Pedidos de recuperação judicial batem recorde no semestre

Jornal GGN – Foram registrados 923 pedidos de recuperação judicial ao longo do primeiro semestre do ano, montante 87,6% maior em relação ao registrado no mesmo período em 2015, segundo levantamento elaborado pela consultoria Serasa Experian, que considera os números sem repetição de CNPJ. O resultado é o maior para o acumulado do semestre desde 2006, após a entrada em vigor da Nova Lei de Falências (junho/2005). De janeiro a junho de 2015, foram 492 ocorrências contra 414 em 2014.

As micro e pequenas empresas lideraram os requerimentos de recuperação judicial nos primeiros seis meses de 2016, com 535 pedidos, seguidas pelas médias (246) e pelas grandes empresas (142). Na análise mensal, o Indicador verificou aumento de 60% de requerimentos de recuperação judicial em junho em relação a junho de 2015. (105 contra 168).

De acordo com os economistas da Serasa Experian, o recorde histórico atingido pelos pedidos de recuperação judicial no primeiro semestre “revela a gravidade da atual crise econômica”. Segundo a consultoria, “a combinação dos juros altos com a prolongada recessão impõe sérias dificuldades financeiras para as empresas, levando-as a se utilizarem do mecanismo da recuperação judicial como forma de se preservar da insolvência”.

Quanto aos pedidos de falência, foram registradas 869 solicitações em todo o país, um aumento de 8,9% em relação aos 798 requerimentos efetuados no mesmo período em 2015. Na comparação com 2014, o número de pedidos de falência subiu 9,7%. Dos 869 requerimentos de falência efetuados no primeiro semestre de 2016, 451 foram de micro e pequenas empresas, 211 de médias e 207 de grandes.

Leia também:  Desigualdade de renda entre pobres e ricos é recorde, aponta IBGE

Na análise mês a mês, a pesquisa verificou um aumento de 22,6% de requerimentos de falências em relação ao mesmo mês do ano passado, de 159 em junho de 2015 para 195 em junho de 2016. Na verificação mensal de junho, as MPEs também ficaram na frente com 110 requerimentos, seguidas pelas grandes empresas, com 48, e as médias com 37.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome