Titulares do Ritmo, os cantores cegos que maravilharam o Brasil

Um dos melhores conjuntos vocais brasileiros foram os Titulares do Ritmo, um sexto formado por Francisco Nepomuceno de Oliveira, o Chico – Fortaleza, CE, 1927 – Líder, compositor, arranjador, violonista e pianista. Geraldo Nepomuceno de Oliveira – Fortaleza, CE – 1931 – Cantor e violonista. Domingos Ângelo de Carvalho – Moeda, MG – 1921 – Cantor. João Cândido Brito – (…), segundo dados do Dicionário Cravo Albim.

A fase áurea foi nos anos50 e 60, quando gravaram o hit “A taça do mundo é nosso”. Mas o sucesso perdurou até os anos 70. Naqueles tempos, plena ditadura, lançaram um LP com paródias divertidíssimas de músicas conhecidas.

Nos anos 80 ainda cruzei com um deles no Conjunto Nacional. Mas nem sei por onde andam os sobreviventes.

Aqui dois exemplos másculos dos craques que foram:

p> 

Olha que baita interpretaçào  de “Onde o céu é mais azul”

https://www.youtube.com/watch?v=GUafF8DHimk]

[video:https://www.youtube.com/watch?v=VjkiH9Y8Yo0

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Trivial de 'Sei lá, Mangueira'

1 comentário

  1. ZÉ DO CAIXÃO

    Uma curiosidade: A musica de abertura do filme O Estranho Mundo de Zé do Caixão de 1968 – que na realidade é composto por três curtas/médias metragens – é cantada pelo Titulares do Ritmo. E a coisa já começa a ficar sinistra logo ali. O mais bizarro é que, apesar do titulo do filme, no episódio em que José Mojica Marins atua ele não pode usar o nome de seu alter ego por questões de direitos pelo nome. A solução foi se auto intitular “Oaxiac ed Ez”.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome