A incrível capacidade do neojornalismo em reinterpretar fatos

O MInistro da Fazenda Joaquim Levy faltou ao anúncio do ajuste fiscal na sexta-feira passada. Avisou que estava gripado. O resultado foi um festival de interpretações sobre sua ausência, com muitos jornalistas jurando de pés juntos que ele estaria demissionário.

O Ministro desmentiu, informando que voltaria na segunda “novo”. Em qualquer curso de interpretação de texto, em qualquer ambiente informal, “voltar novo” significaria voltar curado da gripe.

Como a Folha interpretou a explicação:

“Sua ausência evidenciou a insatisfação do ministro e alimentou rumores de uma eventual despedida. Tanto que, na sexta, ao deixar o ministério, fez questão de dar uma mensagem aos jornalistas: “volto novo na segunda”. Foi um recado desenhado especialmente para desmobilizar insinuações de demissão” .

Ou seja, ao desmentir o boato o Ministro confirmou o boato, se é que me entendem. Vale para qualquer desmentido. Se desmentiu, é porque confirmou.

Pior foi outro jornal que disse que ele estava demissionário porque o ajuste fiscal mínimo aceito por ele era de R$ 70 bi e o pacote ficou em R$ 69.9.

Agora à tarde um Levy sorridente desmentiu todos os boatos de conflitos, de demissão, de desistência.

Se desmentiu, é porque confirmou. Não é assim que o neojornalismo nos ensina?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Clipping do dia

22 comentários

  1. Nassif
    No meu condominio a 10

    Nassif

    No meu condominio a 10 anos recebia + ou – 100 jornais. Ontem recebeu 6,  e 3 nem foram na portaria buscar.

    Até os coxinhas deixaram de ler os pasquins.

    Acho que eles ainda existem é por causa de tua repercussão……

    Fui ver o outro e vi que foi a demitida que repercutiu…..

    Tá dando uma força pra ela né!!!!

     

  2. A cada dia o PIG cava mais a

    A cada dia o PIG cava mais a sua própria sepultura.

    E como ele se recusa a morrer, vai sendo enterrado vivo, pelas suas próprias mãos.

    Melhor dizendo, pelas mãos dos jornalistas que eles contratam.

    Como podem ser tão estúpidos?

    Como podem esperar que os políticos que apóiam consigam ter votos suficientes para vencer mais alguma eleição presidencial?

     

     

     

     

     

     

  3. ouro de tolo

    O maior e mais gordo dos micos, para mim, foi o texto muito “insight” de Kennedy Alencar, repleto de “informações de dentro”. Prova que essa gente faz de conta que sabe alguma coisa e vende mesmo é ouro de tolo para um monte de bobos. 

  4. Alguma notícia sobre a quebra de sigilo contra Collor?

    STF autoriza :

    STF autoriza quebra de sigilo dos últimos quatro anos contra Collor (http://jornalggn.com.br/noticia/stf-autoriza-quebra-de-sigilo-dos-ultimos-quatro-anos-contra-collor) –

    ter, 19/05/2015 – 08:57

    Atualizado em 19/05/2015 – 16:28

    O Ministro Marco Aurélio Mello,primo de Collor, diz:

    “Louvo Sergio Moro. Mil vezes o excesso do que a apatia”, diz Marco Aurélio Mello

     ter, 19/05/2015 – 17:47

    Atualizado em 19/05/2015 – 17:51

     

     

    • É interessante essa fala do

      É interessante essa fala do Marco Aurélio Mello: “Mil vezes o excesso do que a apatia” – será que tem que ser 8 ou 80? Acho que um ministro da Suprema Corte deveria preferir o equilíbrio, fica mais coerente com sua posição. De vez em quando dar uma espiada na Constituição faz bem para avivar a memória.

  5. Racismo explícito.

    Ontem, um post do Nassif dissertava sobre racismo, como ele se sentia desconfortável de chamar seu amigo Negão pelo nome, ele internalizou a repressão à espontaneidade. Ora, há amigos que nos encontram e os chamamos (ele nos chamam) “seu viado!”. Não é xingamento, é uma forma carinhosa de tratamento e nenhum deles é homossexual. Mas eu queria tratar aqui de racismo puro. Fiquei sabendo que o Banco Santander demitiu hoje um gerente, gerente há quinze anos, negro. Estão fazendo cortes monumentais naquele banco, mas não venham me dizer que são apenas “ajustes”. Demitir um gerente que é gerente há quinze anos, para mim, é caso de racismo puro. Alguém aí do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro pode tomar providências? O homem, pai de família, levou um susto tão grande que teve um ataque do coração e foi internado às pressas. Se teve um ataque, demissão era a última coisa que ele esperava. Que vergonha, demitirem um gerente de banco negro em pleno Rio de Janeiro, em pleno Século XXI! Aonde isso vai terminar?

  6. Não  foi nada disso…
    Foi só

    Não  foi nada disso…

    Foi só o Bradesco chamando seu embaixador no Governo Federal para explicações sobre o aumentinho de CSSL dos Bancos!!!

    Nada demais…

  7. Bom, por falar nisso, os

    Bom, por falar nisso, os auto-proclamados blogs progressistas (eu gostava mais do apelido “blogs sujos”, não pq os visse assim mas pq tirava uma da cara do criador do termo tentando denegrir esse tipo de plataforma que trabalhasse na oposição à oposição) costumam colocar em suas manchetes sobre o “arrocho” que passa o Paraná e os ‘ajustes” que ocorrem no Brasil.

    Talvez um título mais honesto para essa manchete fosse: A “incrível capacidade das pessoas em reinterpretar fatos”.

     

  8. depois que desmascararam o caneta do Cachoeira…

    acabou-se o que era doce ou cômodo ou muito fácil

    tudo que temos hoje, esta porcaria, vem daquele jornalismo mal-acostumado e criminoso

    o jornalismo que causava o que dizia que acontecia

    desde então seguem perdidões

  9. jornalismo que muito me lembrou os “meganhas” da ditadura

    os que mesmo sem merecerem, por não terem estudo nem porra nenhuma do bom, eram promovidos por atos de bravura, mesmo que forjados

    jornalismo atual tem a mesma podridão daquela época

  10. Foi uma das poucas vezes em que

    eu torci para uma mentira da midia ser verdade. Eu torco diariamente para o Levy voltar logo pro Bradesco.

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome