A Faca de dois gumes na paralisação dos caminhoneiros. Por Revison Ribeiro

A moral acaba sendo a balança de equilíbrio àquilo que a lei não consegue apoiar. Pois os valores morais vão mudar conforme a sociedade que se observa. Os valores éticos-sociais, também são instáveis e mutáveis. ”Ribeiro, Revison Filho”

 As últimas semanas no BRASIL foram uma das mais tensas, inquietantes, apreensivas e esgotantes devido as Manifestações da classe dos caminhoneiros que teve origem com a alta do preço do diesel (principal combustível dos caminhões e carretas) que é regulado pela Petrobras e que acompanha a variação internacional do combustível, com o aumento recente do petróleo, aliada à alta do dólar, uma série de reajustes levou ao protesto que foi um movimento de uma magnitude incalculável, foi uma das manifestações que mais ganhou notoriedade no pais chegando até a competir com a época da ditadura/intervenção militar no Brasil, pois essa manifestação foi um movimento que parcialmente e de um modo maciço ganhou afagos, apoios, auxílios, contribuições e até mesmo ‘’patrocínios’’ da sociedade adepta ao movimento que de acordo com o data folha teve o apoio de 87% dos brasileiros. Como corolário gerou uma polarização imensa entre a sociedade, pois teve um quantitativo de pessoas que não corroborou esse movimento, chamando até de uma ‘’palhaçada sobre rodas’’, vale ressaltar também que na manifestação dos caminhoneiros teve uma manifestação política, onde de um lado tinha ‘’FORA TEMER’’ um mantra que ganhou força com o Impeachment da DILMA (PT), e o famigerado ‘’INTERVENÇÃO MILITAR JÁ’’ que é um fetiche da extrema direita. Em cenário de crise na relação entre representantes e representados, os caminhoneiros acabaram por personificar a combinação do sentimento de descrédito sobre instituições democráticas com o conceito de soberania popular o poder e a importância do cidadão comum frente às imposições do Estado. Dando razão à análise de que há uma solidariedade difusa com o sentimento de injustiça tributária, consideram o pleito dos caminhoneiros justo 92%, índice que é de 57% mesmo entre aqueles que são contra o movimento todos os dados extraídos do Datafolha.

 Essa manifestação gerou um caos no Brasil que até agora os prejuízos estão em preços altíssimos que iam de transporte aéreo até o aquático e em setores que são cruciais no País, como o de R$ 1 bilhão no setor de laticínios como aponta a Viva Lácteos, A ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) calcula prejuízo de R$ 3 bilhões até o momento e já cogita a morte de 1 bilhão de aves e 20 mil suínos, caso não cheguem rações nos criadouros. Como aconteceu no município de Santa Maria de Jetibá, o segundo maior produtor de ovos do Brasil, mais de 5 mil aves morreram de fome. Cem mil pintinhos foram sacrificados por falta de espaço nas granjas e para evitar canibalismo na espécie. Mais de 150 milhões de ovos ficaram parados nas granjas. E entre outros setores que movimenta o Brasil, as projeções preliminares de diversos segmentos da economia após dez dias de greve dos caminhoneiros apontam para perdas de mais de R$ 75 bilhões. Em alguns casos, os prejuízos ainda podem aumentar mesmo após o fim do movimento, pois, dependendo do tipo de atividade, a retomada poderá levar de uma semana a 20 dias.

 Essa manifestação interferiu parcialmente também na rotina dos cidadãos, onde de acordo com uma pesquisa do Datafolha 51% deixou de sair ou viajar e 49% não se sentiu prejudicado, uma mesma porcentagem de pessoas encontraram problema ou dificuldades para abastecer o seu veículo e/ou fazer compras, a pesquisa também aferiu que o brasileiro não concorda em ser penalizado com aumento de imposto e corte de gastos federais para atender ás reivindicações dos caminhoneiros.

 Como resposta o governo federal diz que parte do movimento é um locaute, que é uma greve ilegal estimulada e auxiliada por patrões a fim de auferir vantagens econômicas, seria como usar os caminhoneiros como um engodo. Mas os caminhoneiros afirmaram que não receberam ordem ou apoios de patrões, recebeu apoio só e exclusivamente da sociedade. Segundo o ministro Sergio Etchengoyen (Gabinete de Segurança Institucional) afirmou na quinta-feira (31) que a população que apoiou a paralisação dos caminhoneiros tem uma ”cota de responsabilidade” no financiamento das soluções da crise. O ministro também advertiu que para compensar o subsídio de R$ 9.6 bilhões a redução do preço do diesel vai reduzir alguns recursos para grandes empresas e também nas áreas ligadas a saúde e educação (há quem diga que o ministro fez um terrorismo institucional) e o boleto vai para o POVO. Que se não tomar uma atitude corre risco de cair em um buraco mais fundo ainda, pois só o Brasileiro pode salvar o Brasil. Depois desse movimento a popularidade e a reputação do atual presidente MICHEL TEMER (PMDB) despencaram chegando a (96%) com unanimidade. Onde o presidente ostenta o índice de maior rejeição do planeta e na história do Brasil.

 Agora com todos esses dados, informações, referências e noções do que foi a greve/movimento vamos ver de outra perspectiva, na perspectiva filosófica e intrínseca ou obscura da sociedade. Com o Brasil passando por um momento difícil, estressante e ansioso, surgiu de uma personalidade gananciosa, aproveitadora e criminosa em algum dos comerciantes, produtores, revendedores e até mesmo consumidores.onde o que imperava no momento era aspectos malíssimos, inapropriados e inadequados da;

  • A INDIVIDUALIDADE que estava expelindo pelos corredores dos supermercados,
  • O EGO que gritava nas filas quilométricas dos postos de combustíveis e
  • O OPORTUNISMO que estava transcendendo em revendedores de gás, água e outros produtos de grande utilização pela população, tudo isso por um valor extremamente alto em decorrência da elevada procura.

 E tudo isso gerou uma rivalidade fomentada com injustiça, de um lado, sendo a maioria, dizia que aqueles preços astronômicos era ganância dos comerciantes e prestadores de serviços, que se aproveitavam da situação para extorquir a população atingida. Por outro lado, os economistas consideraram normal, uma vez que nas sociedades de mercado prevalecem os preços de acordo com a oferta e a procura. Como exemplo disso vimos repetitivamente nos noticiários, de vendedores de gás de cozinha vendendo botijões por até R$ 120 para a população, onde o preço normal é de 50 a 60, ou seja, os comerciantes aumentaram 100% dos preços para ‘’assaltar’’ os necessitados do produto. Vimos também postos de combustíveis chegando a cobrar R$ 10 por litro da gasolina, aumentando também em 100% no valor dos preços. Em alguns dos casos o Procon foi acionado e tomaram as medidas cabíveis, mas será que aconteceu o mesmo nos estabelecimentos em que a mídia não mostrou ou não visitou? acredito que não.

A cobrança exacerbada, pelos serviços e produtos, dá a oportunidade aos gananciosos de ganhar dinheiro no momento em que a população está em condição de vítima e, portanto, coagida a aceitar imposições do mercado sem uma defesa precisa e justa. Esses preços levam muitos necessitados a sobreviver em lugares sem o mínimo de segurança e, pior, sem condições para se sustentar. Para decidir se as leis de preços abusivos se justificam, precisamos avaliar essas relações entre o bem-estar e liberdade.

Com o decorrer da greve foram feitas vários comentários e críticas ao motorista de carros, que abasteciam seus veículos em postos de combustíveis, com preços abusivos e que com o ato do abastecimento o dono do veículo ‘’aceitava’’ ‘’acatava’’ e ‘’acolhia’’ a alta do preço do combustível. Em vídeo muitos adeptos do movimento falavam sempre a mesmas coisas; ‘’Estamos aqui lutando para abaixar o combustível e vocês fazem fila para ser roubados e serem idiotas’’. Esse comentário é uma faca de dois gumes. Precisamos analisarmos com cuidado, pois temos que refletir.

 O que é prioridade: o bem-estar social ou a bem-estar individual? Se o movimento é em prol de todos, todos tem que acatar ou ser obrigado a acatar uma determinada atitude? Se você tem um filho (a) que está doente e tem que leva para o hospital o que faria? Se sua mãe tivesse que fazer uma cirurgia e depende de você para leva-la para o hospital e a ambulância da cidade está quebrada o que faria? Se um médico cirurgião não chegar numa cirurgia por motivos de combustível? Iria acatar a greve e não abastecer, ou não acatar a greve e abastecer por motivo caso fortuito ou força maior? Essas perguntas são bem capciosas, com o movimento dos caminhoneiros deflagrado surgiram pessoas que foram prejudicadas. Essas questões não dizem respeito apenas à maneira como os indivíduos devem tratar uns aos outros. Elas também dizem respeito a como a lei deve ser e como a sociedade deve se organizar. São questões sobre moral e ética. Essas perguntas são um tipo de antinomias.

 

Por fim, o que é uma sociedade justa? Quanta desigualdade é consistente com uma sociedade justa? O que nós, como cidadãos, devemos uns aos outros? E, especialmente: o que podemos fazer juntos para que a democracia funcione melhor? “Quando se fala em democracia, no mundo todo as pessoas se sentem frustradas com os políticos, os partidos políticos e as alternativas que são oferecidas” ‘Ribeiro, Revison Filho”

Em tempos de dificuldades, uma boa sociedade se mantém unida, o que impede o comportamento imoral demonstrado neste contexto através da ambição exagerada. Inibe o favorecimento de alguns e a miséria de muitos, temos que aprender esse bom senso, praticar essa prudência, e semear sabedoria. ‘Ribeiro, Revison Filho”

Precisamos aprender e usar a Virtude que, segundo minha interpretação, é o lado humano e solidário de ser. O espírito de bondade em se unir ao próximo diante de situações complexas e de extrema necessidade. ”Ribeiro, Revison Filho”

É salutar que o pensamento de um jurista se volte sempre para o senso crítico, sendo este dotado de lógica e objetividade. Somente desta forma o operador do Direito poderá conseguir desempenhar seu principal papel, resolver conflitos com a máxima equidade possível, sem trazer maiores danos a sociedade como um todo. ”Ribeiro, Revison Filho”

 

Leia também:  Moro processa quem critica Bolsonaro e fecha os olhos para ataques a jornalistas

Ribeiro,Revison Filho.

Um incógnito e esotérico Acadêmico de Direito, Onde está sempre a procura de sapiência da Lei e dos submissos a ela. Onde estuda o ignoto do pensamento humano que está sempre em vicissitude.


FONTES:

https://g1.globo.com/sp/ribeirao-preto-franca/noticia/diretor-de-laticinio-ve-prejuizo-der27-milho…

https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,greve-de-caminhoneiros-deixa-rastro-de-prejuizos-bili…

https://g1.globo.com/es/espirito-santo/noticia/greve-dos-caminhoneiros-no-es-causa-prejuizos-miliona…

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/05/apoioaparalisacaoede-87-dos-brasileiros-diz-datafo…

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/05/populacao-que-apoiou-caminhoneiros-tem-que-ter-sua-cot…

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/05/greve-dos-caminhoneiros-personifica-descredito-com-insti…

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome