Aula de MPB nas escolas

Por FERNANDO AUGUSTO BOTELHO – RJ

Do UOL

Estudantes da rede pública do Rio terão aulas de história da MPB

Paulo Virgílio
Da Agência Brasil
No Rio de Janeiro

A partir de junho, a história da Música Popular Brasileira será ensinada nas escolas da rede estadual fluminense. A iniciativa da Secretaria Estadual de Educação atende à Lei 11.769, que prevê o ensino de música na educação básica a partir de 2011.

Em parceria com o Instituto Ricardo Cravo Albin será levado para as salas de aula o projeto MPB nas Escolas, com a proposta de ensinar a origem da música popular, seus compositores e como eles influenciaram na formação da identidade cultural dos brasileiros.

De acordo com a secretária de Educação, Tereza Porto, o projeto surgiu de uma sugestão do vice-governador Luiz Fernando Pezão, que quando era prefeito de Piraí, no sul do estado, implantou o ensino da música popular brasileira nas escolas do município.

“A proposta de ensinar a história da MPB nas unidades da rede estadual irá enriquecer a cultura musical dos nossos jovens, além de relacionar o que é dito nas letras com conteúdos de disciplinas como história, língua portuguesa e literatura”, afirma a secretária.

As aulas se destinam aos alunos do ensino médio, mas não farão parte do currículo obrigatório. No primeiro momento, os estudantes vão receber aulas de história da MPB 16 unidades da rede que contam com o programa Ensino Médio Inovador, num total de 6.500 alunos.

Cada uma das unidades receberá um kit com seis DVDs, cartazes e livretos, material didático elaborado pelo Instituto Ricardo Cravo Albin. Caberá ainda à instituição criada pelo pesquisador e historiador da MPB Ricardo Cravo Albin orientar os professores para que o conteúdo da nova disciplina seja explorado da melhor maneira possível nas salas de aula.

Os estudantes terão a oportunidade de descobrir artistas de papel fundamental na MPB, dos mais diferentes gêneros. As aulas também vão resgatar as manifestações folclóricas, com suas músicas, coreografias e danças, destacando sua importância na preservação de valores e tradições.

De O Dia

Ricardo Cravo Albin: MPB nas Escolas (II)

País precisa melhorar Ensino Médio e deve incluir estudo da nossa MPB

Jornalista e escritor

Rio – Em minha última croniqueta insistia num ponto que considero essencial: a melhoria da educação no Ensino Médio. Especialmente o público, aquele monitorado e pago pelos Estados da Federação.

Até porque todos soubemos recentemente de uma trágica estatística: a evasão dos bancos escolares a um nível assustador de altos percentuais. Certamente que algo há de ser feito para tentar estancar essa que deve ser considerada uma quase tragédia nacional.

Como muitos dos leitores talvez saibam, há uma lei – ainda não regulamentada – que prevê a inclusão da música nas escolas. Mas que tipo de música? E o que ensinar sem antes, preferencial e estrategicamente, formar/informar os alunos sobre uma história de sedução, a da MPB?

A bela história de nossa música foi absorvida com precisão pela miscigenação, sinalizadora preferencial da própria nacionalidade.

Pois é isso mesmo o que vocês estão pensando: se hoje os alunos só reconhecem Tati Quebra Barraco, MV Bill ou DJ Malboro, eles precisam saber que antes existiram e definiram nossa alma musical pioneiros, como Nazareth e Chiquinha; intermediários, como Pixinguinha, Noel e Ary Barroso; gente recente – também já esquecida pelos nossos adolescentes de hoje – como Tom, Chico, Milton, Martinho ou Caetano.

Ainda agorinha, a Secretária de Educação Tereza Porto anunciou uma novidade flamejante e estratégica: toda a história da MPB nas escolas do estado através de kits com DVDs, livros didáticos, CDs e cartazes. O pioneirismo do Estado do Rio certamente vai se espraiar – em brevíssimo tempo, esperamos todos – pelos demais rincões do País continental que somos. E que carece de se conhecer/reconhecer mais e melhor.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador