Home Destaque Secundário Bolsonaro “nunca quis comprar vacinas”, afirma presidente da CPI da Covid

Bolsonaro “nunca quis comprar vacinas”, afirma presidente da CPI da Covid

Bolsonaro “nunca quis comprar vacinas”, afirma presidente da CPI da Covid
Foto: Mateus Bonomi AGIF/AFP

Jornal GGN – O senador Omar Aziz, presidente da CPI da Covid, mostrou em entrevista ao Metrópoles que mudou de opinião a respeito da gestão da pandemia do novo coronavírus e da hipótese de algum depoente ser preso em flagrante por mentir à comissão. Na mesma entrevista, Aziz deixou claro que vê dolo na postura de Jair Bolsonari. Para ele, o presidente da República “nunca quis comprar vacinas” contra Covid-19.

“A declaração de Pazuello de que falava com o presidente uma vez na semana ou a cada 15 dias demonstra claramente o ‘grande’ empenho que eles tinham para combater a Covid. Se eu fosse presidente, meu gabinete iria para o Ministério da Saúde. Ora, (se) eu estou numa guerra, (eu faria isso). Como é que pode o Pazuello dizer isso? Que conclusão você tira disso? Nunca quiseram a vacina”, declarou.

CLIQUE AQUI PARA APOIAR A CONTINUIDADE DO GGN COMO PORTAL DE MÍDIA INDEPENDENTE

Questionado sobre a responsabilização de Bolsonaro, Aziz indicou que o caminho para a CPI é encontrar, primeiro, quem influenciava as decisões de Bolsonaro, ou seja, os membros ativos do tal gabinete paralelo denunciado pelo ex-ministro Luiz Henrique Mandetta. “Você tem que chegar a quem orientou o presidente.”

Ainda na visão do presidente da CPI, “está comprovado que a gente nunca teve um planejamento para enfrentar a pandemia. Tudo era feito no acaso, principalmente o que houve em Manaus, onde tentaram criar um aplicativo e deu no que deu. Manaus foi usada como cobaia. Isso é brincadeira! A gente identificou que eles apostavam no tratamento precoce, e não na vacina. Nunca foi intenção comprar vacina. Foi o grande erro do governo. Enquanto o mundo apostava na vacina, o Brasil apostava no tratamento precoce, imunização de rebanho e protocolos que não funcionaram.”

Sobre a possibilidade de prender um depoente após a negativa de deter Fabio Wajngarten, Aziz explicou que o cenário hoje é outro. Na sessão com o ex-chefe da SECOM, o presidente da CPI se preocupou em não melindrar testemunhas que estavam entregando documentos à CPI. Mas o pedido de prisão motivou pedidos de habeas corpus ao Supremo Tribunal Federal pelos convidados seguintes, Eduardo Pazuello e Mayra Pinheiro. Como eles escalaram mais um degrau nas mentiras em favor de Bolsonaro, Aziz acredita que agora o STF vai repensar a cobertura com o HC. E qualquer depoente, a partir de então, ficará sujeito à prisão se insistir em mentiras.

Leia também:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

GGN
Sair da versão mobile