Benjamin de Oliveira, o Caipira Mineiro, por Luciano Hortencio

Fiquei curiosíssimo sobre esse personagem e pedi auxílio ao amigo Nirez, que enviou-me o fonograma intitulado CAIPIRA MINEIRO de 1908.

Benjamin de Oliveira, o Caipira Mineiro, por Luciano Hortencio

Tenho que ser humilde e assumir que só ouvi falar de Benjamin de Oliveira depois do desfile do Salgueiro. Da mesma época tenho muita coisa de Eduardo das Neves, porém dele não tinha nada e nem ouvido falar. Falar a verdade é preciso.

Fiquei curiosíssimo sobre esse personagem e pedi auxílio ao amigo Nirez, que enviou-me o fonograma intitulado CAIPIRA MINEIRO de 1908.
Vídeo editado, passei a transcrever a letra, contando com o inestimável auxílio da amiga Lúcia Bezerra de Paiva, porém, ainda assim, muita coisa continua faltando.
Como no GGN há muitos mineiros, a meus amigo recorro para finalizar a letra. Quem sabe tenho sorte?
Ai vai o conseguido até agora.

Olá, cumpadre, você por aqui, como vai?
Escuta lá cumpadre
Eu vim lá do sertão para ver
Como anda a cidade de lá
Eu vim lá do sertão para ver
Como é a capitá federá
Tem coisas do arco da velha
Que é pra gente se embasbacar
Ao chegar à estação avistei
Uma luz se acender sem pavio
Uma gaiola chamada de bonde
Que anda a correr por riba dos trilhos
Lá no hotel onde eu fui amoitado
Tinha uma terrina pintada na beira
No entanto, mocinha lá dentro, cumpadre
Nunca vi tamanha sujeira
No entanto, mocinha lá dentro
Eu nunca vi tamanha sujeira
Adepois de levar no teatro
Para tanto eu poder descansar
Dois panos subiu na parede
Para os homens poder conversar
Veio um moço vendendo umas coisas
Embrulhada em papel japonês
É um bando que manda na bomba
Que tanto espanta o freguês
Adepois de soltar o fumeiro
De um caso tão sanguinário

Leia também:  Mais Minas, impossível. Por Aquiles Rique Reis

Embarquei no conto do vigário
Sendo assim muita gente voltava
Vendo assim a recente briga
Veio um louco soldado e matou
O moço inocente, barriga
E o moço morreu pela rua
Amontado numa geringonça
O danado corria de trança
Animal montado na onça
Ô cumpadre, você viu muita coisa
O que me conta cumpadre?

Benjamin de Oliveira, com orquestra – CAIPIRA MINEIRO.

Disco Columbia R 11.545 – matriz 11545.

Fonograma gentilmente enviado pelo amigo Nirez.

Ano de 1910.

Coisas que o tempo levou.

luciano hortencio.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome