Após divulgação do PIB, Guedes diz que economia podia estar meio anêmica

Ministro da Economia volta a declarar que processo de recuperação será em V, mas diz que pode ser meio torto; queda no trimestre foi de 1,5%

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o estado da atividade econômica brasileira poderia estar “meio anêmico” já no primeiro bimestre do ano, e que fará uma análise detalhada do PIB (Produto Interno Bruto) do primeiro trimestre.

“Vou pedir para desagregarmos. Para vermos se nos dois primeiros meses já estávamos decolando e no terceiro mês a crise nos derrubou, ou se já estávamos em estado meio anêmico”, afirmou em seminário virtual promovido pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), segundo informações do jornal Folha de São Paulo.

Para Guedes, os indicadores positivos apresentados no começo do ano apontavam uma situação mais favorável. “A impressão que eu tinha era que tínhamos começado a andar”, disse.

Tais declarações contradizem falas anteriores do próprio ministro – há dois meses, Guedes disse que o Brasil começava uma decolagem, enquanto as economias centrais estavam em queda. “Estávamos em pleno voo, começando a decolar quando fomos atingidos por essa onda”, disse Guedes em março.

Quanto à trajetória de recuperação, Guedes acredita em um formato de retomada em V. “Falo em V porque os sinais vitais da economia estão mantidos. Pode ser um V meio torto? Pode. Pode ser um V da Nike? Pode”, disse. “Dependendo da nossa reação pode ser U ou até L, só depende de nós”, disse.

Dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) dizem que o PIB brasileiro caiu 1,5% no primeiro trimestre de 2020, na comparação com o último trimestre do ano anterior. Em valores correntes, o PIB, que é soma dos bens e serviços produzidos no Brasil, chegou a R$ 1,803 trilhão.

Segundo a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, a retração da economia foi afetada pelo recuo de 1,6% nos serviços, setor que representa 74% do PIB. A indústria também caiu (-1,4%), enquanto a agropecuária cresceu (0,6%).

Leia também:  Clipping do dia

 

Leia Também
O desastre do mercado de trabalho em abril, por Luis Nassif
Com queda de 1,5% do PIB no primeiro trimestre, Brasil está próximo de nova recessão
GGN prepara dossiê sobre trajetória de Sergio Moro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Nao sei o q me provoca mais incredulidade; a incrível cara-de-pau do ministro Guedes ou a passividade subserviente dos meios de comunicação. Gostaria de saber quanto é como o O Mercado paga aos comentaristas econômicos, para ecoar, com ar de sapiência, tudo o q interessa ao O Mercado.

  2. Os sinais de economia decolando apenas o Ministro viu. Só pra lembrar, em 2019, o Brasil de Guedes cresceu apenas 0,9% (IBGE Revisado), menos que o de Temer, que já era ridículo. Em fevereiro de 2020, o índice de desemprego aumentou, demonstrando que a economia estava esfriando.

    • A única explicação possível é que, tal qual numa aeronave, estavamos em situação de ESTOL. Não estávamos voando mas sim caindo.

  3. E alguém me explique, com todos os indicativos apontando nosso nergulho em uma recessão com deflação, como a bolsa sobe 9% no mes de maio.

  4. O gráfico atual e futuro seo rolando lero é do coração que não bate mais, pode colocar todas as letras dos alfabetos do mundo para justificar fatos inexistentes.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome