Braço da AGU busca R$ 893 milhões de desmatadores

Força-Tarefa em Defesa da Amazônia entra com 27 ações civis públicas pedindo reparação por danos ambientais em 35 mil hectares de floresta

Foto: Reprodução

Jornal GGN – Uma ofensiva jurídica da Advocacia-Geral da União (AGU) ajuizou 27 ações civis públicas cobrando R$ 893 milhões de desmatadores da floresta amazônica.

As ações ajuizadas no dia 15 de setembro pedem a indisponibilidade de bens e valores de 23 réus e 41 responsáveis solidários. “O objetivo dos bloqueios é garantir que os réus não venham a se utilizar de medidas de ocultação de bens ou dilapidação de patrimônio, de modo a garantir a efetividade do provimento jurisdicional favorável ao final do processo”, explica a coordenadora da Força-Tarefa, Renata Periquito Cunha. “O beneficiário direto é a própria sociedade”, acrescenta.

Segundo nota divulgada pela AGU, o processo exige reparação pelos danos ambientais causados a aproximadamente 35 mil hectares de floresta. Os municípios abrangidos foram Alto Paraíso (RO), Ulianópolis (PA), Marabá (PA), Nova Maringá (MT), Lábrea (AM), Machadinho D´Oeste (RO), Nova Aripuanã (AM), Santa Cruz do Xingu (MT), Mucajaí (RR), São Feliz do Xingú (PA), Manicoré (AM), São Felix do Araguaia (MT), Peixoto de Azevedo (MT).

Este é o terceiro lote de ações ajuizado pela Advocacia-Geral da União desde que a força-tarefa foi criada, em setembro de 2019. Nos outros dois, foram protocoladas 45 ações, em um total de R$ 1,3 bilhão.

 

Leia Também
Fogo no Pantanal teria começado em 4 fazendas para abrir área de pastagem
Giro GGN Queimadas: A situação do Brasil em dados do Inpe

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora