A popularidade de Tom Jobim, por Cris Kelvin

Enviado por Cris Kelvin

Comentário à publicação “Descobrindo Tom Jobim em 78 rpm, por Laura Macedo

Durante certo tempo, eivado pela crítica musical que forma mundividências – aí pelos final dos 700, início dos 80 – acreditava que a música de Tom Jobim era elitista. Essa noção falsa vinha de quem esperava que o cancioneiro brasileiro se adequasse às necessidades do momento histórico ou de quem queria colher audiência com embate e intriga. Com o tempo, percebi que a crítica não tinha razão de ser.

Não apenas por tentar fundamentar o seu discurso como alienação de quem fala só em amor, sol e mar (uma coisa não esxclui a outra), mas porque percebia em Tom Jobim as raízes de nossa cultura, sua beleza e sua dor. Há alguns anos atrás, confirmei o que compreendia. Durante uma conversa com o escritor Raduan Nassar, ele observou: “Tom Jobim é popular”. Sua obra está aí, para quem quiser ou tiver a oportunidade de ouvir, sem preconceito. Cantando O copo de mar para navegar (Jorge de iIma) em um tempo sombrio.

 

Parabéns, Laura, pelo resgate.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Yamandu Costa, como o jovem gaúcho se tornou a maior referência musical brasileira

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome