As ciências sociais brasileiras e aquela terra distante e exótica chamada Brasil

Em minha bolha virtual de esquerda, meu orientador do TCC novamente despontou, semana passada, com uma polêmica inútil. Ano passado havia conseguido iniciar um debate sobre a presença de um stalinista na revista Jacobin e pôs muito da esquerda acadêmica a discutir sobre stalinismo x trotskysmo, em um momento tranquilo do Brasil, governado por Jair Bolsonaro, com universidade atacadas, movimentos sociais criminalizados e o Estado de Direito na lona. Questão de prioridades: combater o fascismo é secundário diante de ver quem tem razão (ou seria a verdade?) frente um colega de luta stalinista. 

A polêmica agora é sobre como se escrever um artigo acadêmico. Fosse em tempos de normalidade democrática – seja lá o que isso signifique nestes Tristes Trópicos, tentei pôr um ano para ilustrar, mas não achei um em que não houvesse uma tentativa de golpe (branco, que seja) em curso -, vá lá entrar nesse tópico, para 2020 serve para ilustrar a distância que existe entre parte da universidade pública brasileira e essa terra longínqua chamada Brasil.

Há tempo acompanho a prudente distância esse professor do IFCH (que não se recusou a entrar na Unicamp e ser colega de um notório stalinista, por sinal). Até hoje vinha evitando comentar, por certo respeito e gratidão (afinal, é inesperado um professor chamar um mau aluno, que dorme em todas aulas e quase toda a aula, para ser seu orientando), mas há um limite, e me parece ser pertinente uma crítica – ácida que seja.

Como muitos de seus colegas de IFCH, esse professor é um bom exemplo de classe média que adora se fantasiar de revolucionária (de gabinete): revolucionária no discurso, conservadora nas práticas. Viva a luta dos povos oprimidos, a greve operária, mas greve de aluno não pode; greve de professores pode, mas os alunos de pós tem que entregar os trabalhos na data, por conta das agências de avaliação, e por conta delas também, todo apoio aos trabalhadores do mundo, mas se o orientando for atrasar o prazo de defesa do mestrado ou doutorado porque precisa trabalhar pra ganhar o pão de cada dia, então melhor que nem termine, para não prejudicar sua avaliação de rendimento. Terceirizado precarizados limpando banheiro e sofrendo assédio? Bom objeto de pesquisa, só não venham pedir apoio, a universidade não pode parar por causa de gente sem formação.

No caso específico que me move a escrever este texto, suas dicas de como escrever um artigo científico em ciências humanas preza pela defesa de um texto árido e que siga um modelinho padrão (ele até fala que é possível um estilo, criatividade, mas trata-se de uma suavizada pro-forma). Como pus acima, dicas desse tipo neste momento são da mais absoluta pertinência: sigamos normalmente a vida, fingindo que nada acontece fora dos muros da academia e de nossas casas. Mais: por conta da pandemia e dos protestos antirracistas iniciados nos EUA (país que o referido pesquisador aparenta ter não observado a fundo quando teve oportunidade in loco), uma série de instituições tem sido questionadas profundamente – por ora, a polícia, em especial, mas é de se esperar que logo as escolas e universidades também o sejam.

Nessa defesa do modelo habitual do artigo científico, cabe pontuar algumas coisas. Primeiro é se um texto acadêmico/científico precisa ser árido, se isso é condição para um texto rigoroso, ou se se trata apenas de um modo sutil de afastar o grande público da produção de conhecimento. 

Parênteses: egocentricamente vou contrapor minha dissertação de mestrado ao que meu ex-orientador defende (por sorte, meu orientador de mestrado seguia um pensamento de priorizar a prática contestadora, sem esquecer o discurso, claro), por eu ter tentado justo conciliar crítica formal com conteúdo crítico. Fecha parênteses. 

Que haja certa linguagem própria, certo manusear conceitos, certo hermetismo, não nego, mas tornar um texto de ciências humanas incompreensível ao público não iniciado, não especializado é necessário? Não haveria como garantir uma compreensão, mesmo que parcial, sem perder o rigor? Talvez meu 9,5 no mestrado, num texto que não seguia padrão ABNT e tentava inovar na forma, numa banca muito rigorosa (Jeanne Marie Gagnebin, Vladimir Safatle e Peter Pal Pélbart), seja indicativo que dá para ser rigoroso e não árido (ainda que tenha me rendido críticas bastante pesadas).

Um segundo ponto é que tal defesa por um modelo padrão revela uma preguiça do professor (afim à preocupação extrema com produtividade), pois o poupa de pensar demais, dá pra pôr o cérebro no semi-automático e ler o artigo sem preocupações formais, só ver se as ideias se encadeiam bem dentro dentro do esquema. Lembro minha pequena desavença com o Peter, meu orientador do mestrado, que perguntava por que não havia intertítulos em meu texto de 180 páginas, questionava o excesso de notas com referências bibliográficas (1518), mas depois da minha insistência e de reler minha dissertação entendeu qual a lógica interna do meu trabalho, que não seguia o padrão academicista e pretendia ser uma crítica formal também, afim ao autor que eu estudara – se fui feliz no intento, é outra questão (por sinal, foi essa dificuldade que me fez desistir do intuito inicial, de ser um texto de parágrafo único e com o título de “Trabalhinho para a obtenção de um título de mestrado em filosofia que por acaso versa sobre A Sociedade do Espetáculo, de Guy Debord”).

Essa preguiça levanta uma primeira grande questão: forma e conteúdo são dissociáveis? A forma não implica em certa forma de produção do conhecimento? Não que a forma atual não seja válida, porém se limitar a ela não é restringir formas alternativas de produção de conhecimento e, portanto, cercear a crítica – em especial uma metacrítica à própria ciência e seus produtos? Ou será que o professor marxista do IFCH acha que os meios são neutros e é o uso que os homens fazem deles que faz a diferença? A energia atômica pode ser usada tanto para a bomba quanto para a eletricidade, a escolha do uso a ser feito é dos homens. Será? Haveria energia atômica se não fosse o interesse na bomba, na guerra, na dominação?

Pode-se ainda questionar se o modelo de artigo científico é realmente relevante para as ciências humanas. Por conta de meu trabalho, mesmo não sendo da área, tenho lido vários artigos sobre o coronavírus: ali faz sentido soltar pesquisas parciais, pois outros pesquisadores podem não apenas replicá-las, como retomá-las a partir daquele ponto, levando a outros lugares. Em ciências humanas, a pesquisa não segue esse padrão e não raro o caminhar do pensamento é tão importante quanto o resultado. Não com isto quero renegar a escrita de artigos (“papers” como o pensamento colonizado gosta de chamar), e sim questionar sua centralidade como índice de produtividade científica e forma de divulgação de ideias. Mas penso, por exemplo, que em ciência política, um artigo publicado em um meio de grande visibilidade, como o Jornal GGN, deveria ser mais relevante que numa revista especializada, de público restrito.

Para encerrar este texto, reitero porque julgo relevante levantar esta questão neste momento: pandemia, isolamento social, crise econômica severa, levantes antirracistas: os questionamentos à ordem que vivíamos até ano passado serão amplos. Já vinham sendo questionados, por sinal. Curiosamente, são questões postas originalmente pelas esquerdas, mas que foram muito bem apropriadas e instrumentalizadas pela extrema direita. Um dos aspectos que será questionado é o sistema educacional como um todo: papel da escola, pertinência da educação à distância, função dos pais na educação das crianças, possibilidade de “home schooling”, produção e divulgação do conhecimento. Neste ponto, as ciências biológicas, que no Brasil são a face visível das universidades públicas, por onde se consegue adesão da população a sua defesa, saem fortalecidas. Poderia ser o caso também das ciências humanas, mas parece que os acadêmicos da área (não todos, claro), preferem insistir em suas hermenêuticas, criticar Átila Iamarino por ter feito uma defesa rasa das ciências humanas no Roda Viva (coisa muito acima do que eles conseguiram até hoje junto ao grande público, independente da profundidade), marcar pontos no currículo Lattes, agir como se o mundo seguisse o mesmo – ou ao menos vai seguir quando este período estranho passar -, assim como os dias seguem às noites, os ciclones bombas explodem no litoral e as nuvens de gafanhoto passam, a sair da torre de marfim que se encastelaram e de onde se julgam os soberanos do saber.

 

01 de julho de 2020

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora