Sob ameaças, acampamento Marisa Letícia deixa sede e migra para internet


Foto: Divulgação
 
Jornal GGN – O acampamento “Marisa Letícia”, que há 200 dias realiza o ato de manifestação contra a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, acampados a cerca de 1 km da sede da Polícia Federal aonde está detido, anunciou que deixará o local pelas recorrentes ameaças, ataques e falta de proteção da Segurança Pública, e passará a mobilizar pelas redes sociais e internet.
 
“Sem nenhum apoio da segurança pública fica inviável colocar a vida dos acampados em risco sabendo que há outras formas de manter ou até intensificar a luta pela liberdade de Lula”, informaram, em nota.
 
Leia o comunicado, abaixo:
 
ACAMPAMENTO MARISA LETÍCIA INTINERANTE
 
O acampamento Marisa Letícia situado no bairro Santa Cândida em Curitiba- PR/Brasil, localizado a pouco mais de 1 km  do cárcere político de Lula,  acampamento que há 200 dias vem Fazendo a Defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva preso injustamente devido a um processo judicial fraudulento que o tirou da corrida presidencial mesmo contrariando a determinação da ONU; vem reafirmar o seu compromisso de seguir na luta até que cesse essa anomalia jurídica e restabeleça a Democracia no Brasil.
 
Aproveita esta nota também para informar a todos que por medida de segurança (uma vez que já sofremos 7 atentados e responderemos a quatro processos judiciais, ainda hoje sofremos diversas ameaças) e por cortes de gastos e também por número reduzido de pessoas, o acampamento opta em transformar a luta do espaço físico fixo para uma luta itinerante e virtual.
 
Sem nenhum apoio da segurança pública fica inviável colocar a vida dos acampados em risco sabendo que há outras formas de manter ou até intensificar a luta pela liberdade de Lula.
 
Um grupo de 4 acampados e dois visitantes não concordaram com a decisão tomada por todos que compõem a cordenação (  dos cordenadores exceto um coordenador de infraestrutura com poder decisório discordou da nova reformulação) buscando respeitar e apoiar o pensamento de todos – e sem qualquer responsabilidade – a coordenação do Acampamento Marisa Letícia deliberou em ajudar financeiramente essas 6 pessoas a alugar uma casa pagando apenas o primeiro mês de aluguel, e assim já ocorreu.
 
O Acampamento Marisa Letícia aproveita essa nota também para informar que não se responsabiliza pela decisão desses 4 acampados e 2 visitantes ou qualquer outra responsabilidade adquirida pelo grupo remanescente. Aproveita e afirma que desautoriza qualquer um a pedir doações em nome do coletivo Acampamento Marisa Letícia.
 Começando pelo nordeste serão feito rotas por diversas cidades, lá falaremos em rodas de conversa e palestras sobre a liberdade de Lula, sobre Lawfare, sobre a atual conjuntura, e compartilharemos a experiência que foi esses 200 dias de acampados por Lula em espaço fixo, acampados pela democracia contra o golpe que começou em 2013 para derrubar  Dilma Rousseff em 2016 prendendo Lula em 2018 e terminando com  Fernando Haddad em 2018.
 
Faz parte desse novo projeto do ” Acampamento Marisa Letícia Intinerante” 6 pessoas . O espaço físico da Rua João Padre wislinski número 278, bairro Santa Cândida, Curitiba-PR já se encontra desmontado desde o dia 26/10/18 e o contrato já está rescindido. Contamos com a compressão de todos e reafirmamos nosso compromisso com a liberdade do Lula.
 
Ass:
* Edna Dantas/ Coordenadora Geral.
*Thulio Sivieiro/ Vice Coordenador geral.
* Junior Lula da Silva/(Wellington Paiva Araujo Goes) Coordenador Financeiro.
* DK Edson Santos/ Coordenador de Comunicação.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora