A Nova República acabou, por Vladimir Safatle

 
Da Folha
 
 
por Vladimir Safatle
 
A Nova República acabou. Qualquer análise honesta da situação brasileira atual deveria partir dessa constatação. O modelo de redemocratização brasileiro, que perdurou 30 anos, baseava-se em um certo equilíbrio produzido pelo imobilismo.
 
Desde o momento em que FHC se sentou com ACM e o PFL para estabelecer a “governabilidade”, a sorte da Nova República estava selada. Frentes heteróclitas de partidos deveriam ser montadas acomodando antigos trânsfugas da ditadura e políticos vindos da oposição em um grande pacto movido por barganhas fisiológicas, loteamento de cargos e violência social brutal.

 
O resultado foi um sistema de freios que transformou os dois maiores grupos oposicionistas à ditadura (o PT e o núcleo mais consistente do PMDB, a saber, o que deu no PSDB) em gestores da inércia. Com uma “governabilidade” como essa, as promessas de mudanças só poderiam gerar resultados bem menores do que as expectativas produzidas.
 
Mas a Nova República tinha também um certo princípio de contenção por visibilidade. No auge da era FHC, José Arthur Giannotti cunhou a expressão “zona cinzenta de amoralidade” para falar do que ele entendia ser um espaço necessário de indeterminação das regras no interior da dita democracia com sua “gestão de recursos escassos”.
 
Essa zona de amoralidade, mesmo tacitamente aceita, deveria saber respeitar uma certa “linha de tolerância”, pressuposta na opinião pública. Havia coisas que não poderiam aparecer, sob pena de insuflar a indignação nacional.
 
Giannotti acreditava falar da essência da democracia, mas estava, na verdade, a fornecer involuntariamente o modo de funcionamento das misérias da Nova República: um acordo fundado sobre uma zona cinzenta de amoralidade resultante de disfunções estruturais e democratização limitada.
 
Mesmo isso, no entanto, é coisa do passado. O primeiro sintoma do fim da Nova República é a pura e simples gangsterização da política e a brutalização das relações sociais. Não há mais “linha de tolerância” a respeitar, pois não é mais necessário um “pacto pelo imobilismo”.
 
Pacto pressupõe negociação entre atores que têm força e querem coisas distintas. Mas todos os principais atores políticos da Nova República já estão neutralizados em seu risco de mudança. Os que não querem a mesma coisa não têm mais como transformar seu desejo em ação.
 
Assim, como não há mais linha de tolerância a respeitar, o outrora impensável pode ser mostrado, desde que sirva para desestabilizar o governo de plantão.
 
Por exemplo, foi como um sindicato de gângsteres que o Congresso Nacional e seu presidente agiram na semana passada ao convocar, para uma CPI de fantasia, a advogada de defesa de denunciantes da Operação Lava Jato, a fim de intimidá-la.
 
De toda forma, só uma política gangsterizada pode aceitar que o presidente da Câmara seja um indiciado a usar seu cargo para, pura e simplesmente, intimidar a Justiça, como se estivesse na Chicago dos anos 1930.
 
Dilma acreditava ainda estar na Nova República ao rifar seu governo para economistas liberais. Seu cálculo era: “Se eu garantir que não haverá nenhuma mudança drástica de rota, serei preservada no governo”. Esse raciocínio, no entanto, não serve mais.
 
Como é, atualmente, indiferente saber quem está no governo, pois todos sabem que nenhuma mudança drástica de rota virá, a rifa de Dilma não garantirá sua sobrevida.
 
Em um contexto de crise dessa natureza (e, antes de ser econômica, a crise brasileira é política, é a marca do fim de uma era política) a única solução realmente possível é caminhar ao que poderíamos chamar de “grau zero da representação”.
 
Não há, hoje, mais atores políticos no Brasil. Os principais foram testados e falharam, e é desonestidade intelectual acreditar que uma simples troca de presidente mudará algo. Por isso, o poder instituinte precisa se apresentar diretamente, com o mínimo de representação possível. Ao apresentar-se enquanto tal, o poder instituinte pode impulsionar um processo de constituição de novos atores e novas formas.
 
O parlamentarismo tem a possibilidade de convocação de eleições em situações de crise. O presidencialismo brasileiro precisaria de tal flexibilidade para, no caso, convocar eleições gerais, tendo em vista, entre outros objetivos, a dissolução deste Congresso e a convocação de uma assembleia constituinte capaz de refundar a institucionalidade política nacional.
 
Assembleia para a qual poderiam se apresentar candidatos independentes, fora de partidos políticos, com controle estrito do poder econômico. A saída da crise não se dará por meio de conchavos de bastidores, mas pela radicalização da democracia. Como já se disse antes, há horas que você precisa deixar os mortos enterrarem seus mortos e seguir outro caminho. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  O que explica o fracasso dos militares no governo, comentário de Luiz Fernando Juncal Gomes

24 comentários

  1. E neste meio tempo enquanto

    E neste meio tempo enquanto discutimos grandes temas, a gente aproveita e entrega o pré-sal, depois a Petrobrás, chamam-se as grandes empreiteiras para tocar nossas obras de infra-estrutura, entregam-se as rodovias para consórcios implantarem tarifas de pedágio escorchantes como as que são praticadas em SP, desmonta-se o SUS em favor dos palnos de saúde privados, etc. Assim, tipo os náufragos organizarem no bote salva-vidas um grande debate para avaliar as causas do naufrágio e como construiu navios melhores no futuro. No mais, por pior que seja um governo, é mil vezes melhor ficar com quem pelo menos tenta preservar em poder do Brasil suas riquezas e não abafa investigações do que voltar aos tempos do entreguismo e do engavetador geral da república. Sim, há diferenças. Não é tudo a mesma coisa. Isto parece conversa de coxinha.

    • Muito boa a resposta, CB, mas

      Muito boa a resposta, CB, mas a análise de Safatle não é tola. Falta ele perceber que o ódio contra o governo do PT deve-se à sua eficiência, e não à sua carência. Foi eficiente no resgate da dívida social, na defesa do patrimônio nacional, no estabelecimento de um projeto de nação. Está, porém, sendo derrotado pela aliança dos interesses imperialistas com a burguesia de terceira classe que tem no país, mais uma classe média de feição lúmpen. O governo do PT não equivale aos outros que o antecederam. Não está sendo capaz, entretanto, de se preservar. Seu erro fundamental é esse. 

      • A sem dúvida.
        Quando Dilma

        A sem dúvida.

        Quando Dilma foi eleita o povo foi sábio por reconhecer seus méritos.

        Agora, quando até os seus eleitores estão insaisfeitos, após descobrirem o rombo nas contas públicas, realizado em busca da reeleição, a indignação é pelo o que ela fez de bom e não de ruim.

        Pode isso Arnaldo ? rsss 

  2. é preciso agir contra o golpe

    Críticas importantes e diagnóstico muito bom. Mas o resto é totalmente desconectado da realidade atual. Quando a esquerda realmente criará coragem e lucidez e dirá: “vamos defender a permanência de Dilma Rousseff”? Vão deixar mesmo o poder ir de bandeja para a parte mais radical e até mesmo fascista da direita brasileira?

    Será que não compreendem o simbolismo disso e os efeitos danosos para potencialmente gerações de brasileiros? Não percebem como essas forças só esperam “limpar o cenário” para virem com força total, acabando com direitos dos trabalhadores, conquistas sociais as mais diversas e aprovação de pautas as mais retrógradas possíveis? Não percebem que, com sua inação e autismo (fazendo críticas importantes, mas mais adequadas a um momento mais estável), estão colaborando para arremessar o Brasil a um período de trevas?

    A esquerda realmente irá assistir ao golpe impassível, com danos impossíveis de se estimar à sociedade brasileira, às pessoas mais pobres, aos trabalhadores, aos movimentos sociais (que serão destroçados num novo governo) e à própria esquerda? Será que um poder de análise tão apurado não está enchendo de cega soberba a esquerda, que não consegue sair dessa mesma análise e olhar a mais pura realidade? Morreremos de tanto pensar? 

    O momento agora é de agir em defesa do mandato constitucional de Dilma Rousseff. Não se enganem: com o golpe, virá uma nova força de direita, que irá se organizar e tentará alçar voos ainda maiores. Não esperem racionalidade. Estamos lidando com uma das mais perversas elites do mundo, uma que se move de maneira passional e que não aceita a inclusão social e a diminuição da desigualdade. 

    E o afastamento da presidente da República, para eles, seria uma de suas mais importantes vitórias. 

    • O Safatle é do MES, uma das

      O Safatle é do MES, uma das correntes morenistas do PSOL, a qual pertence a LouG… eles são perdidinhos em análise de conjunturas… apoiaram o levante nazi-facista Ucraniano, argumentando que era a sociedade se mobilizando para derrubar o Stalinismo, como se toda revolta popular fosse desembarcar em um governo socialista trotkysta…

      Veja os posicionamentos esdrúxulos do PSTU. 

      O MES comprtilha boa parte deles…

       

       

      • Só não mude para os EUA, lá
        Só não mude para os EUA, lá te plebiscito em todas as eleições. Mude para a Coreia do norte, lá não tem plebiscito.

    • Por não ter se feito uma

      Por não ter se feito uma democratização nas mídias, um referendo aqui corre o grande risco de ser direcionado pelos veículos de comunicação como se viu, por exemplo, no caso da PEC 37. Chaves, com todos os seus defeitos, era inegavelmente um líder. E com a opinião pública a seu favor, soube tirar do caminho as pedras que o fariam tropeçar. Aqui, como sabemos, todas as pedras continuam exatamente em seus lugares. E agora, após um longo percurso aos trancos e barrancos, nos deparamos com um paredão intransponível.

  3. Análise errada. A causa da
    Análise errada. A causa da crise política não é a “gestão da inércia”, ao contrário, são as transformações sociais que se aceleraram no primeiro mandato de Dilma. Em particular, a derrubada forçada dos juros e os programas de educação sinalizaram a disposição de romper com a estrutura de castas da nossa sociedade, o que se revelou intolerável para os 30% da população que participam ou aspiram participar da casta rentista.

    Dilma teve 60% de aprovação e a reconquistará assim que as crises climática e financeira internacional passarem.

  4. O presidencialismo brasileiro

    O presidencialismo brasileiro precisaria de tal flexibilidade para, no caso, convocar eleições gerais, tendo em vista, entre outros objetivos, a dissolução deste Congresso e a convocação de uma assembleia constituinte capaz de refundar a institucionalidade política nacional.

     

    Vladimir Safatle defende isso Agora ??? Eleições agora terão como Resultado vai ser algo parecido com o que aconteceu na Ucrânia… se bem que os morenistas são fanzaços dos nazistas de Kiev…

     

  5. Nao nao acabou
    Esta passando a republica por seu teste mais sereno no Brasil.
    Quando o poder do executivo torna refem de outros dois poderes, a fraqueza de qquer poder na democracia ate das minorias eh um tranco.
    A fraqueza do poder central que no pais eh cobrado mais e ele mesmo puxa outras responsabilidade que nao sao suas para si esta um caos.
    O ataque e a fraqueza nao combina na democracia e quem sofre eh a republica.
    Quando a ferramenta nao funciona nao troca a peca e sim a ferramenta e a verdade que Dilma nao funciona. Agora que ela eh tao responsavel quanto o PT como partido.

  6. Ele citou o PSDB e o FHC “

    Ele citou o PSDB e o FHC ” mir vez” no texto. Dá a impressão que a culpa pelo que esta acontecendo é dessa oposição fraca e sem representatividade nos últimos 13 anos.

    Safatale sabe o que esta acontecendo, mais não consegue distrribuir os culpados de forma correta.

    O texto começa com uma falácia, até porque o PFL, mesmo antes de qualquer coisa, sempre apoio quem ele indica como culpado pelos conchavos.

    Seria melhor dizer que a governabilidade começou quando FHC indicou Renan Calheiros como Ministro da Justiça rsss

    Bom, se alguém quiser culpar o Lula pela porcaria que vem acontecendo hoje, eu admito que ele é um grande aluno do FHC, seja em matéria de governabilidade, economica ou social.

  7. O articulista já começa

    O articulista já começa dizendo que uma análise “honesta” tem que ser da maneira como ele acredita que ela deva ser. Ou seja, outro tipo de análise discordando desse ponto de partida por ele determinado só pode ser “desonesta”. É só uma frase de efeito, dirão alguns, mas reflete bem o ponto de miséria intelectual a que chegou o debate público no Brasil: ele é feito entre gente “honesta” e gente “desonesta”; não é um embate entre diferentes visões de mundo. O “outro” não está equivocado (do meu ponto de vista): ele é desonesto.

    Nunca fui uma “estrela” da área de comentários aqui do blog, mas posso dizer que, há muitos anos, no já distante ano de 2010, eu já apontava por aqui e em outros espaços virtuais a “nudez” da ungida do Lula. Por trás da personagem, a “Mãe do PAC”, havia ma burocrata obscura, com jeitão de chefe de repartição pública, mas que nem mesmo passou em concurso (sempre conseguiu “boquinhas” graças aos bons contatos). Uma senhora de cara enfezada e de fala confusa, que nunca mostrou ser muito mais brilhante (se não for exagero falar em brilhantismo aqui) do que outros milhares de  apaniguados políticos. Me espanta muito que tanta gente bem informada, analistas políticos experientes, como o dono aqui do blog, tenham realmente comprado essa personagem inventada pelo Lula. Pra ser franco, não consigo mesmo acreditar que alguém esteja decepcionado com Dilma: eu me surpreenderia mesmo é se o governo dela não terminasse em fiasco.

  8. A solução para essa situação não está em eleições

    ou na troca de pt por psdb, mas no amadurecimento e tomada de consciência da sociedade que deve expurgar a roubalheira, o clientelismo e o elitismo corrompido da nossa política. Se deixarmos o Brasil na mão desses políticos atuais, não importa de qual deles, nosso futuro vai ser sempre a mediocridade.

  9. a questão é que o judiciário

    a questão é que o judiciário nunca foi redemocratizado…

    ainda se acham os senhores do tempo do império…

    e aí como não tem que se submeter ao povo, são facilmente convertidos pelo poder da mídia…

    e se tornam neste monstrengo midia + judiciário a travar / influenciar os outros poderes

    se você prestar atenção verá que todos os grupos políticos que lutam entre si fazem uso destes dois grupos (midia + imprensa) para chantegear e/ou  derrubar inimigos.

    para avancarmos temos que democratizar estes dois poderes, senão vai ser sempre assim.

     

     

  10. Uma crítica estapafúrdia!

    Mais uma vez uma análise feita por uma foto e não por um filme. Comentaristas que se prezam deveriam sempre pensar numa análise histórica dos processos, não em instantâneos da realidade nacional. Já tivemos nesta nova república que “acabou”, segundo o colunista, um presidente que morreu antes de ser empossado e substituído por um arremedo de presidente que foi José Sarney, já tivemos a derrubada de um presidente que foi substituído por outro que ninguém acreditava (Itamar Franco) e que acabou com a inflação estratosférica e que teve uma das melhores atuações da “nova república”, já tivemos um sociólogo da pseudo socialdemocracia brasileira que foi muito pior que todos esperavam, já tivemos um presidente operário que levaria o país ao caos e que a Regina Duarte estava com medo, já tivemos um poste que não seria eleito e que foi reeleito, ou seja, já tivemos um monte de situações anômalas em um curto período de tempo, com avanços e retrocessos, porém as fotos de cada um destes períodos não mostram o que ocorreu, pois a evolução de uma sociedade é um filme e não um só quadro desta situação.

    Não é o primeiro gângster mentiroso que ocupa a presidência da câmara, acho muito mais grave a fala do então deputado AURO DE MOURA ANDRADE declarando vago a Presidência da República quando todos sabiam que o presidente estava no país, do que as estrepolias do atual presidente da Câmara.

    Agora quanto ao artigo, que não é inédito nem nada, procura artificialmente demonstrar uma saída, que nem foi aprovada pela oposição e a grande imprensa quando foi sugerida pela presidência em 2013, uma saída que não seria mais uma farsa para mudar tudo não mudando nada.

    Uma assembleia constituinte nos dias atuais para fazer o que? Eliminar os privilégios do Judiciário e do Legislativo? Passar a tributação de impostos indiretos para diretos? Modificar o judiciário para que dentro das leis existentes aumentar a sua celeridade? Modificar a legislação partidária acabando com o financiamento de empresas aos partidos? Profissionalizar o serviço público acabando com os CC e aumentando o rigor na fiscalização dos agentes públicos nos três poderes? Responsabilizar juízes e promotores quando estes deliberadamente agissem com interesses nada públicos em suas ações? Implantar um parlamentarismo que já foi rejeitado duas vezes pelo povo brasileiro em dois plebiscitos?

    Nada disto seria feito, ou seja nada disto seria mexido, pois o importante na foto do dia é derrubar a presidência da república e depois deixar tudo como está.

    Se há uma crise institucional,o certo é que a convocação de uma assembleia constituinte simplesmente paralisaria o país, e talvez o que 99% da população o quer é não é isto.

    O que mais me surpreenda nisto tudo, é que a política editorial do GGN tem sido pautada pelos grandes jornais, colocando a rodo textos integrais destes sem a mínima análise ou a mínima interpretação, tornando algo que era para ser dinâmico e atual em um repositório de notícias da grande imprensa.

    Infelizmente o GGN está se tornando um apêndice do PIG.

    • Como assim, Auro declarou

      Como assim, Auro declarou vaga a presidencia embora o Janio estivesse no país ? A vacancia deu-se pela carta/renuncia. Posto isso, vejo um conflito de poderes. Alem dos tres tradicionais, emerge o quarto e quinto: PF e MPF. Quem lhe deu guarida foi exatamente o PT. Essa mania que as esquerdas tem de achar que todo trabalhador é de esquerda. Hoje o governo e estado sao propriedade da burocracia e sindicatos, inclusive os ligados ao crime de corrupção.

       

      • Que carta renúncia? Pode me mostrar a onde a acho?

        Que carta renúncia? Pode me mostrar a onde a acho?

        [video:https://youtu.be/hMbk3BcnzB8%5D

        Depois da internet besteiras como a que falaste ficam muito simples revidar.

        Me desculpe, não sou um idiota que não conhece a história do Brasil, mais respeirto.

        Quero ver apresentares alguma cópia desta carta denúncia que não existe.

        Acho melhor pedires um emprego para a Veja, pois há cargo vago pelo desaparecimento dos dois que forjaram o extrato da conta do Senador Romário.

        • Meu querido

          Não seja grosseiro.

          O colega acima se referia a renúncia de Jânio, quando também Auode Moura Andrade declarou a vacância da Presidência.

          Você “pensa” que sabe de tudo.Auro de Andrade em 01/04/1964não era Deputado, era Senador ePresidente do COngresso. Declarou a vacância e empossou Ranieri Mazzili, este simo presidente da Câmara.

           

        • Que tal voce ache a carta no

          Que tal voce ache a carta no boteco da esquina onde voce certamente vive a dar veredictos de sapiencia e teorias da conspiração . Faça melhor ainda, publiques algo para provar que Getulio não suicidou, ou que a ida a lua pelos ianques (como certamente vossa senhoria os rotula) não é verdadeira. E pare de se achar o máximo. O senhor errou e não admite o erro. Vem com esta conversa boba, pedindo cópias da carta. Viu bem o erro? Ao menos admita-o antes de dar uma de sábio de botequim.

        • Chega a ser hilario. O

          Chega a ser hilario. O sabichao foi pego no contrapeh. E  nao reconhece o erro. Desculpe-me professor mas estou tendo um ataque de riso.

  11. O Imperador Pedro II só
    O Imperador Pedro II só suportou 1 ano e seis meses para ser deposto depois da abolição da escravatura. Os latifundiários, exportadores, grandes comerciantes e demais integrantes da Casa Grande, ao se verem obrigados a pagar pela mão de obra para poderem produzir, não aceitaram esse aumento em seus custos de produção e culparam o Imperador. Getúlio, com suas leis trabalhistas não engolidas pelo patronato, acabou por suicidar-se para garantir que elas permanecessem. Jânio Quadros desejava fechar o Congresso e legislar por decreto, só lhe restou a renúncia enquanto aguardava apoio do povo, porque da elite ele sabia que não teria. Apoio esse não solicitado e, consequentemente, não vindo.Jango desejava e vinha fazendo articulações no sentido de fazer um governo voltado para a população desassistida, mas ao anunciar algumas de suas intenções, tais como as reformas de base, forneceu para a oposição o motivo que faltava para o golpe que já se tramava desde 1930, ou seja, os militares no poder. Foi um período negro para o país. Até hoje se especula porque Tancrêdo aceitou disputar a eleição para a presidência da república, ainda que indireta, se ele sabia que estava doente? Ou será que não sabia. Ou não estava e, se não estava, como foi parar em uma mesa de cirurgia vindo a falecer? Faleceu ou foi falecido? O Caçador se elegeu por um partido pequeno, sem base parlamentar mas com uma mídia grande a apoiá-lo. Sua ministra, para não aumentar as emissões de títulos da dívida, foi buscar o dinheiro na poupança da população, desgastando o governo de uma só vez. Para aumentar sua bancada recorreu ao empresariado, mas de maneira tão forte que os assustou. Eles preferiram apoiar sua saída imediata. A bola da vez agora é a Dilma e, principalmente, a possibilidade do retorno de Lula em 2018. Mesmo sem ter uma causa específica, tendo em vista que a plutocracia ainda está escolhendo por qual via seguirá, outro golpe se aproxima.Observe que em nenhuma das crises anteriores o povo foi chamado a participar ou, pelo menos, opinar. Será que vai ocorrer outra vez sem povo ou dessa vez o povo se fará presente. Outra dúvida: a favor ou contra?

  12. Belo texto

    Tipo de texto que escancara a diferença entre um intelectual de esquerda como o Wladimir e a turma de papiteiros que ganhou espaço com o advento da internet.

    O Wladimir há anos vem cantando essa bola, que um dia esse tipo de arranjo “democrático”, de loteamento de poder, daria no que deu. 

    Hoje temos um Executivo que reúne sua bancada para um churrasco na segunda-feira, recebe promessas de apoio e na quarta-feira assiste embasbacada a bancada votar contra seus interesses.

    Temos um executivo que recee pela mídia a notícia que dois partidos estão deixando a base de apoio e depois de dois dias ainda mantém os ministros indicados por esses partidos em seus cargos, pelo simples fato de ser refém, de não ter sequer moral para demitir um ministro.

    É o fim da picada.

  13. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome