A ORIGEM DA CORRUPÇÃO – A CORRUPÇÃO DE UM PARTIDO?

Muito se tem falado sobre corrupção nesse momento de exploração mais do que política do tema o Brasil. corrupção de partidos, de empresas privadas ou não. Mas a bola da vez é o Partido dos Trabalhadores (PT), acusado de ser o partido da corrupção, como se a corrupção não fosse uma “instituição” enraigada no ser humano.

Onde há interesses, poder, dinheiro envolvido, há corrupção, seja no Brasil, nos Estados Unidos ou em qualquer outro lugar do mundo.

O combate a essa endemia, que furta, em geral, dos que menos tem em favor dos que mais tem é que deve, tem que ser combatida. 

O apelo de dizer que o Brasil é um dos países mais corruptos do mundo e que a corrupção campeia nos governos petistas não encontra respaldo nos levantamentos realizados ano após ano pela mais insuspeita instituição independente do mundo: A Transparência Internacional. A Instituição é reconhecidamente referência mundial no que tange à avaliação da Índice de percepção de corrupção das sociedades. No Brasil não estamos nadando em berço esplêndido. Mas a série história da Transparência Internacional nos traz à realidade.  Ela mostra que o Indice de Percepção de Corrupção Relativo do Brasil (IPC relativo do Brasil), calculado a partir da relação entre a posição absoluta ocupada pelo Brasil no ranking e o número de países avaliados [(1- Posição Brasil/Número de países avaliados) x 100] – no pior cenário (100% de corrupção), o  IPC relativo teria valor igual a ZERO e  na Sociedade ideal (corrupção zero), o valor do IPC relativo seria igual a CEM] – apontou o pior cenário no ano de 1995, ano do inicio da nefasta “era FHC”, quando chegamos ao IPC relativo de 2,4%.  Ao longo dos anos seguintes a percepção da corrupção diminuiu no País e o IPC relativo aumentou rapidamente até o ano de 1999. Desde 2003 o IPC relativo se mantém na faixa de 60%, isto é, entre os anos de 1995 e 2003 houve melhora na redução do IPC relativo e de lá para cá estamos “andando de lado”. Não houveram mudanças significativas nos últimos anos. O que mostra que apesar dos esforços de instrumentar o Estado com  mais “ferramentas” visando o combate à corrupção, ela continua endêmica, e que há muito a ser feito para nos aproximarmos de países como a Dinamarca  (IPC relativo= 99,4% – 2014) ou a Nova Zelândia (IPC relativo= 98,9% – 2014). Para o ano de 2014, os Estados Unidos da América tiveram um IPC relativo de 90,3% e na “lanterna” a empobrecida Somália com IPC relativo 2014 igual a zero ( o último do levantamento 2014).

Índice de Percepção Relativo de Corrupção – Série Histórica Brasil

Para complementar, afim de se melhor compreender esses números, deve-se considerar o tamanho das economias em dado momento da história, isto e, o estoque de recursos financeiros girando na economia e passível de corrupção. Em 1995 o PIB do Brasil era de R$ 731,1 bilhões, em 2003 o PIB era de R$ 1,556 trilhões e em 2013 de R$ 4,840 trilhões, isto é, entre 1995 e 2013, o PIB variou positivamente por um fator de quase 7X e o Índice Relativo de Percepção da Corrupção por um fator de 25 X, o que mostra que forma inequívoca que o Brasil está muito menos corrupto e que o País avançou positivamente, a passos largos, no combate à corrupção.

Série histórica do PIB do Brasil – 1995 – 2013

Leia também:  Noblat: Januário Paludo pode levar a Lava Jato em Curitiba ao "lixo"

Atribuir o “ente” corrupção a um partido ou organização ou é ignorância ou má fé. Talvez ambos….A origem, o cerne da corrupção, do corruptor, do corrompido é secular. Não há pequena ou grande corrupção. Corrupção é corrupção. O vídeo a seguir, de forma simples, nos traz essa verdade. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome