A reação contra os testes da OSB

Prezado Nassif

Estou enviando algumas cartas abertas e depoimentos para sua avaliação sobre o assunto que é de natureza grave para quem está envolvido com a cultura no Brasil e o cultivo e defesa intransigente da democracia.

Carta aberta ao maestro da Orquestra Sinfônica Brasileira, Roberto Minczuk. por Alex Klein, quinta, 3 de março de 2011 às 15
by Luciano Corrêa on Friday, March 4, 2011 at 3:06pm

Caro Roberto,

Eu lhe escrevo em carta aberta para apoiar sua intenção de renovar a Orquestra Sinfônica Brasileira, e elevar seu nível artístico. A OSB já foi líder entre orquestras nacionais, e graças ao seu trabalho e liderança estes últimos anos, assim como a dedicação dos músicos que mantiveram esta orquestra viva por tantos anos de dificuldades, vemos que ela retorna ao seu merecido alto reconhecimento.

Porém, eu lhe peço encarecidamente que reconsidere a estratégia de impor audições internas a toda a orquestra, e mesmo a um único musico. Esta estratégia já foi usada antes, na OSESP, deixando cicatrizes no mercado que até hoje afetam músicos e o próprio maestro. Naquela época, no entanto, as audições internas da OSESP contaram com bancas julgadoras externas à organização, reduzindo ou eliminando a percepção de que padrões não-artísticos – ou seja, preferência pessoal do maestro – seja utilizada na escolha dos músicos.

Para justificar estas audições, muito se fala na necessidade de elevar o nível de nossas orquestras ao nível internacional. Mas, ironicamente, não existe precedente destas orquestras internacionais passando por audições internas para alcançarem tal nível. Ao contrario, as grandes orquestras do mundo alcançaram seu patamar apos movimentos que deram apoio trabalhista aos músicos, dando-lhes segurança de emprego razoável assim como condições de trabalho que fomentem este alto padrão.

A Orq. Filarmônica de Berlim iniciou seu caminho expressivo como líder entre as orquestras do século XX apos uma movimentação em 1882 onde 54 músicos reclamaram sobre condições de trabalho, seu uniram, e partiram com seu maestro. E Chicago abriu-se com como orquestra internacional de ponta após a saída de Fritz Reiner, com a formação de sua comissão de músicos defendendo os direitos trabalhistas de seus integrantes.

De fato, a primeira tournée internacional de Chicago foi somente em 1971, 8 anos apos a saída de Reiner, em cujo periodo se instalou a Comissão de Músicos que estabeleceu direitos trabalhistas.

Contra esta movimentação histórica não se pode lutar. Os dias do “poderoso chefão” em fábricas e indústrias já a muito tempo passou. Hoje, empresas modernas dão valor à retro-alimentação dentro da firma, com “patrões” e “empregados” em constante comunicação bilateral em prol de um produto de melhor qualidade. Não se vê a Embraer ou a Petrobrás re-entrevistando todos os seus engenheiros. Este é o segredo do sucesso das grandes empresas assim como das grandes orquestras internacionais. A eleição de audições internas vai em sentido oposto a estas modernidades, e faz com que a OSB sob sua liderança tenha os anos 1950 como exemplo de futuro. Você não merece esta comparação, Roberto, e precisa mudar o rumo desta discussão.

Mas as audições internas tem outras conseqüências. Cria-se um regime de trabalho de “nós contra eles” onde a primeira oportunidade é utilizada para infligir dano ao outro grupo, geram-se desconfianças, atritos desnecessários, e nada disso é comensurável com a boa musica, onde deveria reinar a harmonia, o respeito mútuo, a coesão artística, e aquele grande momento orquestral onde maestro e orquestra são “um”, e formam uma parceria mágica. Uma “parceria”, no entanto, indica um trabalho horizontal, de lado a lado, entre maestro e músicos. E não algo vertical onde o maestro está acima e suas decisões são supremas. O respeito de músicos por um maestro não é de fato diferente do respeito que um engenheiro tem pela administração de uma Embraer ou Petrobrás, e este respeito depende de uma via de duas mãos onde a liderança “faz sentido” para os técnicos altamente treinados e que montam o produto da empresa. Se ao ponto de vista do musico a liderança do maestro “não faz sentido”, este músico não produzirá seu melhor trabalho, a não ser que o produto desejado seja meramente 100 músicos tocando junto. Mas ao ver a sua trajetória, Roberto, você sabe e merece mais do que isso. Talvez outros maestros se contentem com menos, assim como talvez outras indústrias aceitem menos. Mas para uma instituição de ponta, exigimos de nós mesmos um resultado de primeira qualidade em todas as suas vertentes.

É igualmente errado, portanto, músicos exigirem a demissão imediata de um maestro. Você tem um contrato de 6 anos, e deve ter o direito de cumpri-lo sem interferência ou movimentação interna contra sua permanência. Não seria o caso de liderar por exemplo e dar aos músicos também sua permanência sem movimentações que ameacem sua subsistência? Não faria mais sentido assegurar a presença de todos – músicos e maestros – deixando-os livres para criar musica, sem o desperdício de tempo e recursos, e o desgaste de audições e demissões?

E veja bem, Roberto, o seu caso é bem diferente do Neshling quando ele fez as audições na OSESP nos anos 90. Você rege as melhores orquestras do mundo, Philadelphia, New York Phil, e tem uma posição expressiva em Calgary. Todas estas orquestras mantém contratos modernos com seus músicos, contratos “horizontais”.

Você não precisa demonstrar ser igual ao colega Neshling para instalar sua reputação como excelente líder orquestral no Brasil, e não necessita utilizar técnicas desprestigiadas internacionalmente para impor respeito e disciplina em sua orquestra. Uma escolha equivocada neste momento poderá causar desconfianças e complicações à sua reputação no exterior. Você não merece isso apos dedicar-se tanto à sua carreira, e precisamos de você no Brasil como um líder moderno.

A OSB é uma excelente orquestra, e possui muitos dos melhores músicos orquestrais do Brasil. A própria instituição deve a eles um grande agradecimento por manter viva esta orquestra durante muitos anos de condições trabalhistas abaixo da expectativa. Se há entre eles músicos que já não acompanham o ritmo de trabalho, quem sabe você pode trazer à OSB os princípios de desligamento existentes em Calgary e outras orquestras estrangeiras que você já regeu. O musico merece conhecer as razões de seu possível desligamento, e de ter uma chance verdadeira de oferecer melhorias. Se mesmo assim um desligamento é desejado, o musico merece a defesa de sua causa pela Comissão de Músicos, para evitar que razões não-artísticas permeiem a decisão de demitir-lo. E se mesmo assim a demissão é inevitável, dê ao musico a misericórdia e a dignidade de um desligamento educado, com uma salva de palmas, um certificado de agradecimento, um reconhecimento de que seus dias na OSB foram de valor, pelos quais a instituição lhe agradece. Valorize o ser humano dentro deste músico, pois a mensagem ficará clara àqueles que ficam, que a orquestra valoriza aqueles que produzem o som dela.

Estes músicos tem famílias, Roberto. Tem prestações a pagar. O caminho para a desejada e importante renovação não é pelo afastamento de músicos, e sim por estimular-los a produzir a melhor musica que jamais tocaram, alimentando sua auto-estima. Eu concordo que é muito mais difícil para um maestro trabalhar nestas condições, onde 100 músicos tem opinião própria e muitas vezes opostas à do maestro. E é também muito mais difícil para Dilma Rouseff governar do que Kim Il-Sung. Pois este é o regime em que vivemos, democrático, onde há liberdade de expressão. Uma orquestra ou empresa não é uma democracia, mas nós brasileiros somos democráticos, está em nossas veias. Nós respiramos o dialogo e livre expressão em todos os nossos afazeres, e inteligente é o líder que sabe transformar toda esta energia em produção. A vivência com valores democráticos tem seu preço, especialmente para aqueles que lideram. Não podemos aderir a valores autocráticos simplesmente porque nos convém. Somos brasileiros, nós não respondemos bem à autocracia, e isso é bom. A orquestra, como uma micro-sociedade, também respira valores democráticos, mesmo se o formato da organização é contratual e empresarial.

Eu lhe peço, meu caro, que reconsidere, e cancele estas audições. Você está em uma posição excelente para trazer ao Brasil os padrões de uma orquestra internacional. Faça-o. Traga ao seu pais os verdadeiros padrões que fazem de uma Philadelphia ou Cleveland o que elas são. Eleve o nível de produção de seus músicos, mas com respeito e dignidade.

Vamos virar a página e encerrar este capítulo de demissões, desentendimentos, polarizações, autoritarismo, e a inevitável falta de consenso artístico que resulta. Chega de demissões em massa de músicos, chega de exigir a saída imediata do maestro.

Contamos com você, Roberto, pelo musico que você é, e pelo futuro que você representa, em liderar a OSB sem audições internas, não porque é fácil, mas porque é difícil. Mas é o caminho certo.

Abs, Alex
——————–

Mensagem do violinista Paulo Bosisio.
by Antonio J Augusto on Friday, March 4, 2011 at 7:22pm

Mesmo não integrando o quadro de instrumentistas da Orquestra Sinfônica Brasileira, minha relação com aquele conjunto já vem de 1966 , quando solei como jovem concertista, sob a regência do então Titular Maestro Karabtchewsky. Retornando da Europa, apresentei-me diversas vezes na serie oficial da OSB, em cujo corpo integram hoje, não só antigos e novos colegas, como também alunos e ex-alunos.

Participante ativo da vida musical de nosso país fui surpreendido pela noticia de um possível teste de avaliação interna nos quadros daquela orquestra, de natureza estranha, no mínimo. Estranha por não ter eu presenciado tal procedimento nos oito anos de minha permanência na Suiça e Alemanha, estranha por não poder avaliar os músicos da orquestra por suas maiores qualidades – a experiência profissional e o convívio harmônico com os colegas – ,estranha pelo seu tom autoritário.

A ideia de que a OSB-Jovem, onde também tenho alunos, possa por um espaço de tempo suprir a ausência da OSB profissional, é absurda. Aquela orquestra jovem deveria estar cumprindo a missão de orquestra escola, como foi a antiga Orquestra Juvenil do Teatro Municipal, sob a regência do maestro Hack, que ofereceu ao cenário sinfônico carioca os seus melhores músicos profissionais. Para ter este perfil, deveria trabalhar com um repertório compatível com o nível existente, o que definitivamente não é o caso.

Voltando aos profissionais cito, para quem não sabe, que o grande violinista Arnold Rosé, spalla da Opera de Viena sob a regência de Mahler, ocupou durante 57 anos aquele posto, não sendo obrigado a passar por qualquer prova de avaliação. Foi afastado pelos nazistas austríacos.

A ideia de avaliação interna é deplorável e humilhante. Mas se assim fosse a filosofia, por que não avaliar o maestro? Não é músico também? É uma questão de coerência.

Paulo Bosisio.

Paulo Bosísio ocupa a Cadeira 08 na Academia Brasileira de Música.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora