Domingueira Musical GGN, com Swami Jr

Luis Nassif conversa com o violonista e produtor musical, que já trabalhou com Omara Portuondo, Elza Soares e Dori Caymmi, entre outros

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Barroso, simplesmente Ary, o CD de Alice Passos

1 comentário

  1. Todos os fundapeanos, como meu querido amigo Swami Jr. carregam saudades dos bons tempos que viveram lá.

    A Fundap porém tem história e pré-história. Ela foi inaugurada em 1976, mas sua fundação foi em novembro de 1971.

    Muita coisa se passou antes e depois disso. Quem assinou o projeto de lei encaminhado à Assembleia Legislativa em 1971, convertendo o patrimônio da extinta Comissão Interestadual da Bacia do Paraná-Uruguai na nova fundação para apoiar a nova organização do Estado, a partir da reforma administrativa de 1967, foi Carlos Antonio Rocca, então secretário da Fazenda e braço direito de Delfim Netto, ambos do Instituto de Pesquisas Econômicas da USP, posteriormente FIPE.

    Em novembro de 1971, quando foi fundada a Fundap, Delfim era o todo poderoso czar da economia brasileira no auge da ditadura do presidente Medici. Em 1º de janeiro de 1972, Medici não era mais presidente, Abreu Sodré não era mais governador e Delfim não era mais ministro.

    Quem assumiu, já no governo Geisel, foi Mário Henrique Simonsen, da FGV. A Fundap criada por Delfim/Rocca, caiu no colo da FGV e só seria inaugurada cinco anos depois por Paulo Egydio Martins, depois de permanecer na gaveta durante todo o governo de Laudo Natel.

    A CIBPU foi criada por Getúlio Vargas em 1951 para fazer todo o planejamento de desenvolvimento econômico da terra natal de Getúlio – a bacia dos rios Paraná e Uruguai – com prazo de duração de 20 anos. Delfim fez carreira na CIBPU antes de se tornar o czar da economia na ditadura. E planejou para que o espólio financeiro e científico da Comissão caíssem em seu colo após a extinção programada para 1971.

    O que isso muda? Na prática, nada, a história seguiu seu curso.

    Mas essa história, na prática, revela que os administradores, gestores ou dirigentes públicos ignoram continuamente a história. Por isso tropeçam sempre na mesma pedra, batem sempre a cabeça no mesmo poste e nunca chegam onde deveriam chegar, porque já esqueceram para onde estavam indo.

    É o que está acontecendo exatamente agora, após a extinção da Fundap, da Secretaria de Gestão Pública e da Secretaria do Planejamento e Gestão, com o projeto de Lei de reforma da administração pública encaminhado por Dória à Assembleia Legislativa, que condena à morte todos os sobreviventes que fizeram a história do governo de São Paulo.

    http://biblioteca.clacso.edu.ar/Brasil/fch-ufgd/20170914041731/pdf_52.pdf

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome