Brasil teria um terço das mortes por coronavírus se Bolsonaro não fosse irresponsável

Com um enfrentamento mais rigoroso, igual ao da Argentina, Brasil teria metade dos casos de covid-19 hoje registrados. Mas postura de Bolsonaro e crises criadas por ele dificultaram o trabalho

Jornal GGN – Entrevista com Paulo Lotufo, professor de epidemiologia da USP, no UOL nesta sexta (29), mostra que o Brasil poderia ter um terço das mortes por coronavírus, e metade dos casos registrados até agora, se o presidente da República Jair Bolsonaro não tivesse se comportado de maneira irresponsável desde o início da pandemia.

Minimizando a gravidade do vírus, incitando a população a ignorar as recomendações sanitárias e o distanciamento social, brigando com governadores e demorando para pagar o auxílio emergencial para a camada mais vulnerável da população, Bolsonaro comprometeu o enfrentamento ao coronavírus. Hoje o País tem 465 mil casos confirmados e 27,8 mil mortes.

“Se tivéssemos feito um controle adequado, como a Argentina fez, poderíamos ter tido um terço das mortes, metade dos casos. Com toda a propaganda contra e a atuação do Bolsonaro, a quantidade de mortos por causa disso foi imensa. Não foi só a propaganda, mas a demora no pagamento do auxílio emergencial, um atraso premeditado”, disse o especialista.

Ele ainda demonstrou preocupação com a possibilidade de o governo começar a comprometer a divulgação dos dados da pandemia.

“Olha, nós estamos no pior dos momentos. No início da epidemia, quando estava a equipe do Mandetta, com o Wanderson (de Oliveira, secretário nacional de Vigilância do Ministério da Saúde), ou no período do Teich, era possível ter discordância da abordagem deles. Mas discordância é uma coisa diferente da desconfiança, que temos agora. Antes dava para ter confiança total no que estava saindo de informação. Agora, há uma semana, o Ministério da Saúde está sendo dirigido na prática pela Secom.”

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome