O maestro brasileiro

Este ano completam dez anos da morte do maior maestro da história da música erudita brasileira, Eleazar de Carvalho. Vou recolher material para uma coluna sobre o maestro na próxima semana. Quem quiser contribuir com informações, escreva para [email protected] ou [email protected]

Eleazar foi para a regência o que Villa-Lobos para a composição brasileira. Nos anos 40, precisando passar pela Marinha para completar a formação, Eleazar foi na cara e na coragem para Boston e se apresentou ao grande maestro Sergey Koussevitzky, no Berkshire Music Center (Massachusettts). Com cinco minutos de conversa, ganhou o maestro.

Koussevitzky tinha dois alunos brilhantes. Um, o cearense de família pobre, que juntou o dinheiro para ir para os EUA tocando no Cassino da Urca; outro, Leonard Berstein, de família judia rica, filho dileto da sociedade de Boston.

Quando elogiavam Berstein para Koussevitzky, ele retrucava: “Precisam ouvir o brasileiro, que é melhor ainda”.

——————————————————————————–
Atenção: este ano completa cem anos Braguinha, um dos formadores da música popular brasileira. Está vivo e lúcido.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora