Lista de Livros: Uma introdução à Filosofia da Linguagem – Max William Alexandre da Costa

Assim como a explicação do início e da natureza das civilizações humanas, a explicação do que motiva a busca por conhecimento também tem uma dupla atribuição ou dupla influência nos homens

Seleção de Doney

Lista de Livros: Uma introdução à Filosofia da Linguagem – Max William Alexandre da Costa

Editora: InterSaberes

ISBN: 978-85-443-0265-1

Opinião: regular

Páginas: 216

“Existem muitas versões que tentam explicar o início da filosofia. Esta é a explicação que acreditamos ser a mais correta: as primeiras civilizações humanas surgiram no Oriente por volta de 4500 a.C. e 3750 a.C., na região que conhecemos como Mesopotâmia. Uma das explicações mais aceitas para esse fenômeno, ou seja, para a preferência dos homens pela vida em grupos, cidades e civilizações, é a de que isso aumenta as chances de sobrevivência. Repartir o trabalho faz com que o fardo de prover os elementos necessários à vida e à sua preservação seja menos pesado. E assim, quanto maior é uma civilização, mais formas ela terá de se proteger das contingências e dos perigos que a ameaçam e a cercam.

Provavelmente, esse não foi o único fator que fez com que os homens se reunissem para viver em conjunto. Alguns filósofos acreditam que esse fenômeno não é um mero fator contingente. Contingente porque, se as condições que a natureza e a vida impõem fossem diferences, os homens não sentiriam a necessidade de viver em grupos. Isso leva a crer que há outros fatores responsáveis por esse comportamento, o comportamento resultante do desejo de viver em grandes grupos. Para esses filósofos, o sentimento de reunir-se e viver em comunidades não se esgota apenas na sensação de segurança que a vida em sociedade proporciona, ele é algo maior. Na visão de Thomas Hobbes, por exemplo, a instituição da sociedade, apesar de necessária, é artificial, pois, para ele, os homens não nascem aptos para a sociedade, mas encontram nela um meio para obtenção de benefícios próprios (Hobbes, Leviatã, 2006).

Um desses filósofos, talvez (ainda que para nós esse “talvez” seja melhor expresso por um “sem dúvida”) um dos mais proeminentes pensadores que já existiram – Aristóteles –, dizia que a natureza humana apenas encontra a plena realização na pólis, ou seja, na vida pública, em meio à sociedade. Assim, para Aristóteles (Ética a Nicômaco, 1940), a reunião dos homens para viverem cm conjunto é um movimento natural.

Porém, a despeito dessa discussão, um fato inegável é que a grande maioria de nós prefere viver em conjunto a viver em total isolamento. Imagine, caro leitor, o quão difícil seria a vida se a vivêssemos em total isolamento do outro, se não tivéssemos ninguém com quem repartir e dividir as tarefas que as responsabilidades da manutenção da vida nos impõem. Você, nessa situação, teria, por exemplo, de conseguir a própria água, o próprio alimento, construir o próprio abrigo, cuidar da própria proteção e, no caso de eventualidades médicas, teria de ter o conhecimento necessário para prover o próprio remédio, na medida do possível (lembre-se de que muitos medicamentos e tratamentos de que dispomos hoje foram obtidos após décadas e décadas de pesquisa, com muitas pessoas envolvidas). Se ainda não estiver convencido, aceite apenas o fato, de direito e incontestável, de que nós vivemos em grupos, cidades, estados, países, civilizações, cada qual com a própria língua, cultura, costumes e valores.

Mas é claro que temos os dois lados dessa história, afinal, se por um lado obtemos inúmeras vantagens ao viver em sociedade e nos livramos de uma série imensa de dificuldades que a condição humana em estado de natureza nos impõe, por outro, adquirimos um conjunto de problemas de proporções e magnitudes comparáveis. Precisamos lidar com doenças, muitas vezes causadas pelo acúmulo e pelo mau tratamento do lixo e dos dejetos produzidos por nós. Se, por um lado, quanto maior é a civilização, mais facilidades (teoricamente) e mais poder o grupo possui, por outro lado, o problema gerado também é muito maior.

Pense na produção de alimento como exemplo. Nesse caso, quanto maior é o grupo, mais difícil é alimentar a todos. É preciso plantar, cultivar, dividir o terreno, pensar em métodos artificiais satisfatórios de irrigação. Assim, torna-se essencial calcular uma série de elementos e situações, caso contrário, a vida em sociedade entra em colapso. Por isso, é necessária a introdução de métodos de cálculo e raciocínio apurados para desenvolver a mecânica e a engenharia necessárias para tais fins. E assim surgiu a matemática.

A matemática foi uma das primeiras disciplinas do conhecimento humano, uma das primeiras formas organizadas e sistemáticas de lidar com um conjunto de problemas de inúmeras ordens, como o registro da divisão do tempo, dos dias, das estações (com a aritmética básica) e de elementos mais complexos, como o movimento dos astros e as relações entre as figuras geométricas com a geometria. Mas o mais impressionante é que uma das primeiras, se não a primeira disciplina do conhecimento humano, a primeira forma sistemática de obtenção de conhecimento tem o poder e a capacidade de obter conhecimento com um grau tão elevado de certeza.

Compare a matemática com as outras disciplinas do conheci­mento humano, que por séculos e séculos tiveram, a cada tentativa, de estabelecer resultados mais sólidos, voltar às bases e reconsiderar os próprios fundamentos. Só nos tempos mais recentes é que algumas delas puderam alcançar, de modo incontestável, o título de ciência. Isso só aconteceu quando os resultados puderam ser tomados de modo seguro, passando pelo crivo rigoroso de metodologias bem definidas. Não foi à toa que Immanuel Kant (1724-1804) escreveu no segundo prefácio de Crítica da razão pura“desde os tempos mais remotos que a história da razão pode alcançar, com o admirável povo grego, a matemática encetou o caminho seguro de uma ciência, (…) no qual não podia haver engano” (Kant, 2001p. 48).

E aqui começa nosso ponto de interesse. Assim como a explicação do início e da natureza das civilizações humanas, a explicação do que motiva a busca por conhecimento também tem uma dupla atribuição ou dupla influência nos homens. De um lado, há influências que motivam a busca por conhecimento seguro; de outro, há uma incontrolável curiosidade. A segurança advém da necessidade imposta pelo mundo e das dificuldades para a manutenção da vida, principalmente da vida em sociedade, que geralmente exige de nós uma compreensão mais elaborada e um domínio maior da natureza. Já a curiosidade se caracteriza de forma mais pura que as ações intelectuais que se submetem às exigências impostas pela condição humana: ela parte da natureza do homem, que consiste em pura indagação.

Contudo, o que é unívoco é que, se temos um problema, um dilema ou um paradoxo em mãos, o que buscamos, sem dúvida, é uma resposta segura a esse problema, dilema ou paradoxo. Uma resposta ou uma solução que possua um estatuto ou uma justificação tal que não seja meramente provisória, mas que seja definitiva e segura. E a isso chamamos de conhecimento – algo que seja irrevogável, que, quando estabelecido, entre em acordo com os outros conhecimentos obtidos anteriormente, não gerando contradições.

A matemática alcançou esse patamar logo em seus primeiros desenvolvimentos. Embora tenha surgido em algumas regiões do Egito, foi com os gregos que ela assumiu um caráter puramente técnico, rigoroso e sistemático, mediante a introdução dos métodos dedutivos.

O sucesso com a teoria dos números foi tal que lançou um valioso insight entre os grandes pensadores da Antiguidade. Esse insight foi o de tentar reproduzir as condições rigorosas de sistematicidade na obtenção de conhecimento. Já não se buscava mais um conhecimento sobre relações numéricas entre dias e estações do ano, movimentos celestes e figuras geométricas, mas havia questionamentos para a obtenção de conhecimento sobre coisas mais abstratas, como: “O que é a Justiça?”, “O que é o Bem?”, “O que é a Beleza?”, “O que é Deus?”, “O que é o conhecimento?” e inúmeras outras perguntas que exigem respostas mais ou menos imediatas que essas.

E assim surgiu a filosofia, como um modo sistemático de tratar racionalmente, com o máximo de rigor intelectual, os temas supracitados. O insight, portanto, foi o de tratar os problemas da filosofia com o mesmo rigor lógico com que a matemática era tratada, sob a expectativa de tentar obter resultados tão seguros quanto os que ela obtinha.

No início, as questões que desafiavam o intelecto humano eram de tal ordem que todas pertenciam a algum ramo da filosofia. Mas por que as disciplinas estavam organizadas em torno de um único eixo – a filosofia? Bem, no atual panorama da história do pensamento sabemos que, basicamente, o que torna uma disciplina do conhecimento humano uma ciência é o desenvolvimento e a introdução de uma metodologia específica. Seria essa a maneira de destacar quando determinada proposição, ou conjunto de proposições, é, de fato, conhecimento ou não.

Naquela época, no entanto, o que fazia com que as disciplinas fossem parte da filosofia era o fato de ela ser a única forma disponível ao homem para lidar com os problemas existentes de modo mais rigoroso, ou seja, de forma racional, sem apelar a mitos ou explicações muito vagas; ou, ainda, era a filosofia que fazia com que os problemas existentes pudessem ser tratados de forma lógica, evitando contradições e inconsistências nas explicações. Para se ter ideia, até pouco tempo, a física ainda era tratada como um ramo da filosofia. Isaac Newton deu a isso o título de Princípios Matemáticos da Filosofia Natural (Philosophiae Naturalis Principia Mathematica). A psicologia também sofreu esse processo no último século e, mais recentemente, a linguística passa por ele.

A Filosofia consiste em uma disciplina do conhecimento humano que lida com questões de fundamento, com conceitos cuja clarificação não pode ser feita dentro de um laboratório de maneira mais empírica. Muitas dessas questões dizem respeito ao tratamento de certos conceitos, cuja investigação seria impossível de qualquer outra forma. É basicamente a isso que se deve a importância do uso das ferramentas da lógica e da matemática na sistematização e na clarificação dos conceitos filosóficos.

Percebemos que a racionalidade do discurso filosófico reside no emprego de técnicas formais de definição e análise desses conceitos, no sentido de tentar solucionar os problemas e os paradoxos que se impõem e constrangem tanto o intelecto humano. Dessa forma, os elementos mínimos necessários exigidos para um discurso racional são a consistência e a validade – ou seja, tudo aquilo que falamos, pensamos e escrevemos, seja sobre fatos e eventos ordinários do dia a dia, seja sobre teorias e justificações complexas dos mais diversos âmbitos da realidade que a ciência e a filosofia abrangem, não pode nem implicar uma contradição nem ser inválido. Normalmente, dizemos que um sujeito é racional se ele tem consciência das implicações materiais e morais das próprias ações.”

*

*

“A teoria ortodoxa da referência, também conhecida como teoria descritivista da referência, consiste na doutrina de acordo com a qual nomes próprios são sinônimos de descrições definidas. Foi defendida por autores como Frege, Russell, Strawson e John Searle, que buscaram explicitar que o significado de um nome é o mesmo que o significado de uma ou mais descrições definidas. (…)

Quando falamos conteúdo, queremos dizer o significado por ele mesmo, a entidade correspondente, a característica que duas expressões podem apresentar ao ter o mesmo significado. Desse modo, quando empregamos um nome como Aristóteles, por exemplo, o descritivismo implica que esse uso e a comunicação do objeto referido só são possíveis se houver uma descrição definida associada ao nome pelo falante e pelo ouvinte.

Outra consequência do descritivismo é que a referência do nome depende da descrição associada. Assim, se associamos a descrição “o mestre de Alexandre, o Grande”, a referência de “Aristóteles” será aquele indivíduo que unicamente satisfaz a descrição definida. Não importa quem seja, o nome “Aristóteles” rastreará aquele indivíduo que é o mestre de Alexandre, o Grande, ou seja, aquele único indivíduo que satisfaz os conceitos expressos pela descrição.

É basicamente esse o mecanismo de referência entre os nomes comuns ou ordinários e os objetos que eles nomeiam. Nomes como Cícero só referem por meio de certas condições, assim como a referência de “Cícero” só é assim considerada se satisfizer as condições associadas ao nome.”

*

*

 “A perspectiva universalista da linguagem, defendida pelos autores clássicos apresentados até aqui, como Frege, Russell, Strawson e ainda outros que não mencionamos, como Chomsky, defende uma visão sistemática da linguagem ou ainda uma visão axiomática. A noção de axioma está relacionada a sistemas lógicos e a modelos matemáticos. Essa visão toma que é possível, pelo menos em tese, representar a linguagem humana mediante de princípios universais que podem ser descritos por meio das leis da lógica e da matemática.

Axiomas são os primeiros princípios de qualquer sistema; um sistema, por sua vez, consiste em um conjunto de expressões e regras que determinam como combinar essas expressões. Assim, a visão universalista da linguagem, defendida por autores como Chomsky (Sobre natureza e linguagem, 2006), assevera que a linguagem humana é um sistema que se manifesta de inúmeras formas em diversos lugares e culturas, mas sempre com as mesmas características, que podem ser isoladas e representadas lógico-matematicamente. A visão tradicional (ou, ainda, universal) da linguagem aponta que a linguagem consiste em um conjunto de elementos que se encontram em qualquer manifestação linguística humana. Em outras palavras, toda língua, seja o português, o inglês, o japonês ou o alemão, possui semelhanças sintáticas profundas, com base nas quais é possível traçar aspectos essenciais que constituem cada uma delas. Em suma, para a abordagem universalista (como chamaremos daqui para frente), a linguagem possui uma essência e todas as manifestações linguísticas carregam esses traços essenciais consigo.

A visão pragmática sobre a linguagem e o significado diz respeito a um modo de compreender aspectos da fala e da comunicação sem levar em consideração elementos que permitem uma definição necessária e universal desses fenômenos. As semelhanças entre as diversas manifestações linguísticas e as diferentes línguas ao redor do mundo são explicadas não em termos de condições necessárias e suficientes que as constituem, mas naquilo que Wittgenstein chama de semelhanças de família.

Nesse sentido, a abordagem pragmática da linguagem critica, entre outras coisas, a visão referencialista do significado — são aquilo que as expressões linguísticas designam, são a sua referência. Dessa forma, qualquer linguagem, até mesmo a linguagem matemática da aritmética, trata não apenas das relações entre os símbolos, mas sim daquilo que os símbolos substituem.”

*

*

 “Outro elemento importante em um curso de filosofia é a distinção entre moral e ética. É importante separar bem esses dois conceitos para evitar confusões conceituais. Moral diz respeito a sistemas particulares de conduta, como a moral judaica, a moral cristã, a moral islâmica. Já a éticadiz respeito às ações. Dizemos que alguém é moral se ele segue algum sistema de conduta específico, como os mencionados. Em suma, dizemos que uma pessoa é moral ou não. Em relação à ética, dizemos que as ações de uma pessoa são éticas ou não.”