Sambista Chico Alves reúne em CD suas ótimas composições, por Augusto Diniz

2776_cd.jpg

Imagem: Divulgação

por Augusto Diniz

Nem parece o primeiro CD solo. O sambista capixaba radicado em Niterói (RJ) Chico Alves mostra sua produção musical em mais de 20 anos de carreira, em gravações bem resolvidas no recém-lançado trabalho “Pra Yayá rodar a saia”. Conhecido nas rodas de samba carioca, o cantor e compositor apresenta no disco a riqueza criativa do gênero no Rio.

Em 2014, Chico já havia lançado o CD “Amigos e parceiros”, com 10 canções, somente com letras dele e melodia de Marco Pinheiro, mas a maioria das músicas foi gravada por outros intérpretes.

No CD “Pra Yayá rodar a saia” Chico Alves se apresenta como um cantor refinado. O disco tem participação de instrumentistas da linha de frente do samba, como Carlinhos Sete Cordas (violão), Rogério Souza (violão; ele também auxilia nos arranjos do disco), Marcio Hulk (cavaco) e Dirceu Leite (sopros).

As cinco primeiras músicas deste CD são composições de samba de batidas afro e de roda: “Berço de sereia” (Chico Alves/Daniel Scisinio), “Mãe rezadeira” (Chico Alves/Toninho Nascimento, autor de “Conto de areia” entre outros sambas marcantes), “Lá na ilha” (Ivor Lancelloti/Chico Alves), a faixa-título “Pra Yayá rodar a saia” (Pedro Messina/Chico Alves), e “Sina insana, saga cega” (Moyseis Marques/Chico Alves) com participação do talentoso parceiro Moyseis Marques.

A partir da sexta faixa em diante, o disco ganha ares de samba contemporâneo. Chico canta “Caninana” (Marco Pinheiro/Chico Alves), música que já teve outros registros fonográficos, sendo o último no recém-lançado CD “Estação Madureira” de Toninho Geraes. Ouça esta música aqui no CD “Amigos e Parceiros” na voz de Mauro Costa Jr.

O CD segue com os lindos sambas “Mau perdedor” (Fernando Brandão/Chico Alves) e “Doce Ilusão” (Cezar Mocarzel, Chico Alves, Fernando Brandão) – este última fala de histórias de carnaval e já foi gravado por Guinga e Eliza Lacerda.

Na sequência surge “Vai da Valsa” (Chico Alves/Zorba Devagar, que participou do grupo de compositores de Botafogo surgido na década de 1960, que tinha Paulinho da Viola, Elton Medeiros, entre outros). Esta composição recebeu no passado voz de Leila Pinheiro.

“Queimada” (Marco Pinheiro/Chico Alves), “Duro na queda” (Zorba Devagar/Fernando Brandão/Chico Alves), “Jóia rara” (Fernando Brandão/Chico Alves) com participação especial da cantora Andrea Dutra, e “Moreninha bolideira” (Bruno Brito/Chico Alves) completam o CD.

O disco foi produzido por Fernando Brandão (também compositor e atuante em trabalhos no samba), Daniel Karin e Felipe Tauil – todos os três tocam no disco: o primeiro faz violão e cavaco, e os dois outros, percussão.

Chico Alves já integrou os grupos Unha de Gato e Sambalangandã.

O CD “Pra Yayá rodar a saia” pode ser adquirido aqui.

Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora