O que tu és, Vicente Celestino!

Vicente Celestino canta O QUE TU ÉS de Anacleto de Medeiros e Catullo da Paixão Cearense. Resgate de Luciano Hortencio.

Resgate de Luciano Hortencio

Vicente Celestino canta O QUE TU ÉS de Anacleto de Medeiros e Catullo da Paixão Cearense

Se um riso vem teus lábios colorir de alma o rubor
As almas a teus pés vem prosternar-se com ardor
A luz transluz dos céus, nos céus dos olhos teus
Saudosos como o luar no mar a cintilar
Tua alma cheira mais que um alvo jasmineiro todo em flor
Onde tu passas fica um aroma a soluçar
Tu és de Deus a obra prima, não tens par
És uma rima singular
Tu és a pérola ideal que o mar gerou
Tu és a flor mais aromática que Deus sonhou
A mais plangente, meiga lira
Sons não tira como as notas desse teu falar
Teus seios tem o sacro e doce aroma de um missal
Teus lábios tem a eterna sensação da extrema unção
Tu fazes sem pensar, os astros palpitar
Tu fazes sem querer, as almas padecer
Tuas tranças cheiram mais que as rosas transcalantes de um rosal
Que a madrugada vem de orvalho perolar
És uma flor da fonte a margem de cristal
És um poema divinal
És a mais sonora estrofe do Senhor
És a irradiação mais branca do luar
És a luz solar, um hino sideral
Nos olhos tens os raios de uma estrela vesperal
Nos lábios tens a taça inebriante de hidromel
Da imagem do perdão, tu és a cópia mais fiel
Tu és um coração de orvalho lá do céu
Que um anjo a chorar perdeu.

Vicente Celestino – O QUE TU ÉS – Anacleto de Medeiros – Catullo da Paixão Cearense.
Disco RCA Victor 80-1022-A.
Novembro de 1952.
Arquivo Nirez.
Coisas que o tempo levou.
luciano hortencio.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora