Trabalhadores da Petrobras ocupam sede da empresa; greve começou neste sábado (1)

Contra demissões em massa, funcionários da estatal entram em greve por tempo indeterminado em treze estados

Rio de Janeiro - O edifício sede da Petrobras, no centro da cidade. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

do Brasil de Fato

Trabalhadores da Petrobras ocupam sede da empresa; greve começou neste sábado (1)

Nara Lacerda

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

Representantes dos trabalhadores da Petrobras ocuparam, no fim da tarde desta sexta-feira (31), a sede da estatal no Rio de Janeiro, em protesto contra demissões em massa e descumprimento de acordos. Eles afirmam que só vão deixar o local se a direção da empresa voltar atrás na decisão de dispensar mais de mil trabalhadores da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen) e de não cumprir o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

Os petroleiros entram em greve por tempo indeterminado a partir da 0h deste sábado (1º). O diretor da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, afirma que as atividades operacionais serão paralisadas em treze estados. Segundo ele, todas as refinarias dessas unidades da federação estão em processo de privatização.

“Não é coincidência, mas em todas essas unidades há ativos da Petrobras à venda, a exemplo das oito refinarias e dos seus treze terminais da Transpetro, que têm prazo de venda até agosto. Todas as oito refinarias estarão vendidas até esse prazo junto com seus terminais marítimos e terrestres. Estamos falando de cinco mil trabalhadores e trabalhadoras que fizeram concurso e mais de dez mil trabalhadores terceirizados.”

O dirigente alerta também para as consequências econômicas que devem impactar a população com a venda das refinarias.

“Esse processo de privatização, seja o fechamento da Fafen do Paraná, seja a venda das refinarias, vai impactar diretamente as cidades, estados e a próprio união, em nível de arrecadação de impostos que deixarão de ser arrecadados. A gente vai ter um impacto gigantesco em matéria de geração de emprego e renda, em um momento em que o Brasil já passa por um processo de aumento do desemprego. Principalmente, teremos um prejuízo enorme para a população, que já paga caro pelos derivados de petróleo como gasolina, diesel, gás de cozinha e irão pagar ainda mais caro caso a privatização vá adiante.”

O Acordo Coletivo de Trabalho foi assinado em novembro do ano passado pela Petrobras e por suas subsidiárias, com chancela do Tribunal Superior do Trabalho. Segundo a FUP, as demissões em massa na Fafen ocorreram sem nenhuma comunicação prévia ao sindicato ou à FUP.

Leia também:  Ato em Porto Alegre desmonta manifestação pró Bolsonaro e contra isolamento

Edição: Rodrigo Chagas

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Estes canalhas com este processo suspeito de privatizações irão jogar muito mais trabalhadores na rua.
    Vendilhões. Um bando ensandecido de lesas-patrias que emergiram do pior esgoto possivel junto a este governo infame.
    Qianto a Petrobras e a Dataprev, reagiram tarde demais. Greves deveriam ter ocorrido quando se cogitou a farsa do impeachment.

    5
    1
  2. Exatamente como no governo de FHC…
    que só não se igualou a Bolsonaro pela falta de um Moro, por exemplo

    até evito pensar no tanto que lutamos para preservar nossas grandes empresas, que é para não ficar com mais raiva dos imbecis que elegeram Bolsonaro, família, milicianos e Moro

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome