Brasil é destaque em ranking sustentável

O Brasil é o segundo colocado em ranking internacional sobre consumo e sustentabilidade. A constatação é resultado de pesquisa realizada com 17 mil consumidores de 17 países. O trabalho levantou opiniões dos entrevistados sobre habitação, uso de transportes, alimentação e bens de consumo.

As maiores nações em desenvolvimento se destacaram, constata o Greendex 2009 – produzido pela National Geographic e a GlobeScaon. Índia, Brasil e China alcançaram 59.5, 57.3 e 56.7, respectivamente, em notas que variam de zero a 100 pontos. Já Estados Unidos (43.7), Canadá (47.5) e Japão (49.3), foram os piores colocados.

Apesar do destaque, o resultado da segunda edição do Greendex, revelou que o Brasil foi o único país que apresentou queda no desempenho – em 2008, sua pontuação foi de 58.6. Os consumidores de Espanha, Alemanha e França foram os que mais progrediram, em relação ao último relatório.

A preocupação dos brasileiros em relação aos impactos ambientais saltou de 35% em 2008, para 51% em 2009. Em contrapartida a parcela que considera a questão meio ambiente ‘modismo passageiro’ passou de 12% para 27%. QuandQuando perguntados se os problemas ambientais são exagerados pela mídia, 31% dos entrevistados no Brasil concordaram, contra 22% do ano anterior.

“…brasileiros, russos e mexicanos partilham uma série de características que podem desencorajar o comportamento verde do consumidor”, ressaltam os pesquisadores no relatório. Nesses países, a maior parte da população entrevistada acredita que os problemas ambientais são tão graves que não há muito a fazer individualmente. “Em outras palavras, falta-lhes um sentimento de empoderamento quando o assunto é meio ambiente”, completam.

O quesito onde o Brasil mais progrediu foi Habitação – os consumidores são mais empenhados na economia de energia e água, sem contar que o país é líder na venda de veículos econômicos e bicombustíveis. Mas a demanda por bens descartáveis está mais elevada em relação a 2008 e a procura por alimentos importados cresceu – uma em cada quatro pessoas come alimentos importados mais de uma vez por semana.

Um ponto interessante do estudo mostra que se por um lado os brasileiros se dizem mais preocupados em não adquirir produtos nocivos ao meio ambiente na hora da compra, por outro são os terceiros que menos estão dispostos a pagar mais caro por produtos sustentáveis – primeiro e segundo lugar foram ocupados pelos indianos e russos, respectivamente.

Mundo

Metade dos 17 mil entrevistados se disseram preocupados com os problemas ambientais e acreditam que o aquecimento global prejudicará a vida das gerações que vivem atualmente. Uma média de 6 a cada 10 pessoas pensam que é preciso consumir menos para que os próximos a nascerem tenham um meio ambiente melhor. Para metade da população dos países pesquisados, o mundo não terá condições de desenvolver tecnologias a tempo de frear alterações climáticas, portanto, a melhor saída será a mudança no comportamento humano.

Entre as opções apresentadas pelos autores do texto está a adoção de práticas de consumo de produtos produzidos em território nacional e redução na demanda por água engarrafada, além da utilização de transporte público em detrimento do veículo particular.

Os pesquisadores acrescentam que a mudança de comportamento registrada entre os consumidores de 2008 a 2009 não deve ser vista como algo definitivo dada à recessão econômica atual, mas confirmam que a preocupação com o meio ambiente nunca foi tão grande. “No início de 2008, a preocupação ambiental e o engajamento entre o público foi maior (…) e muitos programas e iniciativas por parte de governos e empresas foram postas em prática”, colocam.

Clique aqui para baixar a pesquisa.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora