BNDES lucra R$ 3,124 bilhões no terceiro trimestre de 2015

 
Jornal GGN – O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) registrou lucro líquido de R$ 3,124 bilhões no terceiro trimestre. O valor é 62% maior que o alcançado no mesmo período do ano passado, quando ficou em R$ 1,928 bilhão. De acordo com a instituição, o resultado reflete a melhora do resultado de intermediação financeira.
 
Já o resultado entre janeiro e setembro teve lucro líquido de R$ 6,639 bilhões, resultado 10,3% inferior aos R$ 7,399 bilhões registrados nos mesmos meses de 2014. A redução foi influenciada pelo resultado com participações societárias, que teve uma retração de R$ 5,4 bilhões no comparativo dos períodos, consequência, principalmente, da forte depreciação do mercado de capitais.
 
No acumulado entre janeiro e setembro, o BNDES teve lucro líquido de R$ 6,639 bilhões, resultado que significa queda de 10,3% na comparação aos nove meses de 2014, quando o lucro atingiu R$ 7,399 bilhões. Segundo o banco, a contração foi influenciada pelo resultado com participações societárias, após retração de R$ 5,4 bilhões se comparados os períodos, em razão, especialmente, da depreciação do mercado de capitais, classificada como forte pelo banco.
 
Em 30 de setembro, a rentabilidade sobre o patrimônio chegou a 15,45%. Na avaliação do BNDES, a qualidade da carteira de crédito precisa ser garantida, porque além de ser um banco público, o retorno das operações compõe o principal fundo para a concessão de novos financiamentos a projetos de investimentos.
 
Segundo o banco, o patrimônio líquido do Sistema BNDES em setembro de 2015 alcançou R$ 33,8 bilhões. Em dezembro de 2014 era R$ 30,7 bilhões. “O aumento do patrimônio líquido foi influenciado pelo resultado do período de R$ 6,6 bilhões, compensado pela perda no valor de mercado de participações societárias em empresas não coligadas [R$ 5,4 bilhões]”, explicou. O aumento do patrimônio líquido foi influenciado pelo resultado do período, de R$ 6,6 bilhões, compensado pela perda no valor de mercado de participações societárias em empresas não coligadas (R$ 5,4 bilhões, líquido de tributos). O patrimônio de referência (base regulatória que determina a capacidade de financiamento) atingiu R$ 98,8 bilhões em setembro, superior aos R$ 97,9 bilhões do ano passado.
 
O retorno das operações do banco nos primeiros nove meses do ano representaram 95,8% dos recursos desembolsados no período. “O percentual de créditos renegociados foi apenas 1,88% da carteira total em 30 de setembro de 2015”, completou o BNDES. Nos nove primeiros meses de 2015, o retorno das operações do Banco representaram 95,8% dos recursos desembolsados no período. 
 
O banco informou ainda que a redução expressiva do volume de dividendos pagos pelas empresas da carteira de participações societárias (R$ 2,347 bilhões) e o aumento na constituição de provisão para perdas no valor de R$ 2,794 bilhões, incluindo a queda do índice da Bolsa de Valores, contribuíram para o recuo do resultado com participações societárias, que atingiu R$ 5,450 bilhões. O BNDES acrescentou que o desempenho foi impactado por fatores alheios à gestão da instituição.
 
O banco destacou ainda o baixo percentual de inadimplência (0,02%). “Bem abaixo da média do Sistema Financeiro Nacional [SFN], de 3,1%, no período e que reflete a alta qualidade da carteira de crédito do banco”, indicou.
 
Na BNDES Participações (BNDESpar), o lucro no terceiro trimestre ficou em R$ 1,314 bilhão, bem acima do registrado no mesmo período no ano anterior, quando foi R$ 467,986 milhões. De janeiro a setembro, o resultado foi negativo em R$ 96 milhões, mas significou recuperação em relação ao prejuízo de R$ 1,410 bilhão dos primeiros seis meses do ano. Em 2014, nos primeiros nove meses do ano, a BNDESPar obteve lucro de R$ 2,616 bilhões.
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora