Baile do Ribeiro interpreta Paulo Moura

Uma homenagem ao músico e aos bailes de gafieira

Stela Handa

Jornal GGN – O músico e compositor Paulo Moura, após 11 anos de sua morte, receberá uma grande homenagem. Nos dias 11, 18, 22 e 25 de outubro, o clarinetista, compositor e pesquisador Alexandre Ribeiro, apresentará o projeto Baile do Ribeiro interpreta Paulo Moura, com apresentação de músicas, show e também bate-papos com instrumentistas da nova geração, em seu canal no YouTube. Também faz parte do projeto, um podcast sobre a trajetória de Paulo Moura e a gafieira, apresentado por Alexandre Ribeiro e a pandeirista, produtora e pesquisadora de música popular brasileira Roberta Valente, coordenadora da produção do Baile do Ribeiro. Será lançado no dia 23 de outubro, às 20 horas, também no YouTube e contará com as participações de Daniela Spielmann e Paulo Casale.

O Baile do Ribeiro surgiu de uma necessidade do Alexandre Ribeiro de homenagear seu mestre e ídolo Paulo Moura e seus famosos bailes de gafieira dos anos 80. Também tem o objetivo de divulgar o trabalho de músicos expoentes da nova geração da cena paulistana do samba e choro num projeto totalmente inédito. Alexandre é acompanhado pelo violonista, baixista, diretor musical e produtor Swami Jr. e pelo baterista Celso Almeida, e também por virtuoses expoentes da nova geração do choro/samba como o violonista de 7 cordas Gian Correa, o cavaquinista e bandolinista Henrique Araújo, o trombonista Allan Abbadia, o acordeonista Cleber Silveira e o percussionista Leo Rodrigues.

No repertório, estão as músicas Domingo no Orfeão Portugal (Paulo Moura), Estação Leopoldina (Paulo Moura e Almazor Cavalcante), Tarde de Chuva (Paulo Moura), Fibra (Eloir de Moraes e Paulo Moura), Pro Paulo (Chico Chagas), Ao Velho Pedro (Paulo Moura), Velhos Companheiros (K-Ximbinho), Ternura (K-Ximbinho) e Nova Ilusão (Zé Menezes)

Intérprete exuberante, Paulo Moura começou a tocar aos 12 anos no conjunto de seu pai, Pedro Moura, e em bailes populares para a população negra de S. José do Rio Preto, sua cidade natal. Aos 17 anos, no fim da década de 1940, já morando no Rio de Janeiro, passa a se apresentar nas variadas gafieiras da cidade. Paulo tocou música erudita, jazz, fez parte de diversas orquestras, adorava o samba e o choro. Fez carreira no exterior e, de volta ao Brasil, em 1976, deu uma guinada ao lançar um importante disco, “Confusão Urbana, Suburbana e Rural”, que foi considerado um marco da música instrumental popular brasileira e misturou percussão a instrumentos de sopro de big bands e ao choro e samba. Em 1984 gravou o disco “Mistura e Manda”, com repertório dançante de gafieira e importantes instrumentistas. Em 1986, novo sucesso, o disco “Gafieira Etc. e tal”. Volta a tocar nas maiores gafieiras do Rio de Janeiro, como a Estudantina e a “Gafieira do Circo Voador”. Em 2000, Paulo ganha o Primeiro Grammy Latino para Música de Raiz com seu trabalho “Pixinguinha: Paulo Moura e os Batutas”. Dentre seus tantos discos, destaque para o “Estação Leopoldina”, uma incursão de Paulo Moura pelo celeiro de sambas instrumentais dos subúrbios servidos pela rede ferroviária da Leopoldina, indicado ao Grammy.

Alexandre Ribeiro já compartilhou o palco e gravou com grandes artistas como Guinga, Dominguinhos, Paulo Moura, Yamandu Costa, Raul de Souza, André Mehmari, Toninho Ferragutti, Ken Peplowsky, Toquinho, Elton Medeiros, Eduardo Gudin, Mafalda Minozzi, Fabiana Cozza, Gabriele Mirabassi, Tulipa Ruiz, Laércio de Freitas, Proveta, Grupo Ó do Borogodó, Fabiana Cozza, Banda Jazz Sinfônica de Diadema, Jair Rodrigues, Wanderléa, Léa Freire, Nelson Ayres, Swami Junior, Época de Ouro etc. Em 2009, estabeleceu uma parceria com o violonista Alessandro Penezzi, que resultou em dois discos de bastante destaque: “Cordas ao Vento” e “Ao Vivo na Bimhuis-Amsterdã”, além de diversos shows pelo Brasil e pelo mundo. Alexandre, em grupo ou solo, contagiou plateias de importantes festivais no Brasil e no mundo: EUA, Macedônia, Bélgica, Holanda, Itália, Argentina, México, Colombia, Rússia, Espanha, Dinamarca, Kosovo. Como professor, ministrou diversos cursos em festivais no Brasil e no mundo. É integrante do projeto “Panorama do Choro Paulistano Contemporâneo”, Grupo Luceros & Toninho Ferragutti, Grupo Roda de Choro e Grupo Ó do Borogodó. Lançou em 2014 o disco Alexandre Ribeiro Quarteto e, em 2017, seu primeiro disco solo, “De Pé na Proa”, ambos produzidos por Swami Junior.

SERVIÇO:

Horário: sempre às 20 horas

11/10: bate-papo com Ale Ribeiro, Swami Jr e Celso Almeida + apresentação de 3 músicas

18/10: bate-papo com Ale Ribeiro, Gian Corrêa, Henrique Araújo e Leo Rodrigues + apresentação de 3 músicas

22/10: bate-papo com Ale Ribeiro, Allan Abbadia e Cléber Silveira + apresentação de 3 músicas

23/10: lançamento do Podcast, com Alexandre Ribeiro, Roberta Valente, Daniela Spielmann e Paulo Casale

25/10: bate-papo com Ale Ribeiro e Roberta Valente sobre a elaboração e produção do projeto + show na íntegra

LOCAL DE EXIBIÇÃO:

CANAIS DO ALE RIBEIRO

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCf1jlhb-J019S0FVtVlFTNA

Face: https://www.facebook.com/alexandreribeiropessoal

Canal do Baile no Insta: https://www.instagram.com/bailedoribeiro/

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome