John Coltrane e Eric Dolphy

Enviado por: Armand

Nassif,

também sou fã e defensor da música brasileira que, aliás, não precisa que a defendam porque tem bala na agulha de sobra. Mas tenho um pé no jazz. Esses dias achei, no Youtube, John Coltrane Quartet mais Eric Dolphy, tocando Impressions, o quarteto já com Mc Coy Tyner, estraçalhando no piano, bem novinho.

Eric Dolphy era um sujeito inquieto, angustiado, possuidor de um instinto de busca que o levava a renovar a cada minuto, às vezes chegando a irritar os ouvidos mais conformistas. A peça é um monumento e mostra o Coltrane do qual não se tem noção nos áudios: impávido colosso, pensativo e cool, voando pela estratosfera sem sair do lugar (nessa época já livre do vício da heroína). Dolphy morreu prematuramente durante uma turnê pela Alemanha. Caiu na rua e foi levado para o pronto socorro. Lá chegando, os médicos fizeram uma conta sinistra: americano, negro, saxofonista; só pode estar drogado. Deixaram o rapaz numa maca pra ‘curar’ a viagem. Resultou que ele morreu de diabetes, que era a razão do seu desmaio. Fico pensando que grau de preconceito racial se poderia ver nisso. Mas, no fim, não adianta nada: o cara já se foi. Resta-nos vê-lo e ouvi-lo nos áudios e nos vídeos que sobraram daquela época irretornável.

Pra quem quiser conferir (clique aqui):

Apenas como ressalva, para quem não tem maiores familiaridades, os filmes do Youtube, em máquinas e conexões menos velozes, é melhor deixar tocar uma vez para armazenar no buffer e, em seguida tocar de novo, o que elimina aquelas ‘paradinhas’ que tanto chateiam o freguês.

Abraços a todos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora