Após ofensiva de Aras, forma-se aliança informal contra Lava-Jato

Esquerda, centrão e até mesmo bolsonaristas formam união de conveniência com o objetivo de esvaziar a operação

Augusto Aras, procurador-geral da República. Foto: Reprodução

Jornal GGN – A recente atuação do procurador-geral da República, Augusto Aras, contra a operação Lava Jato levou a formação de um casamento de conveniência entre aliados do presidente Jair Bolsonaro, o centrão e até mesmo representantes da esquerda.

Essa união, que busca esvaziar a operação, ganhou força depois que Aras questionou pontos fundamentais da operação, como a autonomia da força-tarefa dos procuradores e a exclusividade sobre o uso de provas.

Desde então, o procurador passou a ser elogiado pelo PT, por exemplo – a ofensiva ganhou força na última semana, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu retirar a delação do ex-ministro Antonio Palocci de um processo contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao mesmo tempo em que uma CPI da Lava Jato está dormente na Câmara desde 2019.

Já os representantes do centrão, que reúnem partidos como PP, PTB, PL, Solidariedade, Republicanos e PSD, sempre resistiram à investigação, uma vez que alguns de seus líderes são alvos de processos. Entre os bolsonaristas, o rompimento é mais recente e foi motivado pela saída do ex-juiz Sergio Moro do Ministério da Justiça. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

 

 

Leia Também
O caso CNN com  Alexandre Garcia e os limites da opinião, por Luis Nassif
Bolsonaro quer aumentar salário de servidores para se reeleger
Flávio Bolsonaro usou R$ 86,7 mil em dinheiro vivo para compra de salas comerciais
Governo estuda prorrogação do auxílio emergencial
Verba do fundo partidário financia dirigentes e aliados

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Fora de Pauta

1 comentário

  1. União de conveniência foi a formada pela direita e extrema-direita, na qual a falha de S. Paulo se inclui, para construir o anti-petismo e jogar o país na situação em que se encontra.

    13

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome