As razões políticas para impedir o governo de emitir moeda, por Luis Nassif

Com a economia exangue, com enorme nível de desemprego e de capacidade ociosa na economia, não haverá como provocar inflação.  Basta então modular a emissão de moeda até o momento em que a economia esteja equilibrada.

Não há explicações racionais para a resistência do pensamento ortodoxo em aceitar a emissão de moeda como saída para a crise atual. A resistência pode ser entendida apenas no campo político.

A lógica econômica é simples.

Com a quase depressão que se prenuncia, a única maneira de enfrentar a crise será com o aumento focado dos gastos públicos em três campos:

* renda básica para os vulneráveis e cobertura da folha de pagamentos das empresas até que a pandemia seja superada.

* capital de giro para as micro, pequenas e média empresas, para permitir aumentar o percentual de sobrevivência até passar a doença.

* obras públicas para alavancar a atividade e o emprego.

Em momentos como os atuais, o grande desafio é impedir que a demanda vire pó. Manutenção de renda mínima para as famílias e manutenção do nível de emprego criam uma rede de segurança inicial para a demanda, impedindo que caia mais ainda. Passada a pandemia, facilitará a recuperação, por manter empresas funcionando e com quadro de funcionários disponíveis.

Há duas maneiras do governo fazer dinheiro. Uma é emitindo títulos e aumentando a dívida pública. Outra é emitindo moeda. Os inconvenientes apontados são de supostamente a emissão de dinheiro provocar inflação. Apelam a uma interpretação primária da lei da oferta e da procura.

Simplificando o modelo:

Tenho 100 de moeda para 100 de ativos reais. Se aumento a quantidade de moedas para 150, o valor dos ativos também aumentará na mesma proporção, gerando uma inflação.

No mundo real, não há essa relação mecânica.

Só haverá inflação se a capacidade instalada da economia estiver ocupada, pressionando os preços, e se o nível de desemprego estiver muito baixo, pressionando salários. Ponto. Com a economia exangue, com enorme nível de desemprego e de capacidade ociosa na economia, não haverá como provocar inflação.  Basta então modular a emissão de moeda até o momento em que a economia esteja equilibrada.

Há duas outras possibilidades de inflação, nenhuma ligada à emissão de moeda: choques de oferta (seca, quebra de um setor), choques cambiais.

Alega-se que a emissão excessiva enfraquecerá a moeda local, afugentando os investidores externos ou levando os empresários internos a reajustar preços. Ora, se não há espaço para reajuste de preços – por empobrecimento geral da Nação -, nem para pressão de salários – com o desemprego em níveis recordes – qual a razão para medo?

Ora, fuga de investidores ou medo de enfraquecimento da moeda é puramente movimento de expectativa. Não reflete a economia real, a relação entre oferta e demanda.

O que assusta mais os investidores externos? A possibilidade (remota) de volta da inflação em uma economia em recessão? Ou aumento da dívida pública, caso a opção escolhida seja a emissão de títulos? Evidente que é o aumento da dívida pública.

Então, qual a razão para essa resistência contra a emissão de moedas pelo governo?

São dois pontos principais.

O primeiro, a resistência do mercado financeiro. Títulos da dívida pagam juros; emissão de moeda não. Com a queda da atividade econômica, e da receita fiscal, cada tentativa de aumento da dívida encontrará resistência no mercado, obrigando o Tesouro a aumentar os juros. Se houver a possibilidade da emissão de moedas, o Tesouro sai dessa armadilha da liquidez. O mercado endurece para comprar os títulos? Emita-se dinheiro.

O segundo ponto é histórico e está na raiz das disputas sobre emissão de moedas.

Na economia, há dois agentes geradores de emprego: o Estado e as empresas. O Estado, através dos gastos públicos, garante o emprego ou por contratação direta ou através do financiamento de obras públicas. As empresas, através da contratação de empregados.

Quando o Estado tem posição passiva, o emprego passa a ser garantido unicamente pelas empresas. Essa possibilidade confere enorme poder político, exercido amplamente nos últimos anos. É em nome da empregabilidade, que pode-se exigir redução de impostos, redução de encargos trabalhistas, flexibilização dos direitos trabalhistas.

Aceitar que o governo emita dinheiro, significa o empresário abdicar do mais importante instrumento de influenciar políticas públicas.

É essa guerra ideológica histórica que cega os economistas ortodoxos – como o dirigismo cega economistas do campo oposto. Em vez da busca racional de soluções, mantém a luta ideológica até o último minuto, enquanto a recessão avança destruindo empregos e empresas.

Para mais elementos sobre o tema

Para entender a disputa política torno da capacidade do governo de emitir moeda, por João Furtado.

Na TV GGN: O desafio de emitir moedas para salvar empresas e renda.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora