Músicos luzienses mesclam regional com estilos universais

Por Augusto Diniz

A despeito de seu conhecido e original carnaval caipira, São Luiz do Paraitinga (SP) faz tempo que desenvolve projetos musicais além daqueles voltados exclusivamente para a festa de Momo – vide o grupo Paranga, propagador da obra do compositor e filho ilustre da cidade, Elpídio dos Santos. Trabalhos de músicos locais se destacam por mesclar elementos locais com estilos universais.

Um deles é um EP com cinco canções do grupo jovem Los Cunhados, lançado este mês – é o primeiro registro musical do grupo. Quatro delas são de Tomás Frade, sendo uma em parceria com Caio frade – eles são primos e fazem o vocal na banda. A outra é de Marco Rio Branco, poeta e compositor de longa obra.

Los Cunhados é um grupo musical com vários componentes e uma característica típica local: o uso intenso de instrumento de sopro. Mas as canções têm letras atrevidas, com sonoridade rica e bem harmoniosa, muito chegadas ao pop nacional. A produção desse EP é de dois músicos feras locais: Léo Couto e João Gaspar. Ouça o trabalho aqui.

Outro disco originado em São Luiz do Paraitinga, esse lançado há dois anos, é do grupo Céu de Lamparina – que já fez vários shows em São Paulo e pretende em breve produzir outro álbum. Ele reúne músicos consagrados da cidade, como Thar (contrabaixo), Galvão Frade (violão) e Nhô Frade (percussão) – menciona-se que o primeiro é pai de Tomás Frade, e o segundo, de Caio Frade, citados anteriormente.

Porém, quem se destaca com expressividade e autenticidade no disco é a cantora Patricia Guimarães. O Céu de Lamparina – também com número expressivo de integrantes – conta no grupo com a maior revelação local da atualidade: Camilo Frade, que prepara o lançamento de seu segundo disco “Nem bruto, nem Dândi” e tem no repertório um trabalho de influências locais associadas à MPB.

A produção do álbum Céu de Lamparina foi de André Magalhães, um profundo conhecedor em reunir a música regional com o som mais universal, que é o que o disco expressa, embora as músicas não saiam tanto do lado regional como no trabalho do Los Cunhados.

No Céu de Lamparina é possível escutar letras simplórias e de temática rural, com melodias bem executadas, porém num ritmo que varia da moda de viola e do acordeon ao som do contrabaixo e de sintetizadores. O disco é bom de ouvir e pode ser baixado aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora