Como os rios encantam os poetas

Enviado por Amaro Doce

https://www.youtube.com/watch?v=wIlyvCg64yI height:394]

Mississippi, you’ll be on my mind
Everytime I hear this song
Mississippi you roll along, until the end of time

Sem rádio e sem notícias das terras civilizadas

[video:https://www.youtube.com/watch?v=sXRFcB8ydgE height:394

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Um CD pródigo em respeito à pluralidade da música brasileira, por Aquiles Rique Reis

18 comentários

  1. O Tejo… Caeiro e Jobim

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=n4z3Rm5y1hI%5D

     

    Pelo Tejo Vai-se para o Mundo

     

     

    O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, 
    Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia 
    Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia. 
    O Tejo tem grandes navios 
    E navega nele ainda, 
    Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está, 
    A memória das naus. 
    O Tejo desce de Espanha 
    E o Tejo entra no mar em Portugal. 
    Toda a gente sabe isso. 
    Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia 
    E para onde ele vai 
    E donde ele vem. 
    E por isso porque pertence a menos gente, 
    É mais livre e maior o rio da minha aldeia. 
    Pelo Tejo vai-se para o Mundo. 
    Para além do Tejo há a América 
    E a fortuna daqueles que a encontram. 
    Ninguém nunca pensou no que há para além 
    Do rio da minha aldeia. 
    O rio da minha aldeia não faz pensar em nada. 
    Quem está ao pé dele está só ao pé dele. 

    Alberto Caeiro, in “O Guardador de Rebanhos – Poema XX”

    • Rios que andam só pra frente sem voltar jamais …

      A eternidade dos amores, a meu ver, deve ser entendida como as águas dos rios que vão a cada minuto existindo para encherem , de alguma forma, o mar, os mares depois.

  2. Um rio

    Lembrei-me de “O rio”, poema de João Cabral de Melo Neto.

    Olhem que começo:

    Sempre pensara em ir 

    caminho do mar. 
    Para os bichos e rios 
    nascer já é caminhar. 
    Eu não sei o que os rios 
    têm de homem do mar; 
    sei que se sente o mesmo 
    e exigente chamar. 
    Eu já nasci descendo 
    a serra que se diz do Jacarará

    […] 

    Esse rio vai a caminho do mar, vendo, em suas margens, nossas contradiçõe sociais…

    O poema completo está no site “jornaldepoesia”.

  3. … alguns escritores e

    … alguns escritores e poetas ficaram tão encantados que se jogaram para sempre… nos rios da vida…

    2 – Virginia Woolf: A escritora conviveu por muito tempo com crises de depressão. Em nota final ao marido Leonard confidenciou que sua doença havia ido além da cura, mas que tivera sido feliz em seu casamento. Porém não o suficiente para impedi-la de entrar no Rio Ouse com um casaco cheio de pedras. Seu corpo ficou desaparecido por 3 semanas.

     

    9 – John Berryman: Poeta americano, a instabilidade emocional ao longo da vida e devoção ao álcool o levou pelo mesmo caminho traçado por seu pai anos antes, que também cometera suicídio. Em 7 de janeiro de 1972, ele se matou pulando de uma ponte.

     

    14 – Torquato Neto: Artífice da tropicália se suicidou inalando gás em seu apartamento, no Rio.

     

  4. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome