A TRAIÇÃO DO CONGRESSO!

A DILMA TEM MAIORIA NO CONGRESSO,

MAS DERRUBARAM O DECRETO PARTICIPATIVO!

E agora, vamos fingir que não foi nada?

É preciso compreender uma coisa, a Presidenta venceu as eleições, em parte por causa desse DECRETO PARTICIPATIVO. Então, o povo acaba de ser traído pelo Congresso!

Se continuar essa política do “deixa pra lá”, do “é assim mesmo”; a gente vai acabar perdendo a

>>>>REFERÊNCIA<<<<

que temos na política, e nossos valores morais!

Os partidos e o governo devem se acostumar a prestar contas à sociedade. É preciso ficar bem claro, quem foi o culpado por isso. Porque quando o povo perde a referência, todos entram na vala comum, virando “FARINHA DO MESMO SACO”. Depois não adianta chorar, se a situação ficar tão insuportável, que em 2018 as forças mais retrógadas e corruptas vencerem no primeiro turno; sem nos dar a mínima chance nem de debater, com o povo não aceitando outra coisa, senão mudar a condução do país.

Onde está a assessoria política e de imprensa da Presidenta, que com sua omissão, em vez de valorizar, acaba desconstruindo sua imagem e de toda a base aliada?

O decreto participativo não pode parecer à sociedade, que foi feito para ser derrubado. Pode até ter sido feito num ato de coragem e ousadia, sabendo que dificilmente seria aprovado, visando demonstrar a todos de quem foi a culpa. Mas nunca deixar que seja derrubado sem luta, sem evidenciar os traidores, e principalmente sem colocar a militância em cima do Congresso.

Afinal, pra que servem nossos movimentos sociais?

Não estão aparelhados pelos partidos?

Leia também:  Uma solução afinal: derrubar já Adolf Bolsonaro, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Por que os partidos não fazem uso de sua força nessas horas?

É preciso acima de tudo questionamento, reflexão, e cobrança. Porque se não recuperarmos a REFERÊNCIA, em 2016 e 2018 não vai adiantar chorar.

.
COMPREENDENDO O DECRETO PARTICIPATIVO!

http://www.opovo.com.br/app/opovo/politica/2014/10/30/noticiasjornalpolitica,3339690/entenda-a-divergencia-no-congresso-sobre-o-decreto-de-dilma.shtml

O governo pode investir dinheiro aqui ou ali, e com esse poder, negociar muitas propinas junto às empresas. Se o próprio povo decidir onde deve ser investido, a corrupção diminui, e sobra mais dinheiro. Porque quando o trambique é feito, eles chegam a dobrar o preço das licitações, como na copa (imaginem se tivesse o decreto participativo antes da copa), e a propina dos políticos acaba indo pra contas no exterior.

Por que as TVs, jornais, e revistas não denunciam isso?

Por que quem se diz indignado com a corrupção não protesta por causa disso?

.
CRÍTICAS SEM FUNDAMENTO AO DECRETO!

http://erickvizolli.jusbrasil.com.br/artigos/121548022/afinal-o-que-e-esse-tal-decreto-8243

Discordo do estudo apresentado!

O comunismo na antiga URSS recebe muitas críticas justamente por ter acabado com a influência dos sovietes, conselhos, ou conferências populares.

A questão é simples, se o povo definir onde serão investidos os recursos, não tem mais como os políticos negociá-los junto aos empresários. É só fazer a licitação, e pronto. No máximo vão conseguir tirar uma casquinha daqui e dali.

Agora quando o empresariado é chamado num canto, e dito que se tem verbas de tantos bilhões pra investir em sua área. Pra assegurar o negócio, chega-se a dobrar o preço das licitações, e a parte dos políticos vira depósitos no exterior. É um golpe muito duro na corrupção, que o Congresso não aceitou.

Leia também:  Governo Bolsonaro mantém Brasil fora da Celac

Movimentos sociais, inclusive não constituídos, ONGs, associações, etc; existem centenas de milhares no país inteiro, inclusive empresariais e de direita. Seria uma pluralidade tão imensa, que não é possível dizer que um ou outro vá dominar as discussões e debates.

Embora a antiga URSS tenha deixado de lado seus conselhos, que perderam a importância no país; outras nações os adotaram, dando cada vez mais prestígio a eles. Será que se arrependeram? Vejam:

https://www.facebook.com/democracia.direta.brasileira/photos/a.300951956707140.1073741826.300330306769305/312667208868948/?type=3&theater

ENVIEM EMAIL À DILMA!

https://sistema.planalto.gov.br/falepr2/index.php?IND_IDIOMA=

Exemplo (tem que escrever, não dá pra copiar e colar):

“Sra. Presidenta, estamos preocupados com a derrubada no Congresso do decreto participativo. Sua reeleição se deveu em parte a essa proposta, que não pode ser deixada pra lá, como sendo algo banal. Seja firme!

Queremos que a Sra. se manifeste a respeito, e fale duro com o Congresso. Temos muito a ganhar com isso, porque nossa democracia ainda é jovem, e a maioria dos eleitores não tem noção da importância da eleição para deputado e senador. A Presidenta pode até perder no Congresso, mas a derrota deve custar caro para eles. Sob pena de perdermos a referência de nossos valores morais.

Também entendemos que, embora o decreto sirva para tornar essa prática obrigatória, sua derrubada não significa que esteja proibida. Ou seja, o governo federal pode perfeitamente adotar esses métodos por iniciativa própria. Pedimos que isso seja feito sem demora, como forma de acalamar as ruas, que começam a se manifestar novamente, e também de valorizar os compromissos assumidos nas urnas.”

Leia também:  Secretário diz que conceito da frase nazista é "perfeito" e acaba demitido

O QUE MAIS PODE SER FEITO?

MandEM email para deputados e senadores, paraticipEM de protestos para a reforma política, erguendo cartazes especificando o que querem. E principalmente

PARTICIPEM!

Conheçam a luta dessa galera, por um plebiscito para uma Contituinte exclusiva para o sistema político; que pode trazer até mais avanços.

http://www.plebiscitoconstituinte.org.br/

Por que participar?

Porque unidos somos muito mais fortes!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome