Sem apoio da prefeitura, músicos latino-americanos promovem encontro em Angra

Jornal GGN – Na cidade de Angra dos Reis (RJ), músicos de países da América Latina se reúnem com seus colegas brasileiros para a terceira edição do Encontro de Músicos Latino-Americanos entre os dia 24 e 26 deste mês. O festival teve o risco de não acontecer, já que a Fundação de Cultura de Angra retirou o apoio financeiro. Para o coordenador-geral do Encontro, Leandro Vieira, a retirada do patrocínio acabou gerando uma mobilização dos artistas, que decidiram se unir e fazer o festival mesmo sem o apoio da prefeitura.

O evento contará com uma oficina gratuita com os músicos uruguaios Jonathan Andreoli, Natália Gularte e Federico Caravatti, no sábado à tarde. Eles irão lecionar sobre o ritmo chacarera, originário da Argentina. No final de semana, os músicos sairão em cortejos musicais pela cidade, apresentando ritmos de seus países de origem. 

Sem a possibilidade de realizar grandes shows gratuitos como nos anos anteriores, os artistas decidiram organizar peñas, espécie de saraus musicais, abertos ao público e com apresentações musicais. Para o ano que vem, a coordenação do evento pretende procurar formas alternativas de patrocínio.

Da Agência Brasil

Músicos da Bolívia, Uruguai, Peru e Chile vão se juntar a colegas brasileiros na terceira edição do Encontro de Músicos Latino-Americanos, em Angra dos Reis  – Enangra 2016 – que ocorrerá naquele município da Costa Verde do estado do Rio de Janeiro, entre os dias 24 e 26 deste mês.

Leia também:  Boemia, pra mim terminou!

O evento correu o risco de não ser realizado este ano, porque a atual crise econômica do país tirou o apoio financeiro dado pela Fundação de Cultura da cidade (Fundação Cultuar), embora tenha garantido apoio logístico e ajuda para alimentação e alojamento dos músicos estrangeiros.

O coordenador-geral do Enangra, Leandro Vieira, disse à Agência Brasil que a retirada do patrocínio da prefeitura acabou tendo uma repercussão positiva, na medida em que provocou uma mobilização dos artistas, que resolveram se unir e fazer o evento sem apoio governamental. “Esse vai ser o grande diferencial em relação às edições anteriores. Vai ser um encontro menor, mas com uma forma mais espontânea. Um verdadeiro mutirão”, informou Vieira.

O percussionista uruguaio Jonathan Andreoli será o coordenador artístico do encontro, repetindo a função do ano passado. Como o Enangra 2016 terá dois dias a menos que as outras edições, haverá apenas uma oficina gratuita, no sábado (25) à tarde, aberta ao público em geral e a músicos brasileiros que queiram aprender sobre o ritmo chacarera, originário da Argentina. Hoje, o ritmo já é encontrado em vários países da América Latina.

Na oficina, a apresentação será feita pelos músicos uruguaios Jonathan Andreoli, Natália Gularte e Federico Caravatti. “Eles vão mostrar exemplos do ritmo e dar dicas de como tocar a chacarera”, diz Leandro Vieira. Os principais instrumentos usados são o violão, ou guitarra, como é chamado em espanhol, e o bombo leguero, que é um instrumento de percussão argentino, cujo nome, leguero, é porque essa espécie de tambor pode ser ouvida até a duas léguas de distância, cerca de cinco quilômetros. “O bombo leguero é fundamental. Esse tambor dá toda a cara do ritmo”. Explica Vieira.

Leia também:  Chuá Chuá, na interpretação de Marília Maura

No sábado (25) e no domingo (26), pela manhã, os músicos latino-americanos sairão em cortejos musicais pelas ruas de Angra dos Reis, tocando e cantando diversos ritmos de seus países de origem. “Como  não vamos ter grandes shows este ano, devido à falta de dinheiro para pagar os cachês, preferimos fazer dois cortejos pelas ruas do centro da cidade, tocando. Os turistas acabam se empolgando e seguindo os cortejos, explica o coordenador-geral do Enangra. Segundo ele, “Tem muito artista de rua em Angra. Então, o pessoal já está muito bem-adaptado a esse tipo de apresentação. Fica bem cheio. As pessoas se integram bastante”.

Como não podem promover este ano os três grandes shows gratuitos dos eventos anteriores, a solução encontrada foi organizar peñas, espécie de saraus musicais, abertos ao público, nos quais os participantes do encontro farão apresentações musicais. Esses saraus ocorrerão na sexta-feira (24) e no sábado (25), à noite, no Convento de São Bernardino de Sena, construído em 1763 e reinaugurado este ano como espaço cultural. As demais atividades ocorrerão na Casa Laranjeiras, construída em 1822 e que integra o patrimônio arquitetônico de Angra dos Reis. O espaço abriga exposições, cursos e oficinas.

Para 2017, a intenção da coordenação geral do Enangra é buscar formas alternativas de patrocínio, para sair da dependência da Fundação de Cultura e poder voltar a produzir os três grandes shows gratuitos para a população.

 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome