O mestre das obras-primas, o CD de André Mehmari, por Aquiles Rique Reis

Notturno (independente), um CD solo que traz à tona a genialidade que, desde sempre, vem tornando seu ofício mais e mais evidente.

O mestre das obras-primas, o CD de André Mehmari

por Aquiles Rique Reis

(Quando o instrumentista cria asas, sobrevoa o sublime)

 André Mehmari acaba de lançar Notturno (independente), um CD solo que traz à tona a genialidade que, desde sempre, vem tornando seu ofício mais e mais evidente. Seu piano é uma ferramenta que ajusta o virtuosismo ao sentimento.

Antes de falar sobre Notturno, peço licença para reproduzir alguns pequenos  trechos que escrevi quando do lançamento de três de seus álbuns anteriores – são   45 CDs gravados, uma verdadeira linha de montagem de sublimes criações.

“Tenho por André Mehmari admiração e respeito. Ele toca como se captasse a genialidade do mundo. Mas com uma semicolcheia antes do movimento dos dedos: memorável! A cada dia ele se torna um músico maior. Sua sabedoria é insofismável. Sua música e sua virtuosidade levam-no ao restrito universo dos mestres das obras-primas. (…) Além de tudo, a meu ver, seu talento rompe laços e agrega virtudes, provando que sua música, e a de poucos mais, pode e deve ser vista como uma só: música brasileira, sem reducionismos!”

Mehmari é um pianista e um compositor tão popular quanto erudito: é um virtuoso. Sem preconceitos, anotou: “Eu vejo a música muito mais através das intersecções e dos encontros do que das barreiras”. Assim pensa André Mehmari.

“O Tema Não Entrou no Filme” (AM) abre a tampa. A linda intro expõe uma sonoridade de grande beleza. A melodia é como um aceno para o amor. A segunda parte é ainda mais delicada, mais emocionada. Graças ao rigor da dinâmica, as frases se multiplicam com toques de extremo cuidado: o singelo antecipando o fortíssimo. E tudo resta suave, com bom gosto e sabedoria.

Em “Rio Antigo” (AM) ouve-se o som do piano, como que tocado numa noite do mais profundo azul. Notas agudas dão início a frases afetuosas. E tudo caminha para a emoção de quem ouve e de quem se comove. Um novo acorde com as notas mais agudas do piano inicia um movimento significativo. Pianíssimo, os acordes se sucedem até um final glorioso.

“L`Incoronazione” (AM) soa forte. Eis que, arritmo, a melodia se desvela em notas carinhosas. A sequência vem com pausas, que a seguir voltam à melodia. Notas graves dão a ela o sabor de um fruto colhido no pé. A dinâmica acentua momentos e ganha realces. Os graves facilitam a construção de uma respeitosa beleza. Com frases admiravelmente doces, o tema comprova que é assim que a melodia se faz, dando início a um processo em que se percebe que o final está a caminho. Ritmada, a frase conduz a uma longa pausa, que nos prende a respiração, para em seguida voltar.

“Sarabanda” (AM): que linda intro! Construindo sons, Mehmari se entrega irresistivelmente às notas do piano. A mão direita se dá à esquerda para, juntas, formarem acordes sublimes. Um rallentando antecede um crescendo encantador.

Quanto mais ouvirmos músicas de André Mehmari, mais atinaremos o quanto são essenciais à vida.

Aquiles Rique Reis, vocalista do MPB4

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome