Magda Olivero, 100 anos

Por Henrique Marques Porto

Nassif,

Magda Olivero é uma lenda viva da ópera. Pois ela está completando 100 anos hoje! Lúcida e bem falante. E até lembrando de sua passagem pelo Rio de Janeiro em 1964, quando doou ao Museu dos Teatros do Rio o figurino que usou então numa ópera em que sempre era muito aclamada, a “Adriana Lecrouveur”, de Francesco Cilea.

Magda Olivero, “a última Diva do verismo”, é dona da mais longa carreira que se conhece no mundo lírico. Estreeou em 1932 e cantou profissionalmente até depois dos 70 anos, quando se despediu dos palcos.

Aos 83 anos surpreendeu o mundo lírico anunciando que voltaria a cantar! De fato ainda tinha voz para se apresentar em público. Tinha consciência de que havia ultrapassado os limites físicos. Não o fez profissionalmente, mas programou concertos e até gravou em estúdio uma ópera completa. Um fenômeno.

No entanto, em 1975, com 65 anos ainda não havia cantado no Metropolitan Opera House. Joan Sutherland, outra grandíssima cantora, pressionou a direção do teatro de Nova York para corrigir o que ela considerava uma injustiça. Magda cantou então a “Tosca”, de Giacomo Puccini, com enorme sucesso numa récita que se tornou célebre. Apesar da idade e da longa carreira, sua voz estava íntegra e fresca, o que é muito raro nos sopranos.

Num intervalo, uma grande cantora comentou com Joan Sutherland:

“-Ela canta muito bem, mas nós é que somos as ‘divas’, não é mesmo?”

Sutherland respondeu:

“-Não, minha cara. Nós somos apenas famosas. A verdadeira ‘diva’ do público de ópera é Magda Olivero.”

O vídeo abaixo foi gravado em 20 de março. Está em italiano, mas repare que logo no início Magda menciona sua passagem pelo Rio de Janeiro. Foi em 1964 e eu, adolescente, estava lá. Pergunta se vou esquecer.

abraço

Henrique Marques Porto

Magda Olivero -100 anos

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora