Amigo de Steve Bannon ganhará cargo no Itamaraty

Forte defensor do liberalismo econômico e conservador nos costumes, ele foi crucial na organização da primeira visita do então pré-candidato Bolsonaro a Nova York

Da Revista Fórum

De acordo com o Valor Econômico, o executivo do mercado financeiro Gerald Brant, diretor de uma empresa de investimentos em Wall Street e amigo do estrategista americano Steve Bannon, é cotado para assumir um cargo relevante no Ministério das Relações Exteriores.

Ele foi sondado para atuar como uma espécie de “conselheiro” do Itamaraty, como assessor especial e ligado diretamente ao gabinete do chanceler Ernesto Araújo, apurou o Valor. O executivo afirmou que está disposto a se somar como “soldado” e por “algum tempo” mas ainda não teria batido o martelo na sua vinda para o governo Jair Bolsonaro.

Brant é filho de mãe americana e pai brasileiro. Nasceu em Chicago e morou no Rio de Janeiro na juventude e passou parte da infância em Varsóvia, quando a Polônia era parte da União Soviética, e por isso brinca que é “anticomunista desde criancinha”. Seu pai trabalhou no Itamaraty.

Forte defensor do liberalismo econômico e conservador nos costumes, ele foi crucial na organização da primeira visita do então pré-candidato Bolsonaro a Nova York, no fim de 2017, quando o deputado era praticamente desconhecido no exterior.

Amigo do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), foi ele quem ajudou na aproximação do clã com Steve Bannon, ex-estrategista de Donald Trump.

Continue lendo na Fórum.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

    • Alguém poderia me explicar como falar em Pátria, vendendo tudo Estado a preço de banana(ich, tá cara)?
      Em outros países poderia ser crime Lesa Pátria. Quanto ao conservadorismo, pura hipocrisia! Vai ver a vida privada desse pessoal aí…

  1. O conhecimento histórico enviesado parece uma praga; coisa de “fins dos tempos”. Está na “pragmática” direita… e, ao que mais se evidencia na ex-cuidadosa esquerda: “Polônia ex-União Soviética”. A última vez que me senti assim foi aos dez, doze anos, no campinho de pelada, ao levar mais uma bolada…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome