Bolsonaro extingue grupo de trabalho que identifica mortos da Ditadura

Decisão de Bolsonaro acaba com a estrutura do Grupo de Trabalho Perus, embora exista decisão judicial que sustenta a operação de identificação de mortos da Ditadura

Foto: Jornal GGN

Jornal GGN – Na esteira do Decreto 9.759, Jair Bolsonaro extinguiu o Grupo de Trabalho Perus, núcleo ligado à Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos que é responsável por identificar as vítimas da Ditadura que foram torturadas, mortas e tiveram suas ossadas jogadas na vala comum do cemitério de Perus, na zona oeste de São Paulo.

Segundo a procuradora da República Eugênia Gonzaga, presidente da Comissão de Mortos, o GT Araguaia também foi atingido.

A Comissão de Mortos está hoje sob o guarda-chuva do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. O GT de Perus existe desde 2014, após determinação da Justiça Federal em ação civil pública.

Procurado pela imprensa, o Ministério dos Direitos Humanos não informou como pretende, ou mesmo se pretende, continuar o trabalho de identificação das ossadas.

A pasta sob Damares Alves indicou apenas que “está avaliando, estudando e proporá algo dentro dos parâmetros do decreto”, afirmou reportagem de O Dia.

Bolsonaro, quando parlamentar, debochava das buscas pelos desaparecidos da Ditadura. Em uma foto divulgada nas redes, ele aparece ao lado de um cartaz sobre Araguaia, que diz: “Quem procura osso é cachorro”.

Segundo Eugênia, a comissão não poderia ser atingida pelo decreto de Bolsonaro porque foi criada por lei federal. Ainda assim, os grupos de trabalho e equipes técnicas de peritos necessários aos trabalhos foram extintos pelo decreto. Na prática, significa que ninguém pode assinar documentos ou fazer contratações, embora exista verba prevista e determinação judicial para que o trabalho seja feito.

Leia também:  Sociedade deve se unir em defesa da democracia, diz Associação Brasileira de Imprensa

A decisão de Bolsonaro foi levada ao conhecimento do juiz federal Eurico Maiolino, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, que cuida do cumprimento da decisão judicial que obrigou a União a fazer a identificação das ossadas.

Hoje, quatro peritos trabalham com 1.047 caixas, em contratos assinados antes do decreto. No passado, o GT já teve 10 peritos, o que demonstra que o número atual é insuficiente.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Espantoso…
    como Bolsonaro usa e abusa das línguas demoníacas

    onde será que ele aprendeu a agredir verbalmente até os mortos, na bíblia ou no colégio militar?

  2. Nassif: dona Eugenia que me perdoe, mas daBala anda-e-caga pro Judiciário. Se começarem com fuzuê desses desencarnados (por conta dos VerdeSauvas) ele manda EliotNessTupiniquim aumentar a lista. Dizem que por conta da limpeza étnica já se foram uns vinte. Confirmado, só dois ou três. Portanto, estou preocupado com a integridade física desse pessoal do GT Perus. A região é grande. Lugar é que não falta pras desovas. Só vão encontrar daqui a uns 20 anos, que é o tempo que os Justiceiros institucionais, de farda e à paisana, pretendem ficar no comando. Mas, não podemos esquecer, depende das ordens dos donos do quintal. Já houve que dissesse que o mal da oposição dos 91 milhões de contrários (números eleitorais) é não destinarem o mesmo ódio com que os 56 milhões lhes homenageiam. Espero que o quadro mude…

    Em ChicoCity, como dizia Paulinho Boca de Profeta, “nada é prá sempre…”.

    • entre milicos…
      usar o arbítrio individual com lastro no que se fala em nome da nação é a maior bobeira que um presidente pode cometer

      ser simplório, cruel e demoníaco em nome da nação não é com eles

      questão de tempo ou até atingir a essência do mal em si mesmo, no arbítrio individual

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome