Academia para mulheres – Test drive, semana 3

SEMANA 3, por Clarissa

Após a pausa forçada graças ao carnaval, quando Ju e eu fomos enviadas para a cobertura dos festejos em cidades diferentes, eis que voltamos para o treino. E antes de falar da volta em cima, quero registrar uma observação importante: lá em Salvador, na função de repórter de rua, eu trabalhava com a Dani, minha parceira, por 10, 12 e até 14 horas seguidas, quase sempre em pé ou encostadinha numa mureta, subindo e descendo dos trios elétricos.

Achei que eu ia ficar moída logo no primeiro dia. Mas aguentei muito melhor do que imaginava e — pasme! — não tive uma dor no corpo sequer. Cansaço, claro, senti à beça: terminava a jornada combalida. Mas acordava disposta e, tchanam!, não estava dolorida no dia seguinte! Acho que foi graças à academia.

Pois levantei animada na segunda, com saudades do movimento físico, sabe? Eu sei, me sinto péssima falando isso… Mas enfim. Fui para a academia toda contente, entrei, malhei (urgh), cheguei no trabalho super bem. Enquanto me exercitava, notei mais uma vez uma coisa muito legal de uma academia para mulheres: a variedade de corpos que convivem numa boa, sem padrões hegemônicos, todos ali entre bicicletas e steps: magras, altas, velhas, novas, gordas, “cadeirudas”… gente de toda sorte!

O esquisito foi que, no desenrolar da semana, eu desanimei. Não sei se bateu o cansaço da semana trabalhada em Salvador ou se eu estava realmente em dias preguiçosos… E, para falar a verdade, continuo preguiçosa esta semana (que já é a 4a e última). Será que passa?

********************************************************

SEMANA 3, por Juliana – Um ambiente amistoso faz toda a diferença

Consigo entender agora por que as atividades físicas devem ser contínuas. Sempre contínuas. Continuamente contínuas. Após cinco dias de intenso trabalho na cobertura do carnaval no Rio de Janeiro, eu não encontrava força nenhuma para acordar mais cedo e ir para a academia.

Dois motivos principais não me motivavam. Primeiro, estava realmente cansada por causa dos últimos dias de trabalho e precisava de um merecido descanso. Segundo, ficar muitos dias sem fazer as aulas desmotiva qualquer um. Desmotiva tanto que, mesmo na semana de retorno às aulas, consegui ir apenas um dia para a academia.

E como foi difícil… Enrolei até o último minuto para não ir, mas uma coisa me deu fôlego para começar: mesmo depois de duas semanas fora da academia, quando cheguei as professoras e alunas me receberam super eufóricas! Claro que levei um puxão de orelha por ter parado, porém as brincadeiras e o clima de “boas-vindas” me animaram novamente para o treino!

Senti bastante cansaço durante o circuito, meu corpo que já estava acostumado com os pesos de alguns aparelhos, sentiu um pouco de dificuldade na hora de fazer os exercícios. Não era como se começasse do zero, porém ainda assim era difícil. Vamos ver em quanto tempo o corpo se acostuma novamente…

 

Leia como tudo isso começou e como nos sentimos na segunda semana. Este é o post sobre a terceira e já estamos na quarta e última semana de treinos: não perca a conclusão da saga semana que vem!

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome