Home Editoria Luis Nassif Online Banimento de Trump sinaliza mudança na mídia social em relação à censura?

Banimento de Trump sinaliza mudança na mídia social em relação à censura?

Banimento de Trump sinaliza mudança na mídia social em relação à censura?

Do Times Now News

Durante anos, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, e o CEO do Twitter, Jack Dorsey, foram intensamente criticados por permitir a divulgação de informações errôneas perigosas.

Após a carnificina que se seguiu no Capitólio dos Estados Unidos na quarta-feira, o Facebook e o Twitter impuseram as restrições mais severas ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, banindo-o abertamente. O Twitter finalmente restabeleceu o acesso à conta do presidente dos EUA 12 horas depois, depois que o presidente Trump excluiu postagens específicas a seu pedido. No entanto, a plataforma de mídia social lançou um ultimato dizendo que quaisquer novas infrações atrairiam uma proibição permanente. A proibição do Facebook, por outro lado, é indefinida e provavelmente continuará, pelo menos, até a conclusão da cerimônia de posse do presidente eleito Joe Biden.

Depois de convocar seus partidários para marchar no Capitólio dos EUA no início do dia, horas depois o presidente Trump divulgou um vídeo pedindo a seus partidários que voltassem para casa. No entanto, nele, ele continuou a vomitar as mesmas alegações infundadas de fraude eleitoral que vinha papagueando há meses. Em resposta, Facebook, Twitter e YouTube determinaram que o vídeo “contribui em vez de diminuir o risco de violência contínua”, conforme colocado pelo chefe de segurança e integridade do Facebook, Guy Rosen.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, também divulgou um post em que afirma: “Acreditamos que os riscos de permitir que o presidente continue a usar nosso serviço durante este período são simplesmente grandes demais”.

A postagem representou uma notável reviravolta em sua posição anterior sobre a censura – algo que muitos diriam que já deveria ter ocorrido. Durante anos, Zuckerberg e o CEO do Twitter, Jack Dorsey, foram intensamente criticados por permitir a divulgação de informações errôneas perigosas, muitas das quais frequentemente carregadas de potencial para inflamar tensões políticas e minar o processo democrático.

Ambas as plataformas, até recentemente, se abstiveram de tomar medidas contra os cargos do presidente Trump sob o argumento de que ambos eram dignos de notícia e de valor político. Embora as empresas tenham um conjunto de diretrizes sobre as quais as postagens dos usuários regulares são avaliadas, suas decisões de abordar as de líderes políticos com um toque mais suave indicam claramente que existe um padrão separado para indivíduos com maior influência nas mídias sociais. Zuckerberg já havia tentado justificar sua posição dizendo uma vez que sua empresa não deveria “ser o árbitro da verdade de tudo o que as pessoas dizem online”. 

Mas em maio de 2020, a decisão do Twitter de ocultar uma das postagens do presidente Trump relacionada aos protestos contra George Floyd deu a entender que, pelo menos, Dorsey estava começando a entender que as plataformas de mídia social precisavam reivindicar maior responsabilidade em impedir que o discurso público se tornasse venenoso. Tweets subsequentes do presidente dos EUA alegando que a votação por correspondência era fraudulenta também foram marcados com avisos de verificação de fatos. O Facebook, no entanto, não tomou nenhuma atitude, com Zuckerberg continuando a defender sua posição.

Alguns podem argumentar que o fato de que foi necessária uma insurreição em uma instituição que passou a ser reverenciada como um símbolo político da democracia liberal para o Facebook e o Twitter finalmente dar uma reviravolta em sua política de censura é evidência suficiente para sugerir que os dois as empresas estão mal equipadas para regular o conteúdo de forma adequada em suas plataformas extensas. Na verdade, várias organizações ativistas já pediram que o próximo governo Biden imponha regulamentações mais rígidas sobre a Big Tech e o clamor só vai ficar mais alto nas próximas semanas e meses. 

Embora tirar uma ferramenta que o presidente dos EUA tenha efetivamente transformado em uma arma quase perfeita nos últimos quatro anos sinalize um passo na direção certa, a realidade é que a desinformação continua a circular livremente pelas duas plataformas, com tentativas graduais de bloquear conteúdo perigoso, muitas vezes facilmente contornado pelos usuários. A escrita está na parede proverbial há algum tempo. Resta saber, porém, se o Facebook e o Twitter estão preparados para se engajar ainda mais em um olhar mais interno. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 COMMENT

  1. O banimento do Trump não é censura. Se rede social fosse serviço público, aí era outra história. Mas é um serviço privado, no qual existe um termo de uso do serviço com o qual o usuário é obrigado a concordar para finalizar o cadastro.

    É como assinar um contrato. Se uma das partes viola as regras desse contrato, a outra parte tem o direito, de acordo com o que for definido no próprio contrato, de cancelar a conta do usuário.

    O que gerou a situação que temos hoje é justamente a falta de aplicação dessas regras. Se as redes sociais não fizesses vista grossa para todas as violações, por óbvias razões financeiras (discurso de ódio e fake news geram visualizações), talvez nem tivéssemos eleito Trump e Bolsonaro.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Sair da versão mobile