Santinha é Luzinha…, por Luciano Hortencio

O áudio da Banda do Corpo de Bombeiros estava esperando uma boa foto para ser publicado, uma vez que entendo dever ser uma boa música instrumental apresentada com uma tão boa quanto, imagem ilustrativa.

Santinha é Luzinha…, por Luciano Hortencio

A foto ilustrativa data do ano de 1915, ano da grande seca que ficou conhecida como a Seca do Quinze. Foi batida na cidade de Russas – Ceará, cidade que teve o nome anterior de São Bernardo das Russas e ainda, segundo algumas fontes, o nome de São Bernardo das Éguas Russas.

Na foto estão meus avós maternos Umbelina Simões e João simões de Oliveira, bem como minha mãe Luzinha, nascida em 06 de outubro de 1914, tendo portanto, nessa época, pouco mais de seis meses.

Interessante ressaltar-se o fato de, mesmo estando o casal em seus melhores trajes e a roupinha da criança esmerada, mamãe estava descalça. Seria o uso da época? Não se faziam sapatinhos de tricô? Realmente não sei.

O áudio da Banda do Corpo de Bombeiros estava esperando uma boa foto para ser publicado, uma vez que entendo dever ser uma boa música instrumental apresentada com uma tão boa quanto, imagem ilustrativa.

Santinha estava esperando e hoje, ao apresentar a foto no Grupo Facebook Coisas que o tempo levou, com marcas do tempo, fui surpreendido com a nímia gentileza do amigo Marius Bandeira, filho do grande cantor e compositor Luiz Bandeira, que fez-me a grande e agradável surpresa de apresentar-me a foto devidamente editada e sem as marcas que o tempo a ela trouxeram.

Claro que ao ver a belezura da foto associei-a imediatamente ao fonograma guardado.

Afinal, Santinha é Luzinha e Luzinha é Santinha.

Leia também:  Se for preciso eu caso!!!

Banda do Corpo de Bombeiros – SANTINHA – Anacleto de Medeiros.
Disco Odeon R – 40.702.
Ano de 1906.
Arquivo Nirez.
Coisas que o tempo levou.
luciano hortencio.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora