8M: Bolsonaro cita “costela de Adão” e Damares erra na história do próprio Ministério

Gafes e machismo institucional marcam o primeiro Dia das Mulheres sob o governo de Jair Bolsonaro

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O primeiro Dia Internacional da Mulher no Brasil governado por Jair Bolsonaro é marcado por gafes e machismo institucional. No final da tarde desta sexta (8), o presidente da República fez um discurso que passou longe de questões como isonomia salarial e feminicídio, agarrando-se a passagens bíblicas que tentam valorizar a “mulher cristã” que cuida de “edificar o lar”.

Ao mesmo tempo, Bolsonaro naturalizou o fato de que seu governo tem 20 homens e apenas 2 mulheres no primeiro escalão.

“Pela primeira vez, o número de ministros e ministras está equilibrado. Nós temos 22 ministérios: 20 homens e 2 mulheres. Cada uma dessas mulheres que estão aqui equivalem a dez homens. A garra dessas duas transmite energia para os demais”, disse.

Enquanto feministas no Brasil e no mundo marcham em busca de direitos e liberdade, Bolsonaro deixou a agenda política das mulheres de lado e afirmou que “da costela do homem veio uma mulher e, a partir desse momento, pela graça de Deus, vieram todos os homens.”

“Vocês são quem conduzem o destino na nação. Não existe um homem que possa fazer uma política séria se não tiver junto de si uma mulher com os mesmos princípios”, afirmou.

Damares Alves, por sua vez, falou pouco mas o suficiente para errar a história do ministério que ocupa hoje. “É o primeiro Dia da Mulher do novo Brasil”, disse a ministra. “E a primeira vez no Brasil que nós temos um ministério da Mulher”, acrescentou.

A pasta de Mulheres ganhou status de ministério em 2015, quando Dilma Rousseff fundiu o setor com o Ministério dos Direitos Humanos e da Igualdade Racial.

Mais cedo, a ministra gerou polêmicas afirmando que, no governo Bolsonaro, as escolas vão ensinar que meninas e meninos não são iguais, pois elas são delicadas e, diferentes deles, não “aguentam apanhar”. Para Damares, a “ideologia feminista” é responsável pela violência contra as mulheres, pois prega a “igualdade” entre os gêneros.

No Instagram, a ministra compartilhou uma foto com Sergio Moro, no evento de assinatura de um acordo para combater violência doméstica com uso de tecnologia como botão do pânico e tornozeleiras. Ela adicionou a hashtag “#feminina”, numa equivocada contraposição às “feministas”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora