“Acabou a paciência”: em ato público, Bolsonaro diz que não aceitará novas “interferências”

Em frente ao Palácio do Alvorada, presidente acompanhou protesto e prometeu nomear novo chefe da PF na segunda (4)

Jornal GGN – Em nova aparição pública, incentivando aglomerações em plena pandemia de coronavírus, Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (3) que “acabou a paciência” e que ele não aceitará mais “interferências” no governo. Sem citar nomes, ele afirmou que o novo diretor-geral da Polícia Federal será nomeado na segunda (4).

“Peço a Deus que não tenhamos problema nesta semana. Chegamos no limite. Não tem mais conversa. Daqui pra frente não só exigiremos, faremos cumprir a Constituição. Ela será cumprida a qualquer preço”, disparou o líder de extrema-direita.

Em live transmitida ao vivo no Facebook, o presidente defendeu a “verdadeira separação entre os Poderes”, disse que as manifestações em frente ao Palácio do Alvorada são “espontâneas” e acrescentou que as Forças Armadas são a favor do atos.

Na semana passada, com uma liminar do ministro Alexandre de Moraes, o Supremo Tribunal Federal barrou a nomeação de Alexandre Ramagem – amigo pessoal de Carlos Bolsonaro – para o comando da Polícia Federal. A imprensa agora cogita que o braço direito de Ramagem, Rolando Alexandre de Souza, será o novo escolhido.

A ação do STF ocorreu depois que Sergio Moro desembarcou do governo acusando Bolsonaro de fazer interferências políticas na PF em causa própria.

O ato deste domingo ostenta bandeiras contra Moro, Rodrigo Maia e a favor da intervenção militar.

O STF já abriu um inquérito para investigar manifestações inconstitucionais.

Assista:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora