa dele, que não quis se identificar, disse que o marido só soube que havia assassinado o idoso ao chegar em casa, e entrou em pânico.

O vídeo abaixo mostra uma discussão na delegacia, do lado de fora do interrogatório, em que os irmãos do homem detido falam sobre o atropelamento:

O MST convocou um ato para às 10h deste sábado (20) em Valinhos, com local a confirmar, para protestar contra a violência no campo.

Dimitri Sales, presidente do Conselho Estadual de Direitos da Pessoa Humana de São Paulo (Condepe), disse que o crime deve ser analisado em um contexto de avanço dos discursos e das práticas de violência.

Leia também:  Encontro da Frente Internacional de Brasileirxs defende Lula e a Democracia

“Temos plena convicção de que esse crime de hoje tem a ver integralmente com a conjuntura, o contexto hoje vigente no nosso país. Um contexto que privilegia a morte em detrimento de políticas de promoção de direitos humanos, que privilegia a arma, acabar com o direito dos diferentes, que diz que ‘a partir de primeiro de janeiro sem-teto, sem-terra seriam tratados à base da bala'”, lembra, em referência ao presidente Jair Bolsonaro (PSL). “Isso tudo vai repercutindo na sociedade como um discurso institucional que autoriza o extermínio das populações que lutam pelos seus direitos. O que a gente vive no Brasil hoje é um Estado de exceção”, lamenta.

Nilcio Costa, advogado do MST, relatou à reportagem que, “de maneira exaltada, um dos irmãos do autor disse, em alto e bom som, que tinha mais era que ‘jogar caminhão em cima e passar por cima’ [dos militantes]”.

“Momentos antes, o pai já havia dito que tinha que fazer aquilo mesmo porque as pessoas estavam obstruindo a estrada”, finaliza. Costa disse que vai acompanhar o caso de perto para garantir que seja feita a justiça.

 

Caminhonete usada no crime, sem a identificação do emplacamento (Foto: Igor Carvalho)

Entenda o caso

O motorista avançou com sua caminhonete preta em alta velocidade sobre uma manifestação de famílias do acampamento Marielle Vive, em Valinhos (SP), a uma hora da capital do estado de São Paulo, na manhã desta quinta-feira (18).

Cerca de 500 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que vivem no local, distribuíam alimentos e protestam pelo fornecimento de água no acampamento.

Leia também:  MST e Ministério Público firmam acordo para fortalecer atuação contra a violência

Um deles, Luis Ferreira da Costa, não resistiu aos ferimentos e morreu antes de chegar à Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Ele estava terminando um processo de alfabetização para adultos. Testemunhas afirmam que o assassino estava armado e ameaçou os manifestantes quando eles tentaram perseguir o veículo após o atropelamento.

O assassinato ocorreu no quilômetro 7 da Estrada do Jequitibá. De acordo com o relato dos manifestantes, o condutor da caminhonete deixou clara sua intenção de atingir os sem-terra. O movimento ainda apura o número de feridos.

“O protesto ocorria em frente ao acampamento. É uma estrada movimentada, mas eles estavam ali em denúncia à situação de falta de fornecimento de água no acampamento, distribuindo alimentos da reforma agrária e panfletos para os carros que passavam”, afirma Kelli Mafort, da direção do movimento.

Mil famílias vivem no Acampamento Marielle Vive, ocupado em 14 de abril de 2018 – um mês após a execução da vereadora Marielle Franco, no Rio de Janeiro – e localizado na Fazenda Eldorado Empreendimentos Ltda.

Em nota, o MST exige punição ao assassino, “que age sob o clima de terror contra os movimentos populares, incentivado por autoridades irresponsáveis que estão no governo brasileiro”.

Ao menos duas pessoas deram entrada no sistema de saúde municipal. Além de Luis Ferreira da Costa, que não resistiu aos ferimentos, o jornalista Carlos Filipe Tavares, de 59 anos, sofreu escoriações e passou por exames na UPA. Tavares já foi liberado.

Leia também:  Oficina de hortas urbanas resgata história da produção de alimentos em São Paulo

Ao Brasil de Fato, a assessoria de comunicação da Prefeitura de Valinhos informou que havia uma reunião marcada para esta quarta-feira (17) sobre o fornecimento de água, mas a agenda acabou sendo adiada para esta quinta (18). A Prefeitura acrescenta que esta semana começou o fornecimento de água via caminhões-pipa.

Edição: Daniel Giovanaz

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Se os companheiros, amigos e familiares da vítima não fizerem justiça, vai ficar por isso mesmo. É só ver no que deram tantos casos em que pobres são vítimas de ricos ou, no mínimo, de pessoas alinhadas com a mentalidade da elite do atraso.

  2. Essa violência cansou, o que esse indigno presidente pregou durante toda a sua trajetória de vida tem agora os seus efeitos maléficos, pessoas que sempre foram pacíficas, de repente se transformam em máquinas de matar e ainda assim há manifestações de apoio como um dos irmãos do acusado, que devia é ter jogado um caminhão sobre os manifestantes. Esse também deveria ser preso por apologia ao crime.

  3. O irmão dizendo que deveria passar por cima mesmo.
    Tipico bolsonárico. É só colocar argumento e ele trava. Repete os mesmos bordões.
    Sou contra passeatas, sou contra movimentos, tudo que é do povo, ele é contra e fim de papo.
    É base chucra do presidente chucro, acumulando mais um assassinato.
    E o povo no republicanismo, no rivotril.
    Só está acumulando a bronca.
    Obs. como faço para abrir o que já tenho cadastrado?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome