Como os manifestantes brasileiros estão usando o Twitter

Jornal GGN – Mais de um milhão de brasileiros se juntaram aos protestos em mais de 100 cidades em todo o Brasil nas últimas semanas. Desde o seu início precoce como uma “Revolta do Busão” para reduzir tarifas de ônibus, os protestos passaram a incluir um conjunto muito maior de problemas enfrentados pela sociedade brasileira. Os manifestantes estão revoltados com a corrupção e desigualdade. Eles também estão frustrados com o custo de sediar a próxima Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, tendo em conta a disparidade econômica e falta de serviços básicos de alta qualidade. No domingo, enquanto o Brasil derrotou a Espanha na final da Copa das Confederações, a polícia entrou em confronto com manifestantes perto do estádio do Maracanã pela segunda vez em duas semanas.

As pessoas se voltaram para as mídias sociais para compartilhar o que eles viam nas ruas e convidar outras pessoas para participar dos protestos. Por exemplo, alguns dos usuários brasileiros mais ativos da So.cl postaram colagens diárias com imagens, links e descrições dos protestos. De acordo com uma empresa de pesquisa bem conhecida, surpreendentes 72% dos brasileiros online apoiaram as manifestações, e 10% afirmaram ter se juntado aos protestos nas ruas. Por um tempo, a presidenta Dilma Rousseff manteve um alto índice de aprovação de 55%, contra 63% no ano anterior, um dos mais altos para qualquer líder no mundo. Em 29 de junho, no entanto, apenas 30% dos brasileiros consideravam a administração “ótima” ou “boa”.

Timeline

Embora o movimento brasileiro parecia surgir do nada na segunda semana de junho, as notícias sobre o aumento da tarifa de ônibus apareceram pela primeira vez em janeiro. Além disso, a organização por trás dos primeiros protestos, o Movimento Passe Livre (MPL), que começou há 8 anos, organizou uma demonstração inicial com os alunos no dia 28 de maio, em preparação para uma maior em 06 de junho, que atraiu milhares de pessoas. Nesse ponto, a presença do protesto em mídias sociais pareciam ter constrangido o blog do MPL e o evento do Facebook para as manifestações. Isso mudou após as manifestações, foram confrontados com a repressão policial e vários vídeos de pessoas que foram feridas pela polícia foram espalhados em mídias sociais. O movimento começou a ganhar muita atenção no Twitter e no Facebook e rapidamente se espalhou para mais cidades brasileiras. Veja o seguinte cronograma para uma longa lista de eventos relacionados com os protestos.

Medindo a atividade no Twitter dos protestos brasileiros

Leia também:  Vai ter golpe?, por Julian Rodrigues

A fim de entender melhor o desenvolvimento dos protestos nas mídias sociais, o Twitter, em especial, O FuseLabs coletou o conjunto completo de 1.579.824 tweets postados entre 01 de junho e 22 de junho, contendo as seguintes hashtags: # VemPraRua, # MudaBrasil, # ChangeBrazil, # ChangeBrasil, # passelivre, # protestosrj, # ogiganteacordou, # copapraquem, # PimientaVsVinagre, # sp17j, # consolação e # acordabrasil.

A imagem acima mostra o número total de tweets publicados por dia. Continuando a análise dos dados, na esperança de expandir para além dessas hashtags, aqui estão três coisas que foram encontradas até agora:

1. Tweets dos protestos em 17 de junho

O pico de 96.531 tweets/hora aconteceu especificamente em torno das 20h00min em 17 de junho de 2013. Este foi o dia em que os manifestantes invadiram o Congresso brasileiro. Um exemplo de uma mensagem altamente reenviada este dia era do @AnonymousBrasil com relatórios sobre ocupação do congresso dos manifestantes:

Na figura acima, é possível ver a taxa horária de tweets durante o período de seu interesse. A sazonalidade no horário é claramente visível, bem como o aumento dramático na conversação na noite de 17 de Junho. Também é possível ver o que está sendo falado no Twitter. Abaixo estão algumas das palavras mais usadas.

2. Natureza internacional de protestos

Metade dos tweets veio de usuários cujo fuso horário é definido como “Brasília”, enquanto o restante veio de uma ampla gama de outras localidades. Os fusos horários superiores fora de Brasília foram: Santiago, Groenlândia, Meio-Atlântico, Hawaii, Quito, Hora do Atlântico (Canadá), Hora do Leste (EUA e Canadá), Londres, hora do Pacífico (EUA e Canadá), Hora Central (EUA e Canadá), Istambul e Buenos Aires.

Leia também:  Vai ter golpe?, por Julian Rodrigues

A proporção relativamente elevada de usuários de Istambul foi particularmente interessante, dado os protestos semelhantes acontecendo na Turquia. O número real de tweets de Istambul foi muito pequeno (5.582 tweets postados por 3.517 contas diferentes), mas as taxas de conversa seguem um padrão de atraso em comparação com a maior parte dos tweets, o que sugere que os tweets vindos de Istambul foram publicadas depois de ouvir a notícia do que estava acontecendo no Brasil (os tweets de Istambul atingiram um pico de 434 tweets/hora em 18 de junho às 02:00), como visto na figura abaixo.

3. Rede de interações retorna a seu início

Talvez a descoberta mais fascinante é que a estrutura da rede de interação entre os mais ativos teve um comportamento cíclico pelo @menções e retweets entre os top 1% dos usuários (aqueles que postaram pelo menos 20 tweets no total) sobre a semana. A rede de interação começa muito escassa em 15 de junho, passa a ser mais densa em 17 de junho, e mantém este aumento de densidade por alguns dias antes de voltar a uma densidade semelhante ao seu ponto de partida do dia 15 de junho. O seguinte gráfico mostra como o volume de interações entre 99% cresce e encolhe.

Além disso, através da comparação da estrutura destas redes de interação diárias, descobrimos que o padrão de relações também exibe um comportamento cíclico. Na segunda trama, mostramos a interação diária da rede como um ponto no espaço. A distância entre os pontos (isto é, as redes de interação diárias) representa a semelhança estrutural entre as redes – os pares mais estreitos no espaço são mais semelhantes. A trama mostra como a rede de interação entre esses indivíduos começa em uma determinada configuração de junho 15/16 antes de mudar drasticamente em 17 e 18 de junho (os indivíduos nestes dias estão interagindo com muitos novos contatos, com quem eles não se comunicavam previamente). No final da semana, a rede retorna para uma configuração estrutural semelhante à maneira como que começou no dia 15 de Junho.

Leia também:  Vai ter golpe?, por Julian Rodrigues

O trabalho futuro

Essa análise inicial representa uma análise quantitativa de comunicação do movimento no Twitter usando um conjunto específico de hashtags. Um trabalho mais extenso precisa ser feito, não só para expandir a lista de hashtags além daquelas usadas, mas também olhar para outros canais de comunicação como Facebook e as interações do Facebook.

Questões futuras para investigar poderiam incidir sobre a compreensão dos papéis de cada um desses canais. Além disso, os papéis e as motivações dos diferentes intervenientes, incluindo os indivíduos não afiliados, estudantes e organizações políticas existentes, como o MPL, os partidos políticos tradicionais e coletivos como Anônimo.

Veja o artigo original no blog do Fuse Labs

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome