Blogs da direita abusam das fake News para aumentar faturamento

Esquema apresentado pelo site The Intercept Brasil revela como blogueiros pesavam mão nas notícias falsas e no sensacionalismo para receber mais dinheiro do Google

Foto: Reprodução

Jornal GGN – Blogueiros políticos ligados à direita receberam treinamento na sede do Google Brasil, em São Paulo, em julho de 2016 sobre como aumentar seus ganhos com o AdSense, um programa de ‘aluguel’ de publicidade em sites. Após receber treinamento sobre otimização e sugestões de tema, eles entenderam que uma agenda contra o PT e a então presidente Dilma Rousseff era a opção para se ganhar dinheiro, resultado: em agosto, período derradeiro para o impeachment, um dos blogs faturou mais de R$ 25 mil.

A revelação foi feita ao site The Intercept Brasil, onde o entrevistado ressaltou que um funcionário do Google teria aberto uma planilha com um case de sucesso para inspiração: o do site Antagonista, que receberia milhares de dólares por dia com anúncios.

Esses blogs surgiram durante o levante antipetista e aproveitaram a onda do impeachment para, em seguida, engrossarem o coro pró-Lava Jato e Bolsonaro. Atualmente, vários desses sites seguem regados a sensacionalismo e meias-verdades, enquanto outros não escondem sua simpatia pela intervenção militar e pelo autoritarismo.

Os blogueiros também aprenderam como usar as ferramentas do Google para aumentar a audiência, a relevância e, desta forma, os lucros. Para isso, contaram com o auxílio técnico da empresa – um estrategista de contas e parcerias globais do Google enviou ao entrevistado um e-mail com dicas para implantar os anúncios do AdSense em celulares, voltando a usar O Antagonista como exemplo.

Dois desses canais viraram canais no YouTube e, com a mesma agenda sensacionalista, aproveitam o algoritmo do YouTube e ganham um lugar privilegiado no site, o que aumenta o número de espectadores e, por consequência, do seu faturamento. Basicamente, pode-se entender que o Google deu a esses blogueiros uma ferramenta para que faturassem com anúncios e, em seguida, os ajudou a aumentar a audiência.

Leia também:  Aras pede “apuração preliminar” sobre reunião do GSI e Abin com a defesa de Flávio Bolsonaro

Os pagamentos aos blogueiros eram atraentes, uma vez que a parte operacional do AdSense é concentrada nos Estados Unidos, de onde saem os pagamentos – por isso, são contabilizados e pagos em dólar.

O faturamento com publicidade impulsiona os resultados do Google: apenas no segundo trimestre deste ano, o faturamento da Alphabet (dona do Google) gerado pela publicidade foi de US$ 32,6 bilhões, ou 83% do total de US$ 38,9 bilhões. Tais números mostram que a combinação de anúncios e desinformação não causou apenas um estrago na sociedade, como também encheu os bolsos de poucos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. O modelo de negócio do Google não é apenas lucrativo. Ele é opressivo. As pessoas ganham para sabotar seus próprios países em benefício de uma agenda que interessa apenas aos norte-americanos. Não por acaso Google e CIA se tornaram entidades indistintas antes do escândalo revelado por Snowden. E eu duvido que alguma coisa tenha mudado depois disso, pois o fato noticiado aqui se refere ao golpe de estado que começou a ser gestado em 2015 (ou seja, dois anos depois que Snowden entregou material ao The Intercept em Hong Kong).

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome