13° salário: INSS deu início ao pagamento da segunda parcela

Começou na segunda-feira (26) o pagamento da segunda parcela do décimo terceiro para aposentados e pensionistas que possuem direito ao benefício. A estimativa do INSS é que, cerca de 30,1 milhões de pessoas recebam o dinheiro referente ao 13°.

A primeira parcela foi disponibilizada para aposentados no meio do ano, entre os dias 27 de agosto e 10 de setembro. Agora, o pagamento da segunda parte do benefício acontecerá até dia 7 de dezembro e seguirá o calendário estabelecido pelo INSS, que tem uma sequência baseada no valor da da aposentadoria e o número do cartão do beneficiário.

Dessa forma, as primeiras pessoas que tiveram acesso ao dinheiro do 13° salário, na segunda-feira (26), fazem parte do grupo que recebe até 1 salário mínimo e possui cartão com final 1. Os demais usuários que recebem até 1 salário mínimo de aposentadoria, seguirão uma sequência numérica lógica para recebimento, de acordo com o número do cartão.

Após o pagamento de todos aposentados que recebem até essa quantia, começará uma nova sequência, para quem recebe aposentadoria acima de 1 salário mínimo.  Veja na tabela a ordem de recebimentos do 13° salário de aposentados e pensionistas:

Tabela de pagamento do 13º salário do INSS 2018

Além da dúvida sobre a ordem de pagamento do 13° salário pelo INSS, é comum a dúvida sobre o que fazer com o recebimento e as melhores formas de investir esse dinheiro. A Poupança costuma ser o principal caminho encontrado por quem deseja poupar e ver algum rendimento, entretanto, pode não ser a melhor escolha.

A Poupança é um tipo de conta que gera um rendimento mensal sobre a quantia depositada. Quando comparada a outros tipos de investimentos como o Tesouro direto e o CDB, por exemplo, ela apresenta uma rentabilidade menor, que, muitas vezes, não consegue acompanhar a inflação, fazendo que o dinheiro que está aplicado perca o poder de compra.

De acordo com dados do Indicador de Reserva Financeira do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), o número de pessoas que ainda investem na Poupança reduz a cada dia e dá lugar a outras formas de investimento.

Na pesquisa realizada este ano, ficou constatado que 9% das pessoas aplica em fundos de investimento, 7% no Tesouro Direto, 5% em Certificados de Depósito Bancário e 5% em ações na Bolsa de Valores. Estes números demonstram uma evolução, quando comparados às pesquisas realizadas nos anos anteriores.

A facilidade em adquirir um título de renda fixa, seja de Tesouro Direto, CDB ou Letras de Câmbio, e a simplicidade de plataformas que permitem o investimento na Bolsa de Valores, são grandes diferenciais que possibilitaram o aumento do número de usuários realizando estes investimentos.

Além disso, a segurança também é importante. Os investimentos em renda fixa são assegurados pelo Fundo Garantidor de Créditos, instituição que oferece a proteção ao investidor caso ocorra algum problema com a instituição financeira. Para a Bolsa de Valores, é possível suavizar os riscos utilizando ferramentas e estratégias inteligentes.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome